México concedeu nesta segunda-feira (11) asilo político a Evo Morales. De acordo com o chanceler mexicano, o ex-presidente da Bolívia pediu proteção um dia depois de deixar o cargo sob pressão de opositores, militares e policiais.

De acordo com a agência Reuters, o governo mexicano pediu ao Ministério das Relações Exteriores boliviano que garantisse a saída segura de Evo Morales do país. Não se sabe se o ex-presidente já deixou a Bolívia.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) – que marcou reunião para esta terça-feira – está avisada da decisão.

Imagem da casa de Evo Morales em Cochabamba, que foi invadida após sua renúncia, em 10 de novembro de 2019 — Foto: Associated Press

O governo do México afirmou mais cedo nesta segunda que reconhece Evo Morales como presidente “legítimo” da Bolívia, e denunciou que sua renúncia se deve a um “golpe” dado pelo Exército, o que classificou como um grave retrocesso para a região.

Ebrard disse que o governo do presidente Andrés Manuel López Obrador não reconhecerá um governo de caráter militar na Bolívia.


“Consideramos um golpe o que ocorreu (na Bolívia) ontem (…) É um golpe porque o Exército pediu a renúncia do presidente e isso violenta a ordem constitucional do país”, afirmou Ebrard em uma coletiva de imprensa com López Obrador.


“A postura que o México definiu no dia de hoje é de reivindicar, pedir respeito à ordem constitucional e à democracia na Bolívia”, acrescentou o chanceler. O ministro vai pedir reunião à OEA, mas acusou a organização de permanecer em silêncio diante do “pronunciamento militar e das operações policiais”.

Evo Morales, pouco depois do anúncio do asilo, publicou a seguinte mensagem no Twitter: “Peço ao meu povo com muito carinho e respeito que cuidem da paz e não caiam na violência de grupos que buscam destruir o estado de direito. Não podemos nos enfrentar entre irmãos bolivianos. Falo chamado urgente para resolver qualquer diferença com diálogo e concertação”, escreveu.

Continue lendo… CLIQUE AQUI

Comentários