fachada-do-predio-da-petrobras-no-rio-de-janeiro-1397237848116_956x500

A disparada das siderúrgicas e da Vale ofuscou mais um tombo das ações da Petrobras nesta terça-feira (6), amparando o ganho do principal índice da Bolsa brasileira no dia. Os papéis da estatal atingiram seu menor valor desde 2003, ainda afetados pela baixa nos preços do petróleo no exterior.

O Ibovespa registrou valorização de 1,02%, para 48.000 pontos. O índice havia caído nos últimos três pregões. O volume financeiro foi de R$ 7,672 bilhões. Na China, principal destino das exportações da Vale, o contrato do minério com 62% de teor de ferro no mercado à vista subiu 0,87% nesta terça, para US$ 71,49 por tonelada.

A mineradora brasileira, assim como seus pares internacionais, vem sofrendo com a recente desvalorização dos preços das commodities nos últimos meses. Há um ano, a tonelada do minério custava mais de US$ 130. As ações preferenciais da Vale, sem direito a voto, subiram 4,10%, para R$ 19,29. Já as ordinárias, com direito a voto, ganharam 4,01%, para R$ 21,80.

O setor siderúrgico também se beneficiou com o avanço do preço do minério na China. A matéria-prima é um dos componentes do aço. As ações da Gerdau dispararam 11,12%, para R$ 9,69 cada uma, puxando para cima a Gerdau Metalúrgica, que avançou 10,44%, para R$ 11,32.

No mesmo segmento, subiram ainda a CSN (+6,80%, para R$ 5,18) e o papel preferencial da Usiminas (+4,89%, para R$ 4,72). A Bradespar, que possui participação na Vale, obteve valorização de 3,96%, para R$ 13,91.

“Há dias que o mercado especula um anúncio iminente de novos incentivos por parte do governo chinês, o que pode ter refletido positivamente no preço do minério nesta terça”, afirmou Wagner Caetano, diretor da consultoria Cartezyan. “Caso isso se confirme, o primeiro impacto será nos metais, com alta. Em um segundo momento, o petróleo pode subir também.”

“Houve uma forte desvalorização do setor de siderurgia e mineração em 2014. Por isso, a alta do minério hoje abriu brecha para um pequeno ajuste”, disse Waldir Kiel, economista da H.Commcor.

QUEDA LIVRE

As ações preferenciais da Petrobras chegaram a subir pela manhã, mas perderam força, mudaram a tendência e fecharam em baixa de 3,25%, para R$ 8,33 cada uma –menor valor desde 26 de novembro de 2003, quando estavam em R$ 8,25. O mesmo ocorreu com as ordinárias, que caíram 2,54%, para R$ 8,06. É a mais baixa cotação desde 27 de agosto de 2003, quando valiam R$ 7,97.

A companhia tem sofrido com a queda vertiginosa nos preços do petróleo no exterior, que estão em seu mais baixo nível em mais de cinco anos e meio. O receio do mercado é que a baixa no patamar de preços da commodity possa ameaçar até mesmo a viabilidade de extração do pré-sal, segundo analistas, já que o custo operacional para retirar petróleo dessa área é elevado.

Nesta terça, o contrato do barril de petróleo mais negociado na Bolsa de Londres (Brent) cedeu 3,78%, para US$ 51,10. Nos EUA, o contrato de petróleo mais negociado na Bolsa de Nova York recuou 4,22%, para US$ 47,93 por barril.

“No curto prazo, [a queda do petróleo] é ruim para a companhia, mas os investimentos previstos para o pré-sal são de longo prazo. Não dá para investir pensando no preço do petróleo no mercado à vista, que está sempre mudando. Lá na frente, quando os investimentos serão concluídos, o preço será outro. Pode estar maior ou menor, não há como saber”, disse Kiel.

Somado a isso, a Petrobras segue prejudicada pelas denúncias de corrupção dentro da companhia, que a impediram de divulgar seu balanço referente ao terceiro trimestre do ano passado.

PRESSÃO NEGATIVA

A empresa de alimentos JBS ficou entre as maiores quedas do Ibovespa nesta terça-feira, após reportagem do jornal “Estado de S.Paulo” ter ligado a controladora da empresa à operação Lava Jato da Polícia Federal, que investiga denúncias de corrupção na Petrobras. As ações perderam 2,16%, para R$ 10,41 cada uma.

Ainda na ponta negativa do Ibovespa, as ações da Oi despencaram 16,67%, para R$ 6,55 cada uma. Os papéis reagiram à notícia de que a Portugal Telecom SGPS foi alvo de buscas policiais no âmbito de um inquérito sobre suspeitas de fraude qualificada, relacionadas a aplicações financeiras. A portuguesa está em processo de fusão com a Oi.

Empresas do setor educacional, como Kroton (-8,73%, para R$ 12,65) e Estácio (-7,17%, para R$ 19,30), também fecharam no vermelho.

O movimento, segundo analistas, reflete as mudanças anunciadas pelo governo no final de 2014, como nota mínima para acessar o programa de financiamento de estudo superior e calendário diferente para recompra de certificados de instituições com mais de 20 mil estudantes usando o Fies. O programa representa cerca de 44% do total de receitas da Kroton e 40% da Estácio.

CÂMBIO DÁ TRÉGUA

Após duas altas seguidas, o câmbio deu uma trégua nesta terça-feira. O dólar à vista, referência no mercado financeiro, teve desvalorização de 1,05% sobre o real, cotado em R$ 2,699 na venda. Já o dólar comercial, usado no comércio exterior, cedeu 0,25%, para R$ 2,702.

Segundo operadores, a desvalorização refletiu a divulgação dos nomes que compõem a equipe do novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que foram recebidos com otimismo. As atuações no Banco Central também deram força à desvalorização do dólar no dia.

“Os nomes da equipe de Levy agradaram aos investidores. O ânimo só não foi maior porque ainda há uma certa descrença em relação à independência que eles terão para promover os ajustes necessários na economia, sem a intervenção da presidente [Dilma Rousseff] ou de partidos”, afirmou Caetano.

O Banco Central deu continuidade ao seu programa de intervenções diárias no câmbio, através do leilão de 2 mil contratos de swap cambial (operação que equivale a uma venda futura de dólares), por US$ 98 milhões.

A autoridade também promoveu um outro leilão para rolar 10 mil contratos de swap que venceriam em 2 de fevereiro, por US$ 486,4 milhões. Até o momento, o BC já rolou cerca de 14% do lote total com prazo para o segundo dia do mês que vem, equivalente a US$ 10,405 bilhões.


Folha de São Paulo

 

Comentários