O governador Gladson Cameli e o presidente do Banco da Amazônia, Valdecir Tose, assinaram na manhