fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Marielle Franco era “pedra no caminho”, disse Ronnie Lessa em delação

Publicado

em

Marielle Franco era “pedra no caminho”, disse Ronnie Lessa em delação
ESTADÃO CONTEÚDO

Marielle Franco era “pedra no caminho”, disse Ronnie Lessa em delação

O ex-policial militar Ronnie Lessa afirmou que os irmãos Chiquinho e Domingos Brazão colocaram Marielle Franco como uma “pedra no caminho” à expansão e negócios dos milicianos. Em delação homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) , Lessa confessou ser o assassino de Marielle Franco e apontou os irmãos Brazão como mandantes do homicídio.

Ronnie Lessa está preso desde março de 2019, sob a acusação de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. A delação foi homologada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes. Em sua delação, Lessa afirmou que o mandante do assassinato buscava a regularização de um condomínio na região de Jacarepaguá, na zona oeste do Rio, sem respeitar o critério de área de interesse social. O objetivo seria obter o título de propriedade para especulação imobiliária

“A Marielle foi colocada como uma pedra no caminho. Ela teria convocado algumas reuniões com várias lideranças comunitárias justamente para falar sobre esse assunto, para que não houvesse adesão a novos loteamentos da milícia. Então, foi isso que o Domingos Brazão passou para a gente, assim, de uma forma rápida: A Marielle vai atrapalhar e nós vamos seguir isso aí, para isso ela tem que sair do caminho”, afirmou o ex-policial militar.

No vídeo, o ex-militar também disse que seria um dos donos do empreendimento que, segundo ele, poderia render R$ 100 milhões. “Ali teria a exploração de gatonet, de kombis, de venda de gás. A questão valiosa é depois, a manutenção da milícia, porque a manutenção da milícia vai trazer votos. Então, na verdade, eu não fui contratado para matar Marielle, como um assassino de aluguel, não. Eu fui chamado para uma sociedade”.

Lessa contou também que teve três reuniões com Chiquinho e Domingos Brazão para planejar o assassinato de Marielle Franco A Polícia Federal não conseguiu confirmar os encontros, que teriam ocorrido em 2018.

Chiquinho Brazão é deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro, e Domingos Brazão é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ). Eles foram presos em março deste ano no âmbito da Operação Murder Inc, da Polícia Federal. Já no último dia 10 de maio a Procuradoria-Geral da República (PGR) ofereceu denúncia contra os irmãos Brazão pelos crimes de homicídio e organização criminosa. “O Domingos fala mais, e o Chiquinho concorda”, detalhou o ex-policial militar.

No último dia 16 de maio, o procurador-geral Paulo Gonet enviou ao STF um adendo à denúncia sobre o assassinato. Na petição, o chefe do Ministério Público pede que a Justiça defina um valor de indenização para os familiares de Marielle Franco e Anderson Gomes.

Veja quem foi denunciado:

– Chiquinho e Domingos Brazão: apontados como mandantes do crime e denunciados por organização criminosa, pelo homicídio de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes e pela tentativa de homicídio da assessora Fernanda Chaves;

– Rivaldo Barbosa: acusado de usar o cargo para obstruir as investigações, o delegado de Polícia Civil foi denunciado por homicídio e tentativa de homicídio;

– Ronald Paulo de Alves Pereira: o policial militar ajudou a monitorar a vereadora antes da execução e também foi denunciado por homicídio e tentativa de homicídio;

– Robson Calixto da Fonseca: organização criminosa.

The post Marielle Franco era “pedra no caminho”, disse Ronnie Lessa em delação first appeared on GPS Brasília – Portal de Notícias do DF .

Fonte: Nacional

Comentários

Continue lendo

Brasil

Acre registra quase três mil casos de violência doméstica no primeiro semestre de 2024, aponta levantamento

Publicado

em

A legislação brasileira define como violência doméstica qualquer ação que resulte em morte, lesão, sofrimento físico, sexual, psicológico ou dano moral ou patrimonial, conforme estabelecido pela Lei nº 11.340 de 2006

Capital Rio Branco lidera o ranking de casos, acumulando 1.337 registros. Cruzeiro do Sul aparece em segundo lugar, com 285 casos, seguido por Sena Madureira, que contabilizou 187 ocorrências.

Dell Pinheiro, do site Notícias da Hora

O Acre enfrenta uma preocupante escalada nos casos de violência doméstica, conforme levantamento do Observatório de Análise Criminal do Ministério Público do Acre. Nos primeiros seis meses de 2024, foram registrados 2.842 casos de violência doméstica.

