fbpx
Conecte-se conosco

Cotidiano

No Dia da Visibilidade Trans, Google homenageia militante transexual brasileira Brenda Lee

Publicado

em

Em 28 de maio de 1996, Brenda, então com 48 anos, foi assassinada. Em 2008, foi instituído o Prêmio Brenda Lee por ocasião das comemorações do Dia Mundial de Combate à Aids

A brasileira Brenda Lee,  militante transexual brasileira, pioneira na luta contra a AIDS, completaria 71 anos em 10 de janeiro e é o rosto que o Google usou nesta terça-feira para celebrar o Dia da Visibilidade Trans.

Considerada o ‘anjo da guarda das travestis’ criou em 1986 a Casa de Apoio Brenda Lee, no centro de São Paulo, seu “palácio das princesas”, com objetivo de acolher e dar assistência médica, social, moral e material às pessoas com HIV.

Em 1988 firmou convênio com a Secretaria de Estado de Saúde do Estado de São Paulo para acolhimento e cuidado de soropositivos. O trabalho da ativista trans foi interrompido precocemente. Em 28 de maio de 1996, Brenda, então com 48 anos, foi assassinada. Em 2008, foi instituído o Prêmio Brenda Lee por ocasião das comemorações do Dia Mundial de Combate à Aids e aniversário do Programa Estadual DST/AIDS do Estado de São Paulo. Glamurama apoia.

Nesta terça-feira (29), Dia da Visibilidade Transexual, ativista é homenageada pelo Google.

Brenda Lee nasceu Cícero Caetano Leonardo, em Bodocó, Pernambuco, em 10 de janeiro de 1948. Aos 14 anos foi morar no bairro do Bexiga, na capital paulista. Comprou uma casa no bairro onde acolheu o primeiro portador do vírus HIV em 1984, numa época em que havia pouca informação sobre a doença.

Em 1988, firmou convênio com a Secretaria de Estado de Saúde do Estado de São Paulo para acolhimento e cuidado de soropositivos. O trabalho da ativista trans foi interrompido precocemente. Em 28 de maio de 1996, Brenda, então com 48 anos, foi encontrada morta, assassinada com tiros na boca e no peito, no interior de uma Kombi, na capital paulista.

A polícia prendeu os irmãos Gilmar Dantas Felismino, ex-funcionário de Brenda, e José Rogério de Araújo Felismino, na época policial militar, pelo crime. O motivo seria um golpe financeiro que funcionário tentou dar na ativista e que teria sido descoberto.

Em 2008, foi instituído o Prêmio Brenda Lee concedido quinquenalmente por ocasião das comemorações do Dia Mundial de Combate à Aids e aniversário do Programa Estadual DST/AIDS do Estado de São Paulo.

Com o assassinato de Brenda Lee, o espaço criado por ela foi vendida e se tornou uma organização não governamental, e entre 2011 e 2015 passou a oferecer apenas cursos. A Casa de Apoio Brenda Lee, reabriu em março de 2016, onde voltou a sua vocação original, de atender ao marginalizados pela sociedade. Atualmente, além do serviço de acolhimento, oferece atividades e engajamento social com treinamento de liderança, comunidade e defesas, psicológicos, jurídicos, educação, encaminhamentos e intervenção em defesa das vítimas.

Em 28 de maio de 1996, Brenda, então com 48 anos, foi assassinada. Em 2008, foi instituído o Prêmio Brenda Lee por ocasião das comemorações do Dia Mundial de Combate à Aids e aniversário do Programa Estadual DST/AIDS do Estado de São Paulo. Glamurama apoia.

A ativista nasceu na cidade de Bodocó, em Pernambuco, em 10 de janeiro de 1948 e foi registrada como Cícero Caetano Leonardo. Em 1984, deixou sua cidade natal e passou a morar no bairro do Bexiga, em São Paulo. Lá, alugou uma casa e fez dela uma pensão ― para ter não só onde morar, mas também uma forma de renda. Lá, ainda sem saber que se tornaria uma ativista, ela inaugurou em sua casa um serviço de apoio a LGBTs expulsos de casa e também de soropositivos.

Em uma época em que se sabia muito pouco sobre a Aids na mesma proporção em que a doença se alastrava, a ativista criou a “Casa de Apoio Brenda Lee”. Popularmente conhecida na cidade como “a casa das princesas”, o local começou a funcionar com três pacientes e, mais tarde, firmou uma parceria com a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo e com o hospital Emílio Ribas. À época, a parceria aprimorou o acolhimento e cuidado de soropositivos, independentemente de gênero, sexo, orientação sexual ou qualquer outra distinção.

Uma história de ativismo interrompida

Rebecca, travesti soropositivo, brinca com a enfermeira Zilfa dos Santos em quarto da Casa Brenda Lee. À direita, Lee sorri ao ver Rebeca.

