Conecte-se conosco





Cotidiano

Mais de 30 aldeias e comunidades ribeirinhas de cidades isoladas do Acre devem receber sistema de água potável

Publicado

em

Mais de 30 aldeias e comunidades ribeirinhas de cidades isoladas no AC devem receber sistema de água — Foto: Arquivo

Por Iryá Rodrigues

Com um investimento de R$ 8,5 milhões, o governo do Acre quer implantar 53 sistemas de abastecimento de água simplificados em aldeias indígenas do município de Jordão e comunidades ribeirinhas de Marechal Thaumaturgo, no interior do Acre.

Por serem cidades isoladas e com acesso apenas por meio fluvial e aéreo, o governador do Acre, Gladson Cameli, pediu apoio logístico ao Exército Brasileiro para conseguir dar início às instalações nas comunidades. A ideia é que o trabalho seja concluído em 10 meses.

O governador esteve em Manaus nessa sexta-feira (23) para solicitar apoio do 7º Batalhão de Engenharia e Construção (7º BEC). O pedido é para auxílio no transporte aéreo e fluvial de insumos, materiais e pessoal. Assim como para a extração de madeira e areia para a execução dos trabalhos.

_____________________

O comando do 7º BEC informou que vai ser realizado um estudo de viabilidade técnica, com reconhecimento do local, que é uma das fases do convênio, para verificar as condições de execução por parte do Exército.

_____________________

O recurso para as obras é do Programa de Saneamento Ambiental e Inclusão Socioeconômica do Acre (Proser). A implantação dos sistemas de abastecimento deve beneficiar quase 4 mil pessoas de 31 aldeias indígenas do Jordão e três comunidades ribeirinhas de Marechal Thaumaturgo.

Modelo de sistema de abastecimento de água que deve ser implantado em aldeias do AC — Foto: Reprodução

Como funciona

Cada sistema possui um poço amazonas com estrutura de madeira, dois sistemas de bombeamento, rede hidráulica de recalque independente para cada bomba e até quatro caixas d’água de 2 mil litros para distribuição de água às comunidades. Além de rede de distribuição, ligações das casas e caixas d’água individuais de 300 litros.

O secretário de Infraestrutura, Ítalo Medeiros disse que o recurso o estado já tem, mas existe a grande dificuldade para conseguir chegar nessas comunidades com os materiais para a implantação do projeto.

Segundo ele, a aldeia mais próxima de Jordão fica a 8 quilômetros de distância em linha reta e a mais distante a 60 quilômetros.

“Na parte urbana, há empresas contratadas que estão fazendo esse serviço, mas nas aldeias e comunidades ribeirinhas, há uma dificuldade enorme de logística, inclusive de achar empresa que possa tocar esse tipo de ação. Esse projeto busca levar água potável para as aldeias e comunidades ribeirinhas, onde é montado um sistema de captação, bombeamento e distribuição domiciliar. A obra em si é simples, o difícil é a logística. Por isso, pedimos apoio do Exército, pois ele já tem essa expertise em atuar nesses locais”, disse o secretário.

Medeiros ressaltou a importância do projeto para as comunidades isoladas. “A gente fala que para cada R$ 1 investido em saneamento, você economiza R$ 4 na saúde. Então, isso é bem representativo, porque é uma comunidade que podemos dizer que vai adoecer menos, com água tratada. É um impacto gigante, é qualidade de vida para essas comunidades”, concluiu.

A obra em si é simples, o difícil é a logística. Por isso, pedimos apoio do Exército, pois ele já tem essa expertise em atuar nesses locais”, disse o secretário.

Comentários

Em alta