Depois de seguidas tentativas de obter uma redução de preço negociada entre a BR Distribuidora e os donos de postos de Cruzeiro do Sul, o movimento decide bloquear a entrada da base da Petrobrás.

A manifestação está marcada para a próxima segunda-feira.
A manifestação está marcada para a próxima segunda-feira.

“Somente vamos sair quando a BR distribuidora nos der uma resposta”, disse o vereador Valdemir Neto (PT), um dos organizadores do movimento, que conta com a participação dos sindicatos das categorias de transporte urbano.

Antes das eleições, a BR Distribuidora havia acenado com a possibilidade de reduzir em até R$0,15/litro da gasolina. Ao invés disso, tivemos aumentos sucessivos de até R$0,20.

Empresários do setor se defendem dizendo se tratar apenas de um repasse do aumento praticado pela BR Distribuidora.

Contudo, a margem de lucro dos empresários continua alta, chegando a até R$0,74/litro em alguns postos, contra os R$0,45 praticados na capital.

Mais uma vez os empresários se defendem, afirmando que Rio Branco pode praticar margens menores porque o volume de vendas seria maior.

Enquanto isso, no município vizinho de Tarauacá, a gasolina que vendida Cruzeiro do Sul é vendida em média por R$3,64.

Distribuidora alega custos de armazenamento

Balsas petrobrásAlém da alta margem de lucro dos empresários, o preço da gasolina mais cara do Brasil também se explica pelo preço, já alto que é repassado aos donos de postos pela BR Distribuidora. Em reportagens anteriores, representantes da BR Distribuidora alegaram que o alto preço se daria pelo seguro pago às balsas que armazenam o combustível no rio Juruá. Os mesmos representantes da BR, afirmaram que haveria a possibilidade de uma redução neste preço asism que a nova base, a BASUL II, entrasse em funcionamento.

A BASUL II é construída pela UTC engenharia, empresa investigada pela Operação Lava Jato, da PF.


 

Leandro Altheman – Juruá On Line

Comentários