Os números mensais apresentam variações significativas ao longo do semestre. Maio despontou como o mês com maior incidência, contabilizando 507 ocorrências, seguido por janeiro com 493, fevereiro com 454, março com 420 e junho com 471 registros.

A Capital Rio Branco lidera o ranking de casos, acumulando 1.337 registros. Cruzeiro do Sul aparece em segundo lugar, com 285 casos, seguido por Sena Madureira, que contabilizou 187 ocorrências. Por outro lado, o município de Jordão não registrou nenhum caso de violência doméstica neste ano.

Comparativamente, o ano de 2023 também revelou um quadro alarmante, com o mês de maio liderando novamente com 516 casos. Janeiro, fevereiro, março, abril e junho do ano anterior apresentaram números que oscilaram entre 374 e 477 casos mensais.

A legislação brasileira define como violência doméstica qualquer ação que resulte em morte, lesão, sofrimento físico, sexual, psicológico ou dano moral ou patrimonial, conforme estabelecido pela Lei nº 11.340 de 2006, conhecida como Lei Maria da Penha.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Rondônia sedia o 28º Fórum de Governadores da Amazônia Legal

Publicado

em

O encontro também possui uma veia cultural, de modo que todos os estados engajados no processo possuem muitos fatores em comum. A união de seus representantes significa mais força coletiva, com vistas ao desenvolvimento regional.

Ao todo, serão cinco câmaras setoriais e uma sala exclusiva para assuntos relacionados ao consórcio. Foto: assessoria

Com assessoria

O estado de Rondônia vai receber, entre os dias 8 e 9 de agosto, todos os governadores e secretários da região Norte. O encontro marca a realização da 28ª edição do Fórum de Governadores da Amazônia Legal. Em pauta, estão a governança fundiária; agricultura e economia verde; infraestrutura e transporte; meio ambiente e desenvolvimento sustentável, além da segurança pública. O encontro também possui uma veia cultural, de modo que todos os estados engajados no processo possuem muitos fatores em comum. A união de seus representantes significa mais força coletiva, com vistas ao desenvolvimento regional.

Durante o Fórum dos Governadores haverá debates pertinentes ao Consórcio da Amazônia Legal com a presença de seus representantes, a diretora executiva, Vanessa Duarte e o secretário executivo, Marcelo Brito, que também estarão presentes no evento.

Um dos detalhes do evento é a setorização dos temas abordados. Ao todo, serão cinco câmaras setoriais e uma sala exclusiva para assuntos relacionados ao consórcio. Os debates acontecem, de forma simultânea, no dia 8 de agosto a partir das 9h30. Toda a programação do evento acontecerá nas dependências do Palácio Rio Madeira (PRM), sede político-administrativa do governo de Rondônia, localizado na Avenida Farquar, nº 2.986, no Bairro Pedrinhas.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Polícia e MP deflagram segunda fase da Operação Red Flag de operação contra o crime em cidades do Acre

Publicado

em

Ação teve o apoio das Promotorias de Justiça de Tarauacá e Feijó, e visou o cumprimento de 31 mandados judiciais, sendo 12 mandados de prisão e 19 de busca e apreensão contra alvos localizados em Tarauacá, Feijó, Manoel Urbano, Sena Madureira e Rio Branco

Os mandados foram expedidos pela Vara de Delitos de Organização Criminosa. Foto: assessoria

O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), em conjunto com a Polícia Militar, deflagrou, nesta quinta-feira, 18, a segunda fase da Operação Red Flag.

A ação teve o apoio das Promotorias de Justiça de Tarauacá e Feijó, e visou o cumprimento de 31 mandados judiciais, sendo 12 mandados de prisão e 19 de busca e apreensão contra alvos localizados em Tarauacá, Feijó, Manoel Urbano, Sena Madureira e Rio Branco. Os mandados foram expedidos pela Vara de Delitos de Organização Criminosa.

Red Flag

O nome da operação, que em português significa “bandeira vermelha”, faz referência à cor usada pela facção criminosa alvo da ação e ao trabalho das forças de segurança no enfrentamento do crime organizado. A primeira fase ocorreu em maio de 2023, quando foram feitas 25 prisões preventivas de integrantes de organização criminosa de atuação nacional, e cumpridos 12 mandados de busca e apreensão nos municípios de Rio Branco e Porto Acre, totalizando 37 mandados judiciais.

O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), em conjunto com a Polícia Militar, deflagrou a segunda fase da    . Foto: assessoria

Comentários

Continue lendo