fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Jornalista Pitter Lucena sofre ameaças por investigar massacre de Pando

Publicado

em

O jornalista acreano Pitter Lucena vem recebendo ameaças de morte após o início de uma investigação sobre o massacre de Pando, na Bolívia, em setembro de 2008, que resultou na morte de 17 camponeses, dezenas de prisões, além da fuga de centenas de bolivianos para o Brasil. O banho de sangue na fronteira do Acre foi atribuído ao então governador de Departamento de Pando, Leopoldo Fernandez, mas informações privilegiadas apontam para um plano arquitetado pelo presidente Evo Morales para aniquilar seus adversários políticos em vários estados do País vizinho.

As ameaças estão sendo feitas através de ligações telefônicas, cujos números e nomes são de pessoas amigas do jornalista, desta forma se esconde as verdadeiras identidades dos ameaçadores. Numa dessas ligações feitas no dia 20 de novembro, um homem afirmou que o repórter estaria “mexendo onde não deveria” e, que em breve, receberia visitas para colocar um ponto final sobre o assunto.

“Vejo isso como ponto de intimidação para não prosseguir com o trabalho que venho fazendo com os refugiados que fugiram da prisão ou morte da ditadura boliviana. Comuniquei o caso a um delegado da Policia Federal, em Brasília, para saber de onde são originadas essas ameaças”, disse Lucena.

As ligações de ameaças tiveram início logo depois que o jornalista teve contato com um alto funcionário do Poder Judiciário boliviano, refugiado no Brasil. Lucena afirma não ter dúvida de que os refugiados estão sendo monitorados em território brasileiro, resta saber quem controla a vida dessas pessoas.

Em setembro o jornalista esteve na cidade de Cobija, palco do massacre, para levantar informações e fazer contato com os refugiados que residem na fronteira brasileira. O objetivo, depois de todo o material coletado, será a produção de um livro sobre a vida dessas famílias que fugiram da morte na Bolívia e, que vivem em situação de miséria no Acre.

Dois políticos, principais opositores de Evo Morales, estão fora de combate. O ex-governador Leopoldo Fernandez, acusado pelo presidente de ser o mentor do massacre, está preso em La Paz; o ex-senador Roger Pinto Molina, está morto, vítima de um acidente aéreo nos arredores de Brasília, em agosto de 2017.

A morte do ex-senador Molina em acidente aéreo é outro ponto em questionamento pelo jornalista. A aeronave era nova, fabricada em 2010, além do político ser piloto e dono do avião. Além das investigações do acidente pelas as autoridades brasileiras, Lucena busca outras versões para o fato no Brasil e nos Estados Unidos da América.

O livro deverá está concluído em dezembro de 2020.

Fonte: diretodoplanalto.com.br

Comentários

Brasil

Ninguém acerta Mega-Sena e prêmio chega a R$ 120 milhões; veja dezenas

Publicado

em

Bilhete da Mega-Sena – Imagem: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Ninguém acertou as seis dezenas sorteadas hoje no concurso 2692 da Mega-Sena.

Os números sorteados foram 09-33-45-55-56-59.

O próximo concurso será realizado na terça, com prêmio estimado de R$ 120 milhões.

152 apostas acertaram cinco dezenas e ganharam R$ 44.288,17.

Houve 14.561 jogos vencedores com quatro números; cada um deles fatura R$ 660,45.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Casos de Covid-19 e mortes decorrentes da doença registram aumento no Brasil

Publicado

em

Covid 19 ainda faz muitas vítimas no Brasil. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Infectologista aponta fatores que podem ter contribuído para o crescimento da doença

No Brasil, o número de novos casos notificados de Covid-19 aumentou de cerca de 33 mil para 45.177 entre 11 e 17 de fevereiro. O número de mortes também cresceu, passando de 164 para 198. No acumulado, são 38.452.504 casos da doença registrados no país e 709.963 mortes. As informações são do Painel Covid-19 no Brasil, do Ministério da Saúde.

Segundo os dados, o Sudeste é a região com o maior número de casos acumulados (15.327.268), seguida do Sul (8.157.451) e Nordeste (7.536.042).

