Conecte-se conosco





Cotidiano

No Acre, influenciadora digital tenta recuperar guarda da filha que está em SP há 10 meses com o pai

Ludmilla Cavalcante e o pai da criança acertaram que menina ficaria no interior de São Paulo só até ela ter a segunda filha. Quando solicitou a volta da filha, influencer descobriu que pai tinha dado entrada na guarda provisória e ela não iria voltar.

Publicado

em

Antonella está com o pai em SP desde setembro de 2020 e Ludmilla tenta trazê-la de volta para o Acre – Foto: Arquivo pessoal

Por Aline Nascimento

A digital influencer Ludmilla Cavalcante tenta, há dez meses, recuperar a guarda da filha Antonella, de 1 ano e 10 meses, que está com o pai no interior do São Paulo (SP), onde ele mora. Segundo Ludmilla, foi combinado, em setembro de 2020, que o ex-companheiro ficaria com a criança até o parto da segunda filha, em novembro do ano passado.

Porém, após a menina chegar no estado paulista, o homem deu entrada na guarda provisória e, de acordo com a mãe, não deixa a criança voltar para o Acre. A mãe diz que não foi informada sobre o pedido de guarda ingressado pelo ex-companheiro no interior de São Paulo e o pouco contato que tem com a filha é por ligações de videochamada.

“Ela foi com meu consentimento até minha outra bebê nascer, que é minha filha mais nova. Como não tinha ninguém para ajudar, estava no pico da pandemia, deixei ela lá para poder ter a bebê. Nosso acordo, e tenho todas as provas, era que ela voltasse quando a Catarina nascesse, que foi em novembro”, relembrou.

A reportagem, o pai da criança, que pediu para não ter o nome divulgado, afirmou que vai ter uma audiência na próxima semana na Comarca de Bastos (SP) para definir com quem a criança deve ficar. Ele alegou também que não impede a ex-companheira de falar com a filha.

“Ela fica de 20 dias sem ligar, mas é porque não quer. Então, não é do jeito que ela está falando. Fizemos um acordo, nossa preocupação hoje é só em prol da Antonella. Não é questão de dinheiro, é de cuidado. Está sendo muito bem cuidada, quem vai dizer isso é o estudo psicossocial que está sendo feito. Ela me entregou porque não tinha condições de cuidar, cada semana estava com uma pessoa diferente, não estava cuidando”, justificou.

Luta pela filha

Após o nascimento da segunda filha, Ludmilla disse que passou a pedir para o ex-companheiro que a filha voltasse para Rio Branco para ficar com ela. Foi aí que descobriu que, em menos de um mês, o homem tinha conseguido a guarda provisória e a menina não voltaria.

Ludmilla e o pai da menina tiveram um relacionamento de mais de dois anos. Ele, que mora no interior de São Paulo, vem ao Acre a trabalho constantemente e, segundo informou à reportagem, é casado e tem família no estado paulista. Ele conheceu a jovem em uma festa, se relacionaram e ela engravidou de Antonella.

A criança foi registrada, mas os pais não seguiram no relacionamento. Após um tempo, o ex-casal teve uma recaída e Ludmilla acabou engravidando novamente. A influencer contou que entrou na Justiça para pedir o reconhecimento de paternidade da segunda filha. Já o pai alegou que pediu o exame de DNA para comprovar a paternidade.

Ludmilla fala com a filha Antonella desde setembro de 2020 apenas por chamada de vídeo – Foto: Arquivo pessoal

“A Antonella chegou em um dia e no outro dia ele entrou com pedido de guarda e em menos de um mês conseguiu a guarda sem eu ser informada, intimada e nem ter conhecimento do processo. Quando tive conhecimento, o juiz ainda não me deu a guarda dela.”

Ludmilla expôs o caso nas redes sociais, fez vídeos contando a história e recebe apoio de várias seguidoras. A jovem diz também que não consegue falar direito e nem ver a filha nas chamadas de vídeo e teme que a menina não lembra mais dela e cresça sem contato com ela.

“Não tenho como ir a São Paulo, vou desembolsar um dinheiro que não tenho, ele não vai deixar eu ver ela, já falou que não vai deixar. Não deixa nem eu ver direito por videochamada e nem foto. Fiquei quatro meses sem receber uma foto sequer da minha filha. Quero que ela volte para mim, quero que a Justiça seja célere, seja justa e imparcial. Não tenho nada contra mim, nada negativo e a Justiça não dá a guarda para mim”, lamentou.

Processo de guarda

Em fevereiro de 2020, Ludmilla revelou que o pai da filha deu entrada na comarca de Rio Branco com um processo de guarda compartilhada. Como estava no início da pandemia, o processo demorou a ser julgado e chegar em um resultado. A ação previa que a menina morasse com a mãe e o pai fizesse visitas semanalmente.

“Quando a Antonella chegou em São Paulo, o processo daqui ainda estava correndo. Só conseguiu a guarda lá porque estava com a criança, no processo de lá tem que eu dei a criança, sendo que nunca foi dada. Ela foi deixada com ele enquanto eu ia ter nossa outra filha. Foi um golpe muito bem dado, um macete judicial que deu certo. Aqui a guarda ia ser compartilhada”, afirma. A jovem explicou que o processo foi remetido para São Paulo porque a criança estar lá atualmente.

Comentários

Em alta