Mãe tenta fazer fertilização in vitro para salvar vida do filho com anemia falciforme no AC: ‘esperança’ — Foto: Arquivo pessoal
Por Alcinete Gadelha

Na esperança de salvar a vida do filho mais velho, a autônoma Aurineia Albuquerque, de 39 anos, tenta fazer uma fertilização in vitro para que, caso o bebê seja compatível, seja feito um transplante de medula para o filho João Eduardo Albuquerque, de 17 anos.

Ele é diagnosticado com anemia falciforme desde quando tinha um ano e meio.

A família que mora em Rio Branco se viu no desespero quando as crises do adolescente se intensificaram e ele chegou a passar até 20 dias internado com fortes dores à base de morfina para aliviar o sofrimento.

Aurineia explicou areportagem que, desde que nasceu, em 2002, o filho luta contra a anemia falciforme, doença hereditária, caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue. O diagnóstico só veio quando ele tinha pouco mais de um ano.

A alternativa que a família tem hoje, além do tratamento que apenas pode amenizar os efeitos da doença, é o transplante de medula, que, de acordo com Aurineia, só pode ser feito pelos pais, ou irmãos, quando compatíveis.

______________

O casal tem uma filha de 9 anos, mas ela não é compatível para fazer o transplante de medula que é o que pode salvar a vida de João Eduardo. Por isso, eles decidiram fazer a fertilização.

______________

“Meu filho tem esse problema de saúde e a cura dele é só pode ser através do transplante de medula. Ele tem muitas crises, dores. Como não posso ter uma gravidez natural, porque eu e o pai temos os traços da doença e, com a gravidez natural, corre o risco de a criança nascer também com a doença, por isso que a gente vai fazer in vitro”, contou.

Dores têm se intensificado nos últimos meses — Foto: Arquivo pessoal

Dores

Ao longo da vida, Aurineia conta que foram muitas crises, mas nos últimos dois anos tudo se intensificou. “Muita dor, muita dor. A ponto de tomar morfina e não passar e corre o risco de ele ter trombose, AVC, parada cardíaca, por causa da dor e também da falsiformização dos glóbulos vermelhos,” diz.

Ela explica que o intervalo entre as crises estão ocorrendo a cada dois dias.

E que alguns dos sintomas que se manifestam são inflamações nos dedos das mãos e pés, disfunção orgânica, falta de ar, inchaço e pele e olhos amarelados, informou o mãe.

“Com muita fé, porque se não for com fé, não adianta. A gente tem que estar confiante. Não era o sonho um novo bebê, mas com esse propósito, a gente espera que venha com saúde e a maior expectativa é conseguir esse transplante”, acrescentou.

Mobilização

Para conseguir o dinheiro para fazer a fertilização em São Paulo, Aurineia contou que a família começou uma vaquinha on-line, na última semana, e também estão fazendo uma rifa beneficente para arrecadar pelo menos R$ 60 mil.

A autônoma diz que o valor de uma fertilização é em torno de R$ 24 mil, mas ela pode precisar fazer mais de uma tentativa. Além disso, ainda precisa de dinheiro para custear os gastos com a viagem para outro estado.

Para alcançar o propósito, a autônoma diz que conta com a ajuda da família e dos amigos e em menos de uma semana, já conseguiu pelo menos R$ 10 mil, contando com a vaquinha, rifa e transferências bancárias.

_____________

“O João está bem esperançoso. É a esperança dele, porque é quem mais sofre na história. Os médicos aqui perguntam se tenho coragem de fazer o transplante por ele correr o risco de morrer. Para nós, é uma decisão difícil, mas ele corre risco também estando com a doença e corre menor risco com transplante do que viver assim, eu acredito nisso”, contou.

_____________

A mãe diz que o filho está prestes a fazer 18 anos e também pode participar da decisão. Mas, garante que todos estão esperançosos para que o procedimento dê certo e que o bebê possa ser compatível para que seja feito o transplante.

Comentários