Conecte-se conosco





Geral

Há 23 anos surgia Os Cobras Dance, grupo que carimbou o Acre na cena musical por gerações

Grupo fez com que o Acre se tornasse a capital do dance nacional e referência na cultura de rua

Publicado

em

Por Thais Farias

Se você não é um dos millennials, geração de pessoas nascidas entre 1980 e 1995, provavelmente não vivenciou um dos maiores fenômenos artísticos que o Acre já teve. Ainda assim, deve ter ouvido falar (e muito) sobre Os Cobras Dance. As chamadas “Gerações Z e Y” recordam com saudosismo a época em que a música autoral acreana ganhou palcos e espaços midiáticos Brasil afora com o hip hop, o rap e a dance music lançada pelo trio Silvio Alves da Silva Neto, Samyron Andrade e Delcimar Mesquita (que converteu-se ao Evangelho e deixou o grupo há um ano).

O sucesso foi estrondoso e ultrapassou barreiras que nem mesmo os músicos imaginavam um dia alcançar. O trabalho que Neto, agora com 50 anos, e Samy, de 48, sustentam até hoje foi idealizado em junho de 1998 na capital acreana. Antes disso, eles já integravam há mais de 10 anos um coletivo que atuava em prol da evolução do Hip Hop na cidade. Tanto que anos depois o grupo consolidou o estado como um dos berços do movimento organizado no país, inclusive com aprovação de leis. Foram cerca de 9 mil cópias de CDs vendidas. Se somar a venda de pirataria, o resultado triplica. Na época, o disco original de Os Cobras Dance era vendido nas lojas por R$ 35 reais e nenhum acreano havia agradado tanto.

O fato é que Os Cobras Dance conseguiram viver da própria música e ditaram moda por muito tempo. Até hoje o grupo tem shows marcados dentro e fora do estado, fazendo parte da vida de pelo menos três gerações de acreanos. Quando começaram, cada um tinha cerca de 23 anos e a ideia era fazer um estilo de música que era febre na época: o dance nacional. “A gente queria agregar o nosso estilo de dança, de se vestir, de se apresentar na sociedade, e com isso ganhar uma grana. Nós já vínhamos do Hip Hop, mas ele em si não tem quase lucro. Aí sentei com o Neto e com o Delcimar para conversar, já que fazíamos parte de um coletivo de dança break e éramos vizinhos”, conta Samyron.

Foi aí que deu início à trajetória dos “Cobras”, que escolheram esse nome em referência a uma gíria que representava algo bom, bem feito, profissional. Antes da carreira musical, o trio também já se chamou “Os Cobras de Rua”. Segundo eles, o dance veio pela música eletrônica a fim de difundir o trabalho nas casas noturnas e valorizar o Hip Hip, movimento universal que une cinco elementos culturais da rua: a dança break, o grafite, o Rap, o DJ e o conhecimento.

“Morávamos nos bairros Esperança e Mascarenhas de Morais. O Neto fez a primeira música (Não dá Pra Namorar), em seguida a “Me Chama de Galinha”, eu já estava encaminhando outra (Cara de Bundão) e Delcimar também fez uma. Aí fomos ver os custos [para produzir]. Aqui ainda não tinha o serviço de produção de música, então tínhamos que ir para Manaus ou Porto Velho”, relata Samy. Como os custos no Amazonas seriam maiores, o grupo decidiu ir para Rondônia.

O drama para o primeiro CD e início do sucesso

Concretizar o sonho da primeira produção musical não foi fácil para Os Cobras Dance. Assim que chegaram à capital vizinha, fizeram pesquisa de preço e o trabalho não sairia por menos de R$ 6 mil. Mas só em chegar a Porto Velho já foi uma verdadeira operação de guerra para eles. “Fomos de carona. O custo total para produção era muito dinheiro naquela época, fora alimentação e estadia. Aí voltamos para Rio Branco e fizemos uma lista com todos os nossos amigos”, contam.

A lista era para ver quem poderia ajudar o grupo a se manter em Rondônia até que o CD ficasse pronto, período que durou aproximadamente seis meses. Amigos, familiares e até fãs que eles já tinham conquistado se prontificaram a doar R$ 3, R$ 5, R$ 10, até quilo de farinha, arroz, feijão, rede, colchão etc. “Fomos para lá em junho e terminamos em janeiro de 1999, quando voltamos ao Acre. A primeira música a ser tocada na rádio foi a que estourou e puxou as outras, a Não dá para Namorar. Fizemos um LP com nove músicas”.

