“A população quer mais qualidade, eficiência nesses serviços e a diminuição da burocracia”, enfatizou o governador Fotos: Cedidas

O evento “BNDES com S de Social e de Saneamento”, aconteceu no teatro do banco, no centro do Rio de Janeiro, nesta sexta, 6. O ministro da economia Paulo Guedes e a ministra da Mulher, da Família e Direitos Humanos, Damares Alves, fizeram as palestras de abertura do seminário que contou com as presenças dos governadores do Acre, Gladson Cameli, do Amapá, Waldez Góes e de Alagoas, Renan Filho, além de diversos prefeitos dos três estados.

O governador Gladson Cameli participou de um painel durante o evento em que discorreu sobre o novo plano de saneamento do Estado que será executado nos próximos anos através de uma parceria público-privada. O objetivo será universalizar a água tratada e a coleta de esgoto nos 22 municípios acreanos, que atualmente são extremamente deficitários. O convite do BNDES para a palestra de Cameli aconteceu justamente pelo fato do processo de execução do projeto estadual estar mais avançado em relação a outros estados brasileiros.

Questão social e não política

Na sua exposição, o governador Gladson Cameli afirmou que existem muitas desinformações sobre essa questão.
“Precisamos apresentar as informações técnicas e não politizar a questão. Saneamento é saúde e esse é um índice que quero melhorar no meu estado. A população quer mais qualidade, eficiência nesses serviços e a diminuição da burocracia. Alguns prefeitos do Acre já aprovaram leis municipais que facilitarão as parcerias com as empresas. O Acre está com uma infraestrutura pronta para o intercâmbio comercial. Faremos o dever de casa para incentivar as parcerias público-privadas”, afirmou Cameli.

Saneamento como instrumento essencial à vida

Anfitrião, o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, iniciou os trabalhos ressaltando a situação precária do saneamento básico no Brasil. Ele também detalhou os planos de investimento do banco estatal no setor para resolver o problema.

“Temos 100 milhões de brasileiros sem acesso ao saneamento básico. Estamos elaborando uma agenda para consertar essa situação preocupante. Os recursos existem, mas precisamos de organização para realizar esse trabalho de fornecimento de água potável e esgotamento sanitário para o país. Estamos iniciando uma nova fase nesse sentido e o principal articulador será o BNDES. Não se pode pensar em desenvolvimento social e econômico sem avançarmos com o saneamento. Por isso, convidamos os estados que têm os projetos mais avançados nesse setor para apresentarem suas propostas neste evento,” explicou Montezano.

Presidente do BNDES, Gustavo Montezano, iniciou os trabalhos ressaltando a situação precária do saneamento básico no Brasil Fotos: Cedidas

Foco social

O ministro da economia Paulo Guedes, criticou a falta de direcionamento dos investimentos dos governos anteriores na área de saneamento.

“O excesso de gastos sem o foco social necessário foi a fonte de vários desacertos políticos e econômicos. Precisamos saber pra onde estão indo os recursos públicos. É necessário descentralizar os recursos do governo federal para estados e municípios fazerem os investimentos sociais porque são os governadores e prefeitos que estão próximos da população e não os ministros em Brasília,” advertiu Guedes.

O ministro da economia Paulo Guedes, criticou a falta de direcionamento dos investimentos dos governos anteriores na área de saneamento Fotos: Cedidas

Na sua colocação, o ministro da economia de Bolsonaro culpou a corrupção e o aparelhamento político como causas de um saneamento deficitário no país. E ressaltou o papel do BNDES como um Banco Social que tem a competência para coordenar um grande plano nacional para mudar o espectro do setor no Brasil.

“Houve a transferência de verbas e recursos desviados do verdadeiro objetivo que é a população. Só se beneficiava aqueles que tinham poder político. O BNDES criava campeões econômicos, mas não ajudava as pessoas. É preciso devolver o dinheiro para população. Para isso, vamos ‘despedalar’ os bancos públicos e não mais encher os bolsos de meia dúzia de empresários privilegiados. A atividade econômica já começou a reagir e o Brasil vai gastar menos e melhor”, ressaltou o ministro.

Paulo Guedes se mostrou otimista em relação ao futuro econômico e social do país. Ele também citou o Acre como um exemplo de investimentos futuros relevantes em saneamento.

“Não há razão para pessimismo. O Brasil está aperfeiçoando as suas instituições. Temos um sistema democrático vibrante. Mas precisamos valorizar o Social do S do BNDES. As crianças precisam ter saneamento para poderem acessar a educação. Temos trilhões de dólares de fora querendo entrar no Brasil para investir em saneamento. O crescimento precisa do investimento social. A expectativa de vida dos brasileiros diminuiu 10 anos por causa da falta de saneamento. Nesse sentido o Acre está com conversações bem avançadas com o BNDES para realizar o seu plano de saneamento. Essa é uma prioridade juntamente com a recuperação econômica dos estados e municípios”, disse Paulo Guedes.

A ministra da Mulher, da Família e Direitos Humanos, Damares Alves, também destacou a importância do saneamento para o desenvolvimento social.

A ministra da Mulher, da Família e Direitos Humanos, Damares Alves, também destacou a importância do saneamento para o desenvolvimento social Fotos: Cedidas

“Os governadores não conseguem avançar por causa do saneamento que é reconhecido pela ONU como direitos humanos. Não posso falar em direito da mulher e da criança esquecendo o saneamento. Chega de obras faraônicas, vamos priorizar o saneamento e assim poderemos mudar a história do Brasil. A falta de acesso ao saneamento é uma das maiores violências do país que temos no país,” afiançou a ministra.

Damares disse ainda que os governos do Acre, Amapá e Alagoas estão em fase final dos editais para iniciarem os seus projetos de saneamento. Ela lembrou que a execução dessas obras podem reduzir drasticamente o déficit do setor. Para se ter uma ideia dos montantes que serão investidos, no Acre prevê-se cerca de R$ 2 bilhões em saneamento básico em parceria com a iniciativa privada.

Comentários