No AC, 4 mil famílias de comunidades carentes recebem chips com internet para estudos — Foto: Asscom/Cufa
Por Quésia Melo

A Central Única das Favelas (Cufa) iniciou a entrega de 500 mil chips de celular nas quase 5 mil favelas atendidas pela organização em todo o Brasil.

No Acre, 4 mil famílias foram pré-cadastradas para receber o benefício que vale seis meses com internet 24 horas livres para estudo.

Deste total, 60% já foram entregues. A ação configura o projeto como a maior plataforma de conectividade já viabilizada em todo o país e objetiva o combate ao isolamento digital nestes territórios, a partir da conexão de 2 milhões de pessoas até julho de 2021.

________________________

Em época de pandemia, com aulas presenciais suspensas a internet é o elo entre crianças, adolescentes e escola, porém, muitas famílias carentes não têm este acesso em casa, o que gerava dificuldades.

________________________

Como foi o caso da dona de casa Antônia de Freitas. Inicialmente, ela pegava a internet da vizinha, como ela mudou, uma verdadeira logística foi montada para que as filhas estudassem.

Benefício é válido por seis meses — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre

“Eu tinha que ir na escola, baixar o conteúdo no meu celular, levava para casa, elas copiavam no caderno, tirava fotos da atividade, voltava na escola e enviava para os professores. Agora vai melhorar 100%, não vou ter que ir mais na escola”, conta.

Mesmo com as dificuldades, ela diz que as filhas se saíram bem e tiraram notas boas, mas agora está mais despreocupada e vai poder acompanhar mais de perto.

A doméstica Dângela da Silva precisou comunicar a escola que os filhos não estavam fazendo a tarefa porque não tinha acesso à internet. Com o chip do projeto, ela diz que vai ficar mais tranquila e pode acompanhar os estudos dos filhos de perto.

“Não tava nem estudando porque nem tinha como. Eu vim no colégio, expliquei que a gente não tinha internet e eles estavam sem estudar e agora vai melhorar com certeza com o chip. Vai ser uma ajuda muito importante para as mães que não tinham condições de manter esse serviço”, pontua.

José Alberto, coordenador da Cufa no Acre, explica que este é o momento de resgatar a conectividade dessas famílias mais vulneráveis.

“Levar conectividade para as favelas e comunidades neste momento é de suma importância pelo o que a gente já vem fazendo, que é fortalecer as famílias com cesta básica, álcool em gel máscaras e agora chegou nessa parte da gente reconectar a favela com o mundo, porque foi um dos itens que acabou mais rápido. No segundo mês de isolamento já não era prioridade para a família pagar internet”, explicou.

Nesta semana, a distribuição deve ser finalizada em Rio Branco e a Cufa segue para cidades do interior do estado.

“Vamos partir para fazer uma tour no interior do estado, passando por Sena Madureira, Capixaba, Cruzeiro do Sul, Brasileia, Quinari e vários outros municípios.”

Comentários