“O objetivo é convocar eleições; portanto, se a Assembléia não concordar, o presidente terá que tomar uma decisão”, afirmou o ministro da Presidência.

A presidente da Bolívia, Jeanine Añez. Foto: APG
Sete Páginas Digitais / La Paz

A Ministra da Presidência, Xerxes Justiniano, informou hoje que, na falta de consenso com o MAS na Assembléia Legislativa Plurinacional (ALP), o governo de transição de Jeanine Áñez avalia “mecanismos alternativos” para convocar novas eleições gerais. 

__________________

O ministro ressalta que a chamada pode ser feita via Decreto Supremo.

__________________

“O objetivo é convocar eleições, portanto, se a Assembléia não concordar, o Presidente terá que tomar uma decisão para cumprir o mandato presidencial. É isso que estamos avaliando. Se a Assembléia não concordar, não teremos escolha a não ser convocar as eleições por decreto ”, disse Justiniano à rádio Fides.

Uma semana após a renúncia de Evo Morales à Presidência e a subsequente assunção de Áñez durante o período de transição, as forças políticas não chegaram a um acordo para viabilizar reformas na Lei do Regime Eleitoral.

“Qual é o nosso mandato constitucional? Aqui estão duas interpretações. Há quem diga que nosso mandato vai até 22 de janeiro e até essa data devem ser convocados para as eleições. Há outra interpretação que diz que a lei concede 90 dias para convocar eleições, porque em nenhum lugar da Constituição diz que o mandato termina em 22 de janeiro. Independentemente do que seja, todo dia que passa é menos um dia, e não mais um dia, do prazo que temos ”, afirmou Justiniano.

Diante dessa situação, o governo está procurando outros mecanismos alternativos de solução do ponto de vista constitucional. A convocação de eleições por decreto tem jurisprudência no mandato do presidente Eduardo Rodríguez Veltzé (2005-2006).

Comentários