Conecte-se conosco





Geral

Mãe raspa cabeça para incentivar filho autista de 6 anos a cortar cabelo após ele perder o pai para a Covid no Acre

Gilbert Szuta morreu em março, vítima da Covid. Greicy Szuta conta que menino sempre cortava o cabelo com o pai e ficou resistente após a morte dele.

Publicado

em

Mãe e filho cortaram o cabelo no mesmo dia – Foto: Arquivo pessoal

Por Tácita Muniz

A dona de casa Greicy Szuta, de 44 anos, postou um vídeo nas redes sociais em que aparece raspando a cabeça para incentivar o filho autista, de 6 anos, a fazer o mesmo. Ela conta que o menino sempre cortava o cabelo com o pai, Gilbert Szuta, que morreu em março deste ano em Rio Branco, vítima da Covid-19.

Ela conta que o marido colocava o pequeno Gilbert Júnior no colo, cortava primeiro o cabelo para depois usar a máquina na criança. Isso era uma forma de deixá-lo mais calmo na hora de cortar o cabelo. Passados alguns meses da morte do pai, o menino estava com o cabelo grande e ficava muito agitado quando diziam que iam cortar.

“O meu filho não é verbal. Ele não fala nada, apenas se expressa por ações e gestos e ele não deixa lavar a cabeça. É muito difícil, então sempre cortamos. O cabelo estava muito grande, caindo no olho e pesquisei uma forma de cortar o cabelo dele sem que ele ficasse muito agitado. Vi que as opções era uma das que meu esposo fazia, que era sentar, cortar o cabelo dele primeiro e depois o do nosso filho”, conta.

Greicy disse que não conseguiu levar o filho para o barbeiro e, por isso, resolveu fazer em casa. No vídeo, ela raspa a cabeça na frente do filho, mostrando que está feliz e depois liga a máquina e corta o dele.

“Deu super certo e aí todo dia, ele liga a máquina e pede para eu cortar o cabelo com ele. Quando ele faz uma coisa boa, eu dou parabéns, digo que fez um bom trabalho e foi assim que eu consegui fazer”, conta.

Aos dois anos, Gilbert deu os primeiros sinais de autismo, segundo a mãe. Ele não falava, gostava de ficar sozinho e chorava muito. Foram os professores da escola infantil que detectaram e a investigação durou por um ano. Somente com 3 anos ele teve o laudo de autismo.

Atualmente ele faz terapias ocupacionais e alguns acompanhamentos com a ajuda de algumas entidades.

Filho ainda não entende que o pai morreu – Foto: Arquivo pessoal

Ia atrás do pai

Muito apegado com o pai, Greicy diz que não sabe ainda como explicar ao filho que ele morreu. Quatro meses após a morte do marido, ela decidiu mudar de casa. A dona de casa disse que não soube lidar com as lembranças que a antiga casa lhe trazia. Por muitas vezes, ela conta que Júnior fugiu de casa, percorrendo o mesmo caminho que o pai fazia em busca de achá-lo.

“Desde que o pai dele morreu, ele fica muito agitado. Fugia de casa, outro dia encontrei ele em uma escola perto da nossa casa, onde o pai dele sempre me deixava e também percorria o caminho da casa onde moramos quando o pai dele estava vivo”, se emociona.

Para Greicy, o filho está com raiva por achar que o pai o abandonou. “No mês passado, eu chamei ele e disse: ‘vamos falar sobre o papa’, mas ele bate na foto e sai correndo. Eu percebi que ele pensa que foi abandonado pelo pai e eu não sei quando e nem como vou poder explicar que o pai morreu”, lamenta.

Gilbert e Greicy ficaram juntos por quase nove anos. Os dois se conheceram pela internet, quando ela ainda morava em Manaus e ele em Santa Catarina. Em um site de relacionamento, os dois começaram a conversar e se uniram.

Os dois chegaram ao Acre porque a filha de Greicy, de um outro relacionamento, casou com um acreano e mora em Rio Branco. Quando ela engravidou, pediu que Greicy a ajudasse e, por isso, o casal estava no Acre há alguns anos. Além de Júnior, o casal ainda tinha uma menina adotiva. “Está sendo muito difícil, mas estamos tentando seguir”, finaliza.

Gilbert morreu em março deste ano vítima da Covid-19 – Foto: Arquivo pessoal

Comentários

Em alta