A comissão interamericana de direitos humanos alertou que existe mais de 20 e mais de 715 feridos desde o inicio da crise institucional e política que afeta a nação andina

La Época

A autoproclamada presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, aprovou, através do decreto 4082, a alocação de 34,7 milhões de bolivianos (cerca de 5 milhões de dólares) para melhorar o “equipamento” das Forças Armadas, que têm “a atribuição e responsabilidade contribuir, se necessário, para a preservação da ordem pública ».

“O Ministério da Economia e Finanças Públicas está autorizado, através do Tesouro Geral da Nação, a fazer a alocação orçamentária de recursos adicionais no valor de Bs 34.796.098, a favor do Ministério da Defesa, destinado ao equipamento das Forças Armadas.”, Refere-se ao artigo 2 do decreto assinado em 15 de novembro e publicado no Diário Oficial da Bolívia.

O texto, assinado por Áñez e seus 17 ministros de Estado possuídos até essa data, acrescenta que as Forças Armadas têm “a atribuição e a responsabilidade de contribuir, se necessário, para a preservação da ordem pública, a pedido do Poder Executivo e de acordo com a Constituição Política do Estado ».

No mesmo dia 15 de novembro, foi aprovada outra disposição que nega responsabilidade criminal aos militares que participam das “operações de restauração e estabilidade da ordem interna” em cidades como La Paz e Cochabamba, onde houve numerosos protestos para exigir a renúncia de Áñez e o breve retorno do presidente demitido Evo Morales.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) descreveu o conteúdo desta norma como “sério”. O documento, de acordo com a organização, “ignora os padrões internacionais de direitos humanos e, por seu estilo, incentiva a repressão violenta”.

No entanto, o atual ministro da Defesa do governo de fato, Fernando López, questionou a organização internacional por criticar a medida “sem considerar o contexto e a situação na Bolívia”.

Por sua vez, Morales também falou sobre o assunto e disse que “os autores do golpe na Bolívia governam com decretos, sem o Legislativo e apoiados por armas e baionetas da Polícia e das Forças Armadas”.

Segundo relatos da polícia, no sábado passado, 193 pessoas foram presas no meio das manifestações.

Da mesma forma, o Ombudsman da Bolívia aumentou o número de mortos da repressão para 9 durante a marcha massiva dos plantadores de coca na última sexta-feira, 15 de novembro. Além disso, foram contabilizados pelo menos 115 feridos.

Segundo a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), já existem mais de 20 mortos e mais de 715 feridos desde o início da crise institucional e política que afeta a nação andina.

Comentários