Conecte-se conosco





Cotidiano

Justiça condena a mais de 100 anos de prisão três dos acusados de matar casal em Rio Branco

Publicado

em

Justiça absolveu dois dos acusados da morte de Tereza da Silva Santos, de 64 anos, e Cosmo Ribeiro Moura, de 43. Casal teve a casa invadida em janeiro do ano passado na região do Segundo Distrito.

A Justiça do Acre condenou três dos cinco acusados de matar o casal de namorados Tereza da Silva Santos, de 64 anos, e Cosmo Ribeiro Moura, de 43, em janeiro de 2020, em Rio Branco. Em penas somadas, o trio pegou 110 anos de prisão em regime inicial fechado por homicídio duplamente qualificado.

A casa das vítimas, no bairro Belo Jardim, região do Segundo Distrito de Rio Branco, foi invadida e os dois foram assassinados a tiros e golpes de facão. O duplo homicídio foi descoberto quando o vizinho viu o carro do casal em cima da calçada, foi olhar, encontrou as vítimas e acionou a polícia.

Foram inocentados do crime Francisco Almeida da Silva e Alisson Souza de Olinda. A Justiça determinou a expedição do mandado de soltura dos dois logo após o julgamento.

Já Marciano Marinho pegou 40 anos de prisão; Antônio Eliel de Sousa Gomes foi condenado a 30 anos e Jefersson Almeida da Silva a 40 anos de reclusão.

A assessoria de comunicação do TJ-AC informou que o Ministério Público do Acre (MP-AC) entrou com recurso contra a absolvição de Alisson de Olinda e Francisco da Silva.

Os cinco acusados foram julgados nesta terça-feira (28) na 1ª Vara do Tribunal do Júri da capital acreana.

O advogado Patrich Carvalho, que defende o acusado Jefersson da Silva, disse que vai recorrer da sentença.

A defesa de Marciano Marinho também afirmou que vai recorrer da sentença por acreditar que não há provas suficientes nos autos que comprovem a participação do cliente. “É uma pena muito alta, tendo em vista que dentro do processo não existem provas suficientes para condenação. Ele não respondeu em liberdade o processo”, afirmou a advogada Faima Jinkins Gomes.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Antônio Eliel de Sousa Gomes.

Crime ocorreu em janeiro do ano passado — Foto: Aline Vieira/Rede Amazônica Acre

Crime ocorreu em janeiro do ano passado — Foto: Aline Vieira/Rede Amazônica Acre

Motivação do crime

 

Tereza era sogra da ex-secretária da Fazenda do Acre, Semírames Plácido Dias. Na época do crime, o governo do Acre chegou a publicar uma nota lamentando a morte do casal e afirmou que os órgãos de segurança estariam empenhados para prender os suspeitos.

Após quase três meses de investigações, a Polícia Civil concluiu o inquérito da morte do casal. Logo depois da conclusão do inquérito, o delegado responsável pelo caso, Martin Hessel, afirmou que a motivação do crime foi porque a vítima Cosmo Ribeiro Moura confrontava a facção que atuava no bairro por não aceitar as determinações da organização criminosa.

Inicialmente, a polícia suspeitou que o crime tinha ocorrido durante uma tentativa de assalto e que teria sido um latrocínio. Mas, essa hipótese foi descartada e ficou confirmado que o casal foi vítima de uma execução.

Ao todo, seis suspeitos foram indiciados pelo crime de duplo homicídio com as qualificadoras: motivo fútil, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa das vítimas e pelo crime de integração a organização criminosa.

Entre os seis indiciados, segundo o delegado, um seria o mentor do crime, o outro teria autorizado e os outros quatro foram os executores. Cinco suspeitos estão presos e um segue foragido, sendo que agora dois vão ser soltos após serem inocentados durante o julgamento.

Um sétimo suspeito também estava na lista dos que seriam indiciados pelo crime, mas, ele foi morto durante uma tentativa de assalto a uma chácara no último dia 25 de março.

Comentários

Em alta