Para Manoel Palácios, infectologista do Hospital Anchieta, um dos fatores que pode ter contribuído para o aumento dos casos de Covid-19 foram as variantes dos vírus. Para ele, o surgimento e circulação de novas variantes do SARS-CoV-2, vírus da família dos coronavírus, podem ser mais transmissíveis.

“Outro ponto poderia ser a fadiga das medidas de prevenção, isso quer dizer que com o passar do tempo aconteceu uma redução da adoção das medidas preventivas, como uso de máscaras, distanciamento social e higiene das mãos, principalmente em eventos recentes, como o Carnaval”, pontua Palácios.

Ele também afirma que as reuniões em ambientes fechados, como shoppings e bares, sem ventilação adequada, facilitam a transmissão do vírus.

“Outro ponto importante, que poderia estar explicando o número indicado só aumentado, é a cobertura vacinal incompleta. Ainda que a vacinação já tenha começado e avançado, Inicialmente para grupo sectários, adolescentes, a cobertura incompleta em alguns grupos e ou a excitação vacinal pode deixar partes da população bastante vulneráveis”, ressalta o infectologista.

Vacinação

Segundo o Ministério da Saúde, o número de doses contra Covid-19 aplicadas é de 517.559.034, até o momento — incluindo as doses de primeira, segunda e terceira aplicação, bem como as doses de reforço.

No que se refere à vacina bivalente, recomendada pela pasta como reforço para pessoas com mais de 12 anos que apresentam comorbidades, ou para adultos sem comorbidades, o total de doses aplicadas no Brasil foi de 33.471.484.

Palácios explica que ainda existe um grupo pequeno que não realizou a vacinação contra Covid-19 — e aqueles que tomaram apenas duas ou três doses, sem reforços. Para ele, é preciso acelerar a vacinação para aumentar a imunidade da população, principalmente entre os mais vulneráveis.

“Gerar campanhas de informação e educação também vão ajudar a combater a fadiga das medidas preventivas, reforçando a importância de continuar e seguir as diretrizes de saúde pública”, enfatiza.

Stephany Souza, de 22 anos, mora em Natal, no Rio Grande do Norte. Ela relembra que pegou Covid-19 três vezes, no total. A primeira vez foi em 2020, no início da pandemia, quando estava de quarentena e seguindo as recomendações do Ministério da Saúde. Ela acredita que contraiu a doença nas idas ao supermercado.

“Eu tive sintomas pertinentes e longos, não cheguei a ficar hospitalizada; mas como não tinha vacina nem muitas informações sobre a doença, fiquei tratando dos sintomas em casa. Eram febre, dor no corpo, garganta doendo, cansaço, um pouco de falta de ar. Eu fiquei pelo menos 15 dias de recuperação, tratando os sintomas em casa”, recorda.

No final de 2020, ela afirma que o trabalho voltou de forma presencial. E, nisso, houve um pequeno surto de doença na empresa e ela contraiu a doença novamente. Os sintomas foram fortes e duraram por uma semana.  Stephany explica que tomou a vacina contra Covid-19 assim que ela ficou disponível em sua cidade. E  após isso, em 2021, teve a doença novamente.

“Durante as duas vezes que tive Covid-19 sem estar vacinada, tive sintomas fortes e por um tempo considerável. Quando eu tive a doença vacinada, eu não tive sequer sintomas, fiquei apenas assintomática. Então é uma prova concreta de que a vacina contribui para evitar que a doença fique mais grave nas pessoas, levando consequentemente a internações, entubações e também a morte”, destaca.

Isolamento

Para quem foi diagnosticado com Covid-19, o protocolo de isolamento continua o mesmo do final de 2022, recomendado pelo Ministério da Saúde.

Aqueles que realizarem o teste de Covid-19 e obtiverem um resultado negativo no 5º dia poderão encerrar o período de isolamento antes do prazo de 7 dias, desde que não manifestem sintomas respiratórios e febre por pelo menos 24 horas, e não tenham utilizado medicamentos antitérmicos.

