Atenção, você está desempregado? Cansado de procurar um posto de trabalho? Desiludido pela falta de políticas públicas de geração de emprego e renda? Não se desespere, procure o Ministério da Pesca, que vai regulamentá-lo na profissão de pescador e ainda vai disponibilizar
uma carteirinha que dá direito ao benefício de um salario mínimo por mês, no período que a pesca é proibida.

Pelos menos, isto é o que evidencia uma nota de esclarecimento, enviada para redação de ac24horas para justificar o derramamento de carteirinhas de pescador, expedidas pela pasta em pleno período eleitoral. A denúncia que o benefício estaria sendo usado também no Acre, como um tipo de cheque pré-datado para compra de votos está sendo investigada pela Polícia Federal.

Segundo o Ministério da Pesca, o primeiro passo para uma pessoa poder começar a pescar é ter em mãos a carteira de pescador, caso contrário o pescador estará exercendo a atividade ilegalmente. “Por isso, para emitir a licença o MPA não pode exigir de quem solicita a licença uma comprovação de que exerce a atividade, pois estaria contrariando a lei”.

A farra das carteirinhas de pescador no período eleitoral é justifica pelo Ministério, como se a expedição do documento, “se tratar de um serviço ao cidadão, a carteira de pescador não pode deixar de ser emitida no período eleitoral. A pasta informa que a confecção das carteiras de pescador não era realizada pela Casa da Moeda como cita a reportagem”.

Sobre a emissão das carteiras em papel comum, no período eleitoral, a assessoria do Ministério da Pesca diz que a iniciativa aconteceu, através da “Portaria nº 45 substituiu o uso de papel moeda pelo papel Marrakesh já que em breve as carteiras terão formato de cartão magnético com sistema eletrônico de radiofrequência”, modernizado a concessão do documento.

No Acre, a ex-superintendente da pasta, a deputada estadual eleita doutora Juliana e o deputado federal eleito Alan Rick, ambos do PRB, estariam sendo denunciados por supostamente comprar votos usando o ‘cheque pré-datado’ que seriam as carteirinhas de pescador expedidas em todo o Acre. Os números teriam saltado de pouco mais de 700 para 10
mil cédulas.

Para ter acesso ao recebimento um salário mínimo no período de defeso, “o pescador tem de enviar um relatório de atividades comprovando o exercício da atividade. O MT, órgão responsável pelo pagamento do seguro-desemprego do pescador, exige ainda uma série de documentos e caso o pescador tenha outra fonte de renda, o mesmo fica impedido de
receber o benefício”.

O Ministério da Pesca explica ainda o milagre da multiplicação das carteirinhas de pescador, no Acre e nos demais estados brasileiros. “Quanto ao número de emissões de carteira de pescador durante os meses de agosto, setembro e outubro, o MPA esclarece que no mês de Julho as emissões foram praticamente nulas em todo o país para a substituição do papel”.

Apesar da explosão nos números de expedição e da regulamentação de novos pescadores, “de acordo com a nova normativa. Esse acúmulo foi absorvido nos meses seguintes. De fevereiro de 2013 até o momento, cerca de 250 mil licenças foram canceladas e mais de 78 mil estão suspensas. O MPA se coloca à disposição para colaborar com as investigações. Caso seja comprovada qualquer irregularidade, os envolvidos serão responsabilizados. O Ministério também vai abrir uma sindicância para apurar as supostas irregularidades”.


 

Do ac24horas.com

Comentários