Major da PM/Acre, Fredson Araújo, Comandante do 10º Batalhão do Alto Acre durante coletiva na ponte Wilson Pinheiro.
Alexandre Lima

Como foi divulgado pela mídia local e da Bolívia na última semana, as pontes que ligam o país vizinho ao Brasil por diversas pontes, estarão passando por um processo de bloqueio em determinada hora, afim de diminuir o ingresso em ambos os países, de bandidos e produtos oriundos do tráfico de drogas, contrabando e principalmente, armas e munições.

Partindo daí a decisão foi bloquear as pontes entre os horários de meia-noite às seis horas da manhã. Na noite desta sexta-feira, dia 18, os comandantes das polícias na fronteira, Coronel Gutierrez, comandante da Polícia Nacional Boliviana no estado de Pando e o Comandante do 10° Batalhão da PM do Alto Acre, major Fredson Araújo, juntamente com o representante da Associação Comercial de Brasiléia, Jamerson Honorio dos Reis.

Coronel gutierrez, comandante da Polícia Nacional boliviana, em Cobija, capital do estado Pando/Bolívia.

As pontes que ligam Cobija à Brasiléia e Epitaciolândia serão fechadas o acesso por motos e carros a partir da 23 horas às seis da manhã, podendo passar somente de bicicleta e a pé e que estejam portando documentos. Inicialmente, foi comunicado que somente a Ponte Wilson Pinheiro seria fechada, mas, resolveram posteriormente que as duas seriam bloqueadas.

Segundo destacou os oficiais, a medida tem como objetivo principal, inibir e dificultar a prática de ilícitos entre os dois países, como a passagem de veículos roubados, tráfico de drogas, armas e contrabando. A medida que inicialmente seria de 15 dias. Passou para 30 e pode ser prorrogado, após uma análise.

Uma das principais preocupações, seria o roubo de veículos que são comercializados em várias cidades da Bolívia e se espera uma diminuição nesses 30 dias. As pontes que dão acesso entre Vila Evo à Plácido de Castro, El Alto, Primeiro de Maio, estarão fechadas nos horários determinados e somente poderão passar a pé, munidos de documentos pessoais em mãos, tanto para sair, quanto para entrar.

Veja vídeo dentro de instantes com Almir Andrade.

Comentários