Caso continue apresentando sintomas, o período de isolamento pode chegar até dez dias.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Censo Escolar registra aumento na evasão escolar do ensino médio

Publicado

em

Por

Levantamento é o principal retrato da educação básica, formada por três etapas grandes etapas: educação infantil, ensino fundamental e ensino médio.

Censo Escolar registra aumento na evasão escolar do ensino médio

O governo divulgou nesta quinta-feira (22) o Censo da Educação Básica. O ensino médio se manteve com os piores índices de repetência e de abandono dos estudos.

O Censo Escolar é o principal retrato da educação básica, formada por três etapas: educação infantil, ensino fundamental e ensino médio. O Censo reúne dados das escolas, professores e alunos nas redes pública e privada. É nesse levantamento que os problemas aparecem e as políticas públicas devem começar a agir.

Quarenta e sete milhões de estudantes estão matriculados na educação básica, que vai da creche à educação para jovens e adultos. Em relação a 2022, o número de matrículas em escolas particulares aumentou quase 5%. A rede pública perdeu 500 mil alunos. Segundo o Inep, estudantes migraram para a rede pública durante a pandemia e agora voltaram à rede privada.

Número de matrículas na rede privada aumentou e o número de alunos na escola pública caiu em 2023 — Foto: JN

Número de matrículas na rede privada aumentou e o número de alunos na escola pública caiu em 2023 — Foto: JN

No último ano, as matrículas em creches aumentaram para 4,1 milhões – ainda longe da meta de 5 milhões de crianças de até 3 anos nas creches.

Mas está no ensino médio, reta final da Educação Básica, um dos grandes desafios da educação: a evasão escolar, que chegou a 5,9% em 2021, durante pandemia da Covid. É o dado mais recente calculado pelo Inep.

A consequência disso é um número preocupante: quase 70 milhões de brasileiros de 18 anos ou mais estão fora da escola ou não concluíram a educação básica. Um dado revelado nesta quinta-feira (22) e que mostra o tamanho do desafio.

Gabriela está no primeiro ano do ensino médio e sabe o que vem pela frente.

“Eu conheço muita gente que desistiu, porque é uma rotina muito pesada, sabe? Eu não vou desistir. Eu sei que vou conseguir”, afirma.

A Educação para Jovens e Adultos, conhecida como EJA, é a última oportunidade para quem não completou o ensino fundamental ou médio na idade adequada. Em 2023, o número de matrículas foi o menor em 11 anos. As matrículas vêm caindo seguidamente desde 2018.

Matrículas na Educação para Jovens e Adultos vêm caindo seguidamente desde 2018 — Foto: JN

Matrículas na Educação para Jovens e Adultos vêm caindo seguidamente desde 2018 — Foto: JN

O ministro da Educação, Camilo Santana, afirmou que o MEC vem estimulando estados e municípios a fazerem a busca ativa de estudantes para o ensino de jovens e adultos. Ele afirma que o programa Pé-de-Meia, que prevê uma bolsa para os estudantes de baixa renda que continuarem os estudos, pode mudar a tendência de evasão.

“450 mil jovens no Brasil, por ano, abandonam ou saem da escola por conta do ensino médio brasileiro. Nós estamos falando em quase meio milhão de jovens. Portanto, a poupança, o programa Pé-de-Meia, vem para apoiar, dar um auxílio para que esses jovens permaneçam da escola”, afirmou o ministro.

Em outra ponta, o número de matrículas no ensino profissionalizante subiu: de mais de 2 milhões em 2022 para quase 2,5 milhões em 2023.

A presidente da ONG Todos Pela Educação reforça a importância da educação profissionalizante atrelada ao ensino médio:

“Uma parte muito maior dos jovens não vai nem para educação profissional e nem para universidade. Ou seja, ele não tem qualificação para esse mercado de trabalho que é absolutamente complexo, difícil, competitivo. Então, investir na profissionalização dos jovens é algo muito importante pra vida de cada um deles e para o Brasil, para o desenvolvimento social e econômico do próprio país”.

Comentários

Continue lendo






Em alta