“As divergências acabam aqui”, diz Sérgio Petecão.

DSC0245Da redação, com Gina Menezes

Para o senador Sérgio Petecão, as divergências entre os grupos da oposição chegam ao fim com o anúncio da ampliação da aliança liderada pelo PSDB, PMDB e demais partidos.

A declaração do senador foi dada na manhã desta segunda-feira (10), quando dezenas de pessoas lotaram o auditório da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), durante o anúncio do ingresso do PSC, PSD, PTS e PRTB ao grupo político.

“Nós estamos seguros de termos tomado a decisão correta. Por conta de vaidades pessoais, não podemos prejudicar um projeto. Estamos unidos para conquistar o governo. Tenho esse sonho de ser candidato ao governo e, por isso, iremos discutir com todos. Seja qual for o nome escolhido, eu vou abraçar a campanha dele”, garante.

marcio-oposicao
Bittar reconhece e agradece às novas lideranças que ingressam no grupo político./Foto: Agência ContilNet

O presidente regional do PMDB, Flaviano Melo, afirmou que o grupo recebe o senador Petecão e deputada Antônia Lúcia com extremo contentamento.

Flaviano disse que o grupo discutirá à exaustão até a escolha de um único nome para a disputa.

“Estamos contentes com mais esta conquista. Se vou conseguir a unidade toda, eu não sei, mas garanto que irei batalhar por ela até o fim”, disse.

A deputada federal Antônia Lúcia, cortejada desde o início para participar do grupo político em questão, diz que condicionou a adesão dela à unidade das siglas.

“Nos reunimos em Brasília, e eu disse que era preciso que o senador Sérgio Petecão estivesse aqui, junto de todos nós”, declarou.

Antônia Lúcia aproveitou a oportunidade para parabenizar o deputado Flaviano Melo pela intransigente luta em defesa da unidade do grupo.

A deputada também criticou os dissidentes da oposição.

“O Flaviano tem lutado muito por esta união e está de parabéns por isso. Outra coisa importante para falar é que nós estamos aqui por convicção e por uma decisão tomada em nome do grupo. Não somos puxados pelo beiço e nem corri pra cá no primeiro momento porque o governo não quis”, disse, referindo-se ao deputado federal Henrique Afonso, que recentemente anunciou que deixará o grupo oposicionista.

O deputado federal Gladson Cameli (PP), pré-candidato ao Senado, falou do contentamento com a adesão dos novos partidos e se mostrou confiante quanto à vitória do grupo nas eleições de 2014.

“A partir do dia 1° de janeiro, deixaremos de ser oposição e passaremos a ser governo. Iremos provar que a alternância de poder é salutar”, declarou.

O deputado federal Marcio Bittar, pré-candidato ao governo, afirmou que o momento é de reconhecimento e agradecimento às novas lideranças que ingressam no grupo político.

Bittar disse que a respeito do nome do candidato, o grupo irá avaliar e discutir, acrescentando que o nome dele nunca foi uma imposição.

“Esta eleição é o nosso tira-teima. Ou ganhamos, ou teremos a humildade de chamar os mais jovens e passar esta missão. É por isso que é importante discutirmos o melhor nome. Estou pronto para discutir com o grupo. Meu nome não é uma imposição”, afirma.

Comentários