Espaçonave também vai apoiar trabalhos agrícolas e elaborar mapas.
Imagens de alta resolução serão feitas do espaço.

Da AFP

O Peru vai entrar na era espacial em setembro, quando lançará seu primeiro satélite. Segundo as autoridades, a espaçonave vai reforçar a luta contra o narcotráfico, apoiar trabalhos agrícolas e silvícolas, além de elaborar mapas.

O satélite submétrico peruano, chamado PerúSat-1, é de última geração e vai permitir registrar imagens em alta resolução. É feito de carbeto de silício e tem aproximadamente 400 quilos – um terço do peso de outros do mesmo tipo.

“Inicialmente estava previsto lançá-lo em julho, mas não vai ser assim. Será transportado no foguete Vega, que vai levar também quatro satélites do Google, e estes ainda não estão prontos. Assim que se calcula que tudo será na segunda quinzena de setembro”, disse o general da Força Aérea do Peru Carlos Rodríguez, chefe da Comissão Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Aeroespacial (Conida), agência estatal Andina.

O adiamento estava previsto no contrato. “Somos a carga principal, se em setembro os satélites do Google não estiverem prontos, o foguete será lançado com o principal, que é o satélite peruano”, acrescentou Rodríguez.

O satélite foi construído em Toulouse pela empresa Airbus Defense and Space, no marco de um acordo entre os governos do Peru e da França, que também permite o acesso a outros seis satélites franceses que registram imagens com diferentes tipos de resolução (submétricos, ópticos e imagem de radar).

A fase de testes foi concluída em junho, e o satélite peruano permanece no seu contêiner em Toulouse. Será trasladado entre o final de julho e o início de agosto para a Guiana Francesa, onde será feito o lançamento, informou a Conida.

O PerúSat-1 será o satélite mais moderno da América Latina. O detalhe das imagens que gerará será de 0,7 metro. O satélite do Chile, por exemplo, lançado em 2011, tem uma resolução de 1,45 metro.

Comentários