A violência não para e a guerra declarada entre facções deixou três mortos e um ferido durante a noite de quinta-feira (5) e a madrugada desta sexta-feira (6) na capital e no interior do estado. Os crimes ocorreram nos bairros Novo Calafate e Habitasa, em Rio Branco, e no bairro São Francisco, no município de Manoel Urbano, interior do Acre.

O jovem Railson Granjero do Nascimento, de 23 anos, foi ferido com um tiro na noite desta quinta-feira, 5, na frente de sua casa localizada na rua Misael Martins, no bairro Novo Calafate.

De acordo com informações da polícia, a vítima estava no portão de sua residência quando dois membros de uma facção se aproximaram em uma motocicleta e o garupa de posse de uma arma de fogo efetuou 10 tiros contra o jovem. Um dos projéteis atingiu Railson na perna esquerda. Mesmo ferido, o jovem correu para dentro de sua casa e conseguiu escapar dos criminosos que se evadiram do local. Familiares acionaram o Samu, que prestou os primeiros atendimentos e conduziu a vítima ao Pronto Socorro de Rio Branco em estado de saúde estável.

Outra vítima da guerra foi o adolescente Antônio Sebastião, de 16 anos, que foi morto a tiros e degolado por membros de uma organização criminosa. O crime aconteceu em uma região conhecida como Baixada, próximo ao Bairro São Francisco, no município Manoel Urbano, no interior do Acre.

 

Segundo informações da polícia repassadas a reportagem do ac24horas, Antônio caminhava em via pública quando homens armados se aproximaram e efetuaram 3 tiros contra o adolescente. Após os disparos, os criminosos ainda se aproximaram da vítima e o degolaram.

Já na madrugada desta sexta-feira, 6, um duplo homicídio foi registrado em Rio Branco. Dois adolescentes ainda não identificados foram mortos a tiros na rua Bolívia, no bairro Habitasa.

De acordo com informações da polícia, os adolescentes estavam na rua, quando faccionários se aproximaram e efetuaram três tiros. Uma das vítimas foi morta com um tiro na cabeça e o outro com dois tiros na região do peito. Após a ação os criminosos fugiram do local.

A Polícia Militar foi acionada e ao chegar no local isolou a área para os trabalhos dos peritos em criminalística. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) para os exames cadavéricos e identificação. No local, moradores não souberam informar como o duplo homicídio ocorreu, pois prevalece a lei do silêncio.

Comentários