Conecte-se conosco





Flash

Nove pacientes de cidades do interior do Acre são transferidos para hospitais de Rio Branco

Publicado

em

Na última sexta-feira (19) três pacientes que estavam internados no Into-AC foram transferidos para um hospital em Manaus, no Amazonas.

Nove pacientes de cidades do interior do Acre são transferidos para hospitais de Rio Branco — Foto: Reprodução

Por Andryo Amaral

Nove pacientes com necessidade de atendimento hospitalar foram transferidos, nessa terça-feira (23), de cidades no interior do Acre para hospitais da capital, Rio Branco. Desses, sete estão com Covid-19, sendo que dois foram transferidos já intubados.

A transferência é feita pelo transporte aeromédico até o Aeroporto Internacional de Rio Branco, onde o paciente é recebido e levado pelas equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

________________________

Os pacientes transferidos são das cidades de Brasileia, Feijó, Santa Rosa do Purus e Tarauacá. Em Santa Rosa do Purus, com apenas um cilindro de oxigênio reserva, quatro pacientes tiveram que ser encaminhados para a capital. Todos com idades acima de 50 anos.

________________________

A primeira a ser transferida da cidade, que é uma das mais isoladas do Acre, foi uma mulher de 52 anos. Ela estava com 75% da saturação e usando 15 litros de oxigênio, mas não foi intubada. Depois, outras duas mulheres e um homem de Santa Rosa do Purus foram levados para a capital.

Recém-nascidos foram transferidos de Brasileia para Rio Branco em helicóptero — Foto: Arquivo/Samu

Além do resgate de pacientes com a Covid-19, as equipes do Samu também fazem a transferência de pessoas que estão com outros problemas de saúde.

Foi o caso de dois bebês recém-nascidos em Brasileia que foram levados de helicóptero para Rio Branco, um com infecção generalizada e outro prematuro, com necessidade de ser colocado em incubadora.

O médico Pedro Pascoal, que acompanhou algumas dessas transferências, informou que, em relação aos pacientes com Covid, a medida é preventiva. Segundo ele, as unidades de saúde no interior do estado não possuem estrutura adequada para atender essas pessoas.

“A gente está fazendo das tripas coração para tentar acolher todos. Estamos com projeto de ampliação de leitos, com programação de nos próximos dias estar efetivando, inicialmente, pelo menos, seis leitos de UTI no Alto Acre, tentando expandir para 10 num segundo momento e colocar capacidade máxima, que são 20 leitos de UTI. De uma certa maneira, a gente sabe que os interiores não têm estrutura, os colegas médicos e equipes de saúde se esforçam para estabilizar o paciente, da maneira como eles podem, e a resolutividade acaba sendo na capital”, afirmou.

Pascoal informou ainda que o maior problema do estado hoje é com relação à recursos humanos, muito além de equipamentos. Porque, segundo ele, os trabalhadores de saúde estão trabalhando no limite.

“Nós estamos conseguindo ampliar leitos de enfermaria, com certa dificuldade nos de UTI, mas nosso maior problema hoje não é equipamento e sim RH, todo mundo exausto, equipe de saúde no limite, não acabou a primeira onda e já começou a segunda.”

Alerta sobre falta de oxigênio

Esta semana, o Ministério Público Federal alertou sobre a possibilidade de faltar oxigênio em pequenos municípios acreanos. Após esse ofício, o Ministério da Saúde informou que iria aumentar o fornecimento do produto para o estado, com fluxo diário a partir de segunda-feira (22).

“O fluxo deverá ser iniciado já em 22 de março de 2021, sem previsão de ser interrompido. Imaginando a possibilidade de futuros aumentos de fluxo ou mesmo de necessidade de interrupção do fluxo, já está planejado e pronto para ser ativado um transporte adicional que pode chegar a até 10.000 m3/dia”, informou em resposta ao ofício.

Pandemia e colapso no Acre

O Acre registra 66.290 casos de Covid-19 e 1.201 mortes em decorrência da doença até essa terça (23), segundo boletim da Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre). Na tentativa de reduzir o casos da doença no estado, o governo iniciou no dia 13 de março a adoção de medidas mais restritivas com o fechamento das atividades consideradas não essenciais no estado.

De acordo com o boletim de assistência, 20 pacientes aguardam na fila por um leito de UTI e outros dois por leito de enfermaria. Na última sexta-feira (19) três pacientes que estavam internados no Into-AC foram transferidos para um hospital em Manaus, no Amazonas.

O Pronto Socorro de Rio Branco e o Into-AC, onde funciona o maior hospital de campanha do estado, voltaram a registrar lotação máxima dos leitos de UTI. Foram oito dias seguidos com 100% de ocupação, na segunda-feira (22) a taxa foi para 90%, mas nesta terça eles voltaram a não ter mais nenhum leito vago.

O Hospital do Juruá, em Cruzeiro do Sul, que recebeu pacientes graves de Rio Branco registrou nessa terça ocupação de 73,1%. No estado, 377 pacientes estão internados. O estado está em contaminação comunitária desde o dia 9 de abril, com uma taxa de incidência de e 7.411,1 casos para cada 100 mil habitantes.

Comentários

Em alta