A média nacional de empréstimo pessoal e que compromete a renda do brasileiro é de 13,7%

Um levantamento realizado pela Serasa revelou que o empréstimo pessoal compromete, em média, 13,7% da renda dos brasileiros que tinham esta modalidade de crédito ativa em maio. Por unidade federativa, os moradores do Distrito Federal lideram com a menor taxa de comprometimento (11,2%), mas a região Sul é a única em que todos os seus Estados figuram o ranking das dez unidades que menos comprometem a renda com empréstimo pessoal.

Na outra ponta, as pessoas que mais comprometeram foram do: Maranhão (16,6%), Amazonas (16,5%), e Pará (15,5%). No Acre, 12,5% da população está com a renda comprometida por empréstimo.

“Podemos perceber que a população brasileira como um todo, e neste caso todos os estados do Sul em especial, procura não comprometer excessivamente sua renda com as parcelas mensais, o que pode significar um melhor planejamento e consciência na hora de pedir um empréstimo pessoal”, complementa o economista da Serasa, Luiz Rabi.

O levantamento realizado com base nas pessoas inscritas no Cadastro Positivo também mostrou que a média nacional do comprometimento de renda com empréstimo pessoal (13,7%) está muito próxima da média de quem tinha crédito consignado (14,2%) no mesmo mês avaliado. “As duas modalidades são bastante populares e, por terem os menores juros do mercado, são mais saudáveis quando utilizadas de forma consciente pelo consumidor. Como o consignado só pode ser solicitado por quem é assalariado ou aposentado – por ter o desconto direto da fonte –, o pessoal acaba pegando uma parcela maior de pessoas que precisa de dinheiro emprestado”, finaliza o economista.

16,8% dos brasileiros inscritos no Cadastro Positivo possuem empréstimo pessoal

O estudo também mostra que 16,8% da população do país que está no Cadastro Positivo tinha algum empréstimo pessoal ativo em maio. Na visão por idade, a maior utilização fica na faixa dos idosos – acima de 60 anos, com 22,4%, e a menor no grupo de jovens – 18 a 25 anos, com 11,1%. No intervalo estão: 26 a 35 anos (14,8%), 36 a 50 anos (16,4%) e 51 a 60 anos (17,8%).

Quando o recorte é por faixa de renda a distribuição é mais homogênea. Isso significa que a modalidade é bem democrática e consegue atrair os mais diferentes tipos de pessoas. Quem mais utiliza são aqueles que ganham até R$ 1 mil (17,8%). Na sequência temos os que estão na faixa de R$ 5 mil a R$ 10 mil (17,5%), de R$ 1 mil a R$ 2 mil (17,4%) e por último os que recebem acima de R$ 10 mil (17,0%). A faixa intermediária de R$ 2 mil a R$ 5 mil, é a que menos procura esse tipo de empréstimo, com uma taxa de 15,3%.

Idosos são os que mais pagam em dia o empréstimo pessoal, revela estudo

Ainda de acordo com o estudo inédito da Serasa, realizado com base nas informações do Cadastro Positivo, os consumidores idosos, acima de 60 anos, são os que mais fazem o pagamento em dia do empréstimo pessoal.

De acordo com o levantamento feito em maio deste ano, a população desta faixa etária que tinha a modalidade contratada teve uma taxa de pontualidade de 91,3%. É o maior índice na comparação com os demais grupos de idade e está acima da média nacional (85,8%).

Piauí registra em julho 27% de aumento em negociação de dívidas

De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o percentual de brasileiros endividados em junho de 2020 chegou a 67,1%. Mesmo com um cenário econômico delicado, milhares de pessoas veem a renegociação de dívidas como uma forma de amenizar os impactos na vida financeira.

Uma plataforma de recuperação de crédito, registrou um aumento de 27% em acordos realizados no estado do Piauí. O levantamento apontou ainda que o grande motivo são as ofertas de flexibilização para o pagamento, além de facilidades para entrada e prestação a prazo oferecidas pelos grandes bancos e redes de varejo. Na plataforma, o valor médio de dívidas negociadas é a partir de R$ 2.500 e as parcelas giram em torno de R$ 150.

De acordo com o CEO plataforma, Luiz Henrique Garcia, a época é boa para renegociar dívidas e manter o nome limpo na praça. “Praticamente, todos os bancos ou redes varejistas estão com excelentes opções e ofertas de desconto, prazos para pagamento e taxas de juros favoráveis. Devido a pandemia, as condições que estão sendo adotadas pelos credores de forma geral são muito atrativas, quase uma ‘black week’ de negociação que podem oferecer ao cliente taxas de juros bem menores, descontos em multas, parcelamento do débito, e dentre outras ofertas. As condições são sempre estruturadas de acordo com o perfil e situação de cada cliente. Portanto, se a pessoa possui condição para negociar, o ideal é não perder tempo e correr para aproveitar”, declara.

Comentários