O objetivo da adesão consiste na formação de técnicos; apoio de laboratórios na área de clínica e de recomendação de corretivos e de adubos; e publicações técnicas conjuntas.

Nessa parceria, utilizaremos toda a estrutura dos laboratórios para análises clínicas, para que possamos aplicar os corretivos adequados ao solo e as publicações conjuntas entre Sepa e Embrapa.
Com assessoria

No Palácio Rio Branco, houve a assinatura do acordo de cooperação técnica entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Governo do Estado do Acre, por intermédio da Secretaria de Estado de Produção e Agronegócio (Sepa). O objetivo da adesão consiste na formação de técnicos; apoio de laboratórios na área de clínica e de recomendação de corretivos e de adubos; e publicações técnicas conjuntas.

A expectativa dos gestores é beneficiar produtores rurais, extrativistas e indígenas, com foco no desenvolvimento da produção rural e do agronegócio em todos os municípios acreanos, somado à capacitação de técnicos que trabalham na área de assistência e extensão rural no Estado do Acre.

Essas ações de cooperação entre instituições visam a otimização dos recursos, da ordem de R$ 1.590.797,10 por parte da Sepa, e R$ 1.302.941,76 da Embrapa, num total de R$ 2.893.738,86.

“O Estado tem tudo para crescer ainda mais, e estamos de portas abertas para iniciativas que atuem diretamente com o povo, gerando emprego e renda para os acreanos. Sei que a Embrapa é fundamental na parte técnica, juntamente com o apoio da Sepa. Vocês trazem resultados positivos para o estado e este acordo sela e alinha ainda mais a nossa parceria”, afirma Gladson Cameli.

Além do governador, estavam presentes no ato os representantes do Embrapa, Bruno Pena de Carvalho e Eufran Amaral, o secretário de Produção e Agronegócio, Edivan Azevedo, além da chefe de divisão de Monitoramento da Sepa, Éllen Albuquerque Abud.

“Esse acordo de cooperação visa aliar os conhecimentos da Embrapa com as políticas públicas do governo estadual, como por exemplo a transferência da tecnologia que a Embrapa produz para os técnicos do governo. Outro ponto é que não há muita produção técnica dos técnicos recentemente, e queremos mudar esse quadro. A clínica diagnóstica para doenças, pragas e análise do solo também irá nos ajudar efetivamente a transformar conhecimento e tecnologia em produtividade”, afirma Eufran Ferreira do Amaral, chefe-geral da Embrapa.

O secretário da Sepa, Edivan Azevedo, afirma que o acordo “levará a ciência produzida pelos pesquisadores para o campo. Nessa parceria, utilizaremos toda a estrutura dos laboratórios para análises clínicas, para que possamos aplicar os corretivos adequados ao solo e as publicações conjuntas entre Sepa e Embrapa. É um somatório de forças: a Embrapa produz a pesquisa e a ciência, e a Sepa leva essa tecnologia até o produtor, através de suporte e assistência técnica. ”

Confira os itens que compõem o acordo de cooperação técnica: 

– Clínica de pragas e doenças em plantas cultivadas no Acre

– Análises de solos com recomendação de adubação e calagem para fins de intensificação de uso em propriedades rurais

– Extensão, monitoramento E diagnóstico da bovinocultura de corte e leite

– Fortalecimento da infraestrutura e logística que promovam a eficiência da cadeia

– Bovinocultura de corte e leite

– Implantação de Unidades Demonstrativas (UD) em propriedades de referência

– Recuperação de pastagens degradadas em unidades produtivas familiares

– Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) e Zoneamento Geoclimático Para milho e soja no Estado do Acre e outras culturas priorizadas

– Estimular o aumento da produtividade da cultura do abacaxi, maracujá, graviola, banana e café

– Otimizar os processos de colheita e pós-colheita da banana

– Otimizar os processos de beneficiamento das espécies frutíferas e derivados da mandioca

– Curso de extensão para técnicos da Sepa

– Publicações técnicas conjuntas

Comentários