Neto percebeu que Os Cobras Dance estavam fazendo sucesso de verdade quando os moradores de Rio Branco começaram a gostar e pedir as músicas nas rádios. “As rádios começaram a pedir para a gente mandar as músicas pra elas. Taxistas, camelôs tocavam demais também”. Rapidamente as canções dos Cobras estouraram por boa parte da Região Norte, fazendo com que o estúdio musical que produziu o CD virasse uma referência no ramo. Boa parte desse sucesso se deve à ousadia dos integrantes. Eles resolveram comprar 300 fitas e gravar as músicas para entregar aos vendedores ambulantes do calçadão e taxistas. “O trabalho de mídia social que as pessoas fazem hoje na internet, a gente fez na mão. A divulgação por táxi deu muito certo”, brinca. Uma semana depois, só se falava em Cobras Dance.

Dessa forma, o Acre passou por muito tempo sendo a capital do dance nacional. “Todos os grupos queriam vir aqui para, além de conhecer a gente, saber mais do nosso estado. E a gente começou a fazer shows em outras capitais, até internacionais, como Bolívia, Peru e quase fomos a Portugal, só não deu certo porque faltava passaporte e iria demorar para tirar”.

Muitos dos empecilhos que surgiram para o grupo podem ter acontecido por falta de um empresário. Eram eles que cuidavam de tudo sozinhos, na maioria das vezes, com pouco tempo. “Mesmo assim a gente nunca deixou de fazer show. Uma coisa que era pra ser um hobby, um momento de lazer, se transformou na nossa principal fonte de renda. Até hoje temos isso como renda, temos shows marcados”, declara Neto.

Rotina exaustiva e mais de 50 hits

Passado o sufoco de se estabelecer na cena musical, veio um novo desafio. Acostumar-se à nova rotina era um exercício quase que diário para o grupo, que já não conseguia passar datas comemorativas com a família, nem mesmo triplicando o valor do cachê aos contratantes.

“Era uma euforia. A gente tinha agenda lotada por quatro meses seguidos, com shows de quarta a domingo, às vezes com até três apresentações no mesmo dia. Rodamos o Acre inteiro, Rondônia, parte do Amazonas e Mato Grosso”, detalha a dupla. Desde que subiram ao palco pela primeira vez, num Dia das Mães em maio de 99, nunca faltou proposta para show (exceto no momento de pandemia da Covid-19). Mesmo com dificuldade para chegar ao interior do estado, eles enfrentaram sol, chuva, lama e até viagem em canoa pelos rios.

“A gente chegava a perder até 4 quilos por semana por causa da correria. Era aproximadamente um quilo que a gente gastava por show. A gente dançava muito, era uma hora e meia cantando e dançando”, diz Neto. Entre as músicas mais marcantes dos Cobras Dance estão: Não dá Pra Namorar, Cara de Bundão, Me Chama de Galinha, Baby e Te Cuida Valentão. Ao todo, o grupo tem 56 músicas autorais. “É um dos únicos aqui do Acre que sai para fazer show com músicas autorais que fazem sucesso até hoje. É nossa marca registrada. Os contratantes sabem que a gente leva o que é nosso, divulgando nosso estado. Fora do Acre fazíamos questão de dizer de onde viemos, sempre elevando nossa origem”.

Neto e Samyron são reconhecidos até hoje nas ruas. Segundo eles, Os Cobras já estão na terceira geração de público. “Já fizemos shows em que estavam pai, filhos e neto. Aniversário de 15 anos incontáveis, festas de casamento, noivados. É um reconhecimento e carinho muito bom. Continuamos com esse trabalho de resistência e resgate positivo do hip hop para juventude”. Fora a música, são mais de 35 anos de vida dedicados ao coletivo, ao trabalho na rua, no mecanismo da música.

Apresentação no Ratinho e a pandemia

Recentemente eles atingiram o ápice ao se apresentarem no Programa do Ratinho, em exibição nacional. Ainda com a formação original, Os Cobras Dance participaram do quadro “É Dez ou Mil” no SBT, sendo tão bem avaliados pelos jurados do quadro que levaram o prêmio máximo de R$ 10 mil.

Os acreanos cantaram a música “Não dá Pra Namorar”.

Para eles, foi um verdadeiro divisor de águas. “O problema foi a chegada da pandemia do coronavírus, porque aquela apresentação deu uma visualização grande pra gente. A gente saiu de lá já com muitos shows marcados”, disseram, tendo que cancelar por causa da doença.

Antes deles, nenhum outro artista acreano havia se apresentado num programa de renome nacional e ainda levar um título. ” E o mais interessante é que só participa por indicação de outro artista. E fomos os únicos a cantar música autoral”.

Como vivem e o que esperam do futuro

Mais da metade da vida de Neto e Samy foi dedicada ao Cobras Dance. Eles conseguiram o feito que poucos alcançaram e hoje ainda usufruem do que sobrou de legado do grupo. “Seguimos fazendo renda com a música, claro que não é mais a nossa principal renda agora, mas continuamos na luta para dar continuidade a esse legado de romper gerações e também pelo nosso prazer”. Os admiradores estão por todos os lugares, seja reconhecendo-os na rua ou nas redes sociais mostrando CDs que ainda guardam. “Muita gente dessa geração conhece nossas músicas, mas às vezes não sabe quem canta, então fazemos o trabalho continuar. As pessoas nos ligam de vários estados dizendo que estão nos ouvindo. Isso é muito gratificante”.

Os integrantes fazem outros tipos de trabalhos atualmente, como especialidades em informática, que também o ajudam na música. Neto revela que o primeiro site a levar o nome dos artistas a nível mundial foi o Palco MP3. “Fomos pioneiros a entrar nessa plataforma em 2007/08 e passamos mais de seis meses em primeiro lugar na Região Norte, Centro-Oeste, e em 10° lugar do nosso estilo a nível nacional. As pessoas ligavam de vários estados querendo assistir nossos shows”.

Para eles, o som propagado pelo Cobras Dance é raiz do Norte do Brasil, mas que toca em outras regiões até hoje. “Ainda temos muito o que fazer. Não temos nenhum clipe ainda, nunca fizemos uma live. Sempre recebemos mensagem perguntando e cobrando e vamos fazer. A gente rompeu barreiras. Às vezes a gente encarava muito trabalho só pelo fato de se apresentar, mesmo sem ganhar o valor cobrado. Quando você faz uma coisa pensando só no trabalho, se der alguma coisa errada você desiste. A gente não, a gente estava se divertindo. Se desse errado a gente encarava do mesmo jeito”, destacam.

Samyron relembra que mesmo estando com um público de 10 pessoas ou de 10 mil, o show sempre era e sempre será o mesmo. “Já chegamos a fazer um show numa casa noturna que estavam só os seguranças lá. A gente entendia, reduzia o cachê ao contratante. Falhamos nosso sucesso sozinhos. Temos que agradecer sempre a Deus e a nossa família. Pai, mãe, irmãos, sempre nos deram apoio. Mas empresários, o poder público em geral nunca chegaram. Sempre fomos profissionais, mas nunca misturamos trabalho com política. Fazíamos muitos comícios, mas era contrato, era trabalho”.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

O Hip Hop como salvação de vidas e legado aos filhos e netos

Fazer hip hop nunca foi difícil, complicado mesmo era organizar o movimento. E essa organização no Acre tem muito trabalho de Neto, Samy e Delcimar. Eles começaram com o hip hop organizado no final dos anos 80. No Brasil todo, só três estados têm esse movimento organizado com leis e graças aos Cobras e demais membros de coletivos, o Acre é um deles. “Nosso grupo é referência, é a velha escola desse movimento. O break hoje é o mais novo esporte olímpico. Por isso, já estamos organizando a Federação Acreana de Break Dance. O que em 2024 vai ser um esporte olímpico, nós já fazíamos 30 anos atrás na rua”.

A possibilidade de um menino da periferia conseguir ser campeão mundial é o que move e sempre moveu o hip hop. Sem dúvidas, Neto e Samyron querem passar o movimento para os filhos e netos. “Na verdade já está sendo passado de geração em geração. Os Cobras Dance é padrinho de mais de 15 grupos e bandas do mesmo estilo e de outros, tanto daqui do Acre quanto de Manaus, Porto Velho. Muita gente começou através de nós. Fazer música autoral hoje em dia e fazê-la expandir é difícil. Foi um trabalho nosso de muito tempo”, afirmam.

A falta incentivo do poder público é o que mais tem prejudicado essa classe artística, lamentam os músicos. Por isso, a linguagem em forma de música e outras artes aproxima a comunidade. “A gente sabe como funciona o sistema. A periferia é 70% da população. A gente fala diretamente com os desfavorecidos. Não somos só artistas, temos que passar algo que eles possam absorver também, não é só diversão. No intervalo das músicas, num show de 1h30 e 30 músicas, cantamos músicas conscientes, para informação. Mostrando sempre a importância de jovens do subúrbio, que é de onde nós viemos”.

Neto garante que a música do grupo livrou muitos jovens das drogas. Ele também rebate o boato de que os Cobras seriam usuários: “nunca usamos nada. As pessoas ofereciam pra gente. Até empresários mesmo, mas isso nunca foi nosso estilo. Muitos grupos que surgiram depois da gente eram de jovens que não tinham o que fazer, mas que se uniram pelo exemplo dos Cobras. Hoje são pais de família de bem. Foram correr atrás do sonho e não de fazer besteira. Eles cantavam, dançavam, se divertiam. Os pais desses rapazes hoje dão graças a Deus pelos filhos que tem. Se o poder público olhar para a periferia e cuidar um pouquinho deles, a gente consegue mudar a vida de muita gente”, conclui.

Assista ao vídeo:

Comentários

Em alta