Secretário de Segurança, Paulo Cézar Rocha dos Santos (Foto: Secom)

O secretário de Segurança pública, Paulo Cezar, está incomodado com a velha “guerra fria” entre as polícias Militar, instituição da qual ele faz parte, e Civil do Acre.

Durante um evento alusivo ao Dia do Delegado, nesta terça-feira, 3, no auditório da sede da Polícia Civil em Rio Branco, o secretário destacou a importância do delegado como uma “figura incondicional para que o direito do cidadão seja respeitado” e pediu: “Vamos nos aproximar. Peço aos senhores que revejam algumas atitudes”.

O secretário, que também é coronel da reserva da Polícia Militar do Acre, disse que disputas não levarão as instituições “a lugar nenhum”.
“O nosso inimigo está lá fora, está lá rua”, lembrou.

Paulo Cezar afirmou à pequena plateia de delegados, dos quais alguns ex-diretores da Polícia Civil que foram homenageados pelo Estado, que tem amigos delegados e sua gestão na Secretaria de Segurança e democrática sem qualquer interferência nas decisões internas da Polícia Civil: “Eu não interfiro em nenhum ato no interior dessa instituição. Nem destinação de recursos e nem lotação de servidores. O delegado Henrique (diretor-geral de Polícia Civil) é autônomo”.

A solenidade em homenagem aos delegados contou com as presenças do governador Gladson Cameli e da chefe do Ministério Público Estadual, Kátia Rejane.

Comentários