Aos 48 anos, no auge de seu projeto, Brenda foi assassinada. Em 28 de maio de 1996, ela foi encontrada morta no interior de uma Kombi, que estava estacionada em um terreno baldio, com tiros na região da boca e no peitoral. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o crime teria sido motivado por um golpe financeiro cometido por um funcionário da ativista que, quando interrogado, alegou que era assediado por ela. Em junho de 1996, os irmãos Gilmar Dantas Felismino e José Rogério de Araújo Felismino foram presos pelo crime.

A partir deste momento, a história da Casa foi interrompida. Em 2008, foi criado o “Prêmio Brenda Lee”, que contempla personalidades que se destacam na luta contra o HIV e prevenção da Aids. Só há 3 anos, em 2016, a ONG foi totalmente reaberta. Hoje, o espaço mantém os mesmos serviços do passado e é reconhecido como “uma ação histórica de enfrentamento ao preconceito contra pessoas soropositivas”, além de manter viva a memória de Brenda Lee que era considerada uma “mãezona” da população LGBT em São Paulo.

Comentários

Cotidiano

Fluminense derrota a LDU e conquista a Recopa Sul-Americana

Publicado

em

Artilheiro Cano teve boas chances no primeiro tempo, mas não conseguiu abrir o placar – Foto: LUCAS MERÇON/FLUMINENSE FC

John Arias faz os dois gols que o Fluminense precisava para reverter a vantagem equatoriana e dá o título ao Tricolor

Por Jogada 10

Acabou o tabu! Na noite desta quinta-feira (29), o Fluminense derrotou a LDU por 2 a 0, no Maracanã, e conquistou a Recopa Sul-Americana. O herói da noite foi o atacante John Arias, que marcou os dois gols – um deles quando o Fluminense estava com 10 jogadores em campo – que o time precisava para reverter a vantagem dos equatorianos, que venceram o jogo de ida por 1 a 0.

Com o resultado, o Fluminense saboreia uma vingança contra o adversário. Em 2008 e em 2009 a LDU vencera do Tricolor as finais da Libertadores e da Copa Sul-Americana, respectivamente.

Fluminense cria pouco no primeiro tempo

Mesmo com o característico domínio territorial, o Fluminense não fez um primeiro tempo de grande inspiração. Rondou muito a área da LDU, mas, de fato, teve poucas oportunidades de sair na frente. Na primeira um pouco mais aguda, aos 10 minutos, Martinelli chutou em cima do goleiro após pegar sobra na área. Quatro minutos depois, Keno bateu cruzado e a bola tinha endereço certo, contudo, bateu em Árias, impedido na pequena área.

Acuada, a LDU ameaçou aos 17 minutos, quando Quiñonez bateu na barreira, pegou o rebote e a bola desviou na defesa, saindo para escanteio.

O domínio tricolor seguiu sem grande intensidade, mas rendeu oportunidades mais claras na parte final da etapa. Desse modo, Ganso cabeceou para fora após cruzamento de Árias aos 29. No minuto seguinte, afinal, uma grande oportunidade com Cano que, mesmo sem ângulo, bateu forte pelo lado esquerdo da área e obrigou Domínguez a rebater no susto.

Mas Cano teria outra chance, essa sim, claríssima, aos 39. E aí, desta vez, o artilheiro argentino decepcionou. Samuel Xavier cruzou e o atacante, livre na área, dominou e arrematou mascado, sem perigo para o goleiro equatoriano.

Nos últimos momentos da primeira etapa, jogadores e comissão técnica do Fluminense ficaram inconformados com os dois minutos de acréscimos concedidos pela arbitragem. O técnico Fernando Diniz invadiu o campo, discutiu com a arbitragem e com a comissão técnica adversária.

Segundo tempo histórico

A segunda etapa começou com um lance de perigo de cada lado. Pelo Flu, Martinelli lançou Kano e Domínguez se antecipou. Em seguida, Piovi ganhou dividida e avançou driblando Ganso e Thiago Santos. No momento da conclusão, entretanto, se desequilibrou e Fábio saiu para fazer a defesa.

A diferença de intensidade do Flu, contudo, tinha nome e sobrenome: John Kennedy. O atacante substituiu Felipe Melo e incomodou três vezes nos dez primeiros minutos. Aos 6, cabeceou para fora após cruzamento de Samuel Xavier. No minuto seguinte mandou uma bomba, que resvalou a rede pelo lado de fora. Com 10 minutos do segundo tempo, por fim, o jovem atacante deu nova cabeçada para fora.

Com 20 minutos da segunda etapa, o técnico Fernando Diniz colocou Marcelo, Renato Augusto e Douglas Costa em campo. Um minuto depois, após jogada de Douglas, Renato Augusto, na área, bateu com perigo sobre o gol equatoriano. Estes, por sinal, paravam o jogo tanto quanto conseguiam. Assim, a cera irritava cada vez mais o time do Fluminense.

Aos 29 minutos, Renato Augusto entrou driblando da esquerda e, da linha de fundo, cruzou forte para a área. A bola rebateu em Quintero e voltou nas mãos de Domínguez. A pressão, afinal, surtiu efeito aos 30. Samuel Xavier cruzou da direita e Árias acertou uma bela cabeçada: Fluminense 1 a 0.

A pressão tricolor aumentou, mas sofreu um baque logo em seguida. Aos 33 minutos, John Kennedy pisou em Zambrano em disputa de bola e foi expulso. Apesar da perda e de ter um homem a menos, o Fluminense voltou a pressionar.

O alívio veio aos 44. Após Renato Augusto sofrer pênalti, John Arias cobrou sem chances a Dominguez e fez o gol do título.

FLUMINENSE 2 X 0 LDU
Jogo de volta da final da Recopa Sul-Americana

Data: 29/02/2024, às 21h30 (de Brasília)
Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Renda: R$ 5.897,327,50
Público: 61.217 presentes
FLUMINENSE: Fábio; Samuel Xavier (Guga, 39’/2°T), Thiago Santos, Felipe Melo (John Kennedy) e Diogo Barbosa (Marcelo, 20’/2°T); André, Martinelli e Ganso (Renato Augusto, 20’/2°T); Jhon Arias, Keno (Douglas Costa, 20’/2°T) e Germán Cano. Técnico: Fernando Diniz.
LDU: Alexander Domínguez; José Quintero, Ricardo Adé, Richard Mina, Leonel Quiñónez; Sebastián González (Alzulgaray, 36’/2°T), Óscar Zambrano (Estrada, 48’/ 2°T) e Piovi; Jefferson Valverde (Villamil, 48’/ 2°T), Luis Estupiñán (Jhojan Julio, 25’/2°T) e Jan Hurtado (Alex Arce, 25’/2°T). Técnico: Josep Alcácer
Gols: John Arias (30’/2°T e e 44’/2°T)
Árbitro: Facundo Tello (ARG)
Auxiliares: Ezequiel Brailovsky (ARG) e Gabriel Chade (ARG)
VAR: Mauro Vigiliano (ARG)
Cartões Amarelos: Quitero, Jhojan Julio (LDU); Thiago Santos (FLU)
Cartões Vermelhos: John Kennedy (33’/2°T); Samuel Xavier (no banco, 45’°T); Diogo Barbosa (no banco, 48’°2°T)

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Galvez vence o Real e garante classificação na Copa do Brasil

Publicado

em

Fotos: Jhon Lennon

Galvez derrotou o Real, de Roraima, por 2 a 0 na tarde desta quinta, 29, no Florestão, e garantiu uma vaga na segunda fase da Copa do Brasil Sub-17. Marcos e Ronan fizeram os gols da classificação do Imperador.

Jogo de superação

Os garotos do Galvez realizaram um jogo de superação desde o início. Marcos abriu o placar aos 7 minutos do primeiro tempo e Ronan, aos 23 do segundo, marcou o segundo.

“Foi uma grande vitória e conquistamos o nosso objetivo. Trabalhamos forte para garantir essa vaga”, afirmou o atacante Marcos.

Fotos: Jhon Lennon

Fala, Ico!

“Acredito na força do trabalho. A nossa diretoria, comissão técnica e atletas se uniram em busca dessa classificação e felizmente conseguimos. Vamos seguir o trabalho e tentar ir mais longe na competição”, afirmou o técnico do Galvez, Ico.

Amazonas na próxima fase

O Galvez terá o Amazonas como adversário da segunda fase da Copa do Brasil. O primeiro jogo vai ser disputado na quarta, dia 6, em Manaus e a partida de volta será dia 13, no Florestão.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Wendell Barbosa define competições da temporada de 2024

Publicado

em

Wendell quer disputar o Campeonato Mundial em Abu Dhabi

Sem lutar um torneio há sete meses, o paratleta Wendell Barbosa (Óticas Novo Estilo), um dos melhores do Brasil, definiu os torneios da temporada de 2024.

“Vou disputar três competições. Começo no Rio Open em março e depois irei lutar o Europeu, em Londres, e fecharei o ano no Mundial, em Abu Dhabi. As competições foram definidas pela relevância e também pelos locais. São torneios onde fui campeão e quero voltar”, comentou o paratleta.

Início da preparação

Mesmo sem disputar torneios oficiais, Wendell Barbosa não parou os treinamentos. Contudo, o foco passa a ser mais específico com a confirmação do Rio Open.

“Vou para o Rio de Janeiro uma semana antes da competição para finalizar minha preparação. Estou bastante motivado”, afirmou Wendell.

Começa a avaliar

Wendell Barbosa começa a avaliar a possibilidade de deixar as competições oficiais ao fim da temporada 24.

“Tenho a minha empresa e isso pesa bastante. Outro ponto importante é a falta de apoio para o esporte acreano. Não temos políticas definidas no município e no Estado e isso dificulta ainda mãos”, explicou Wendell Barbosa.

Comentários

Continue lendo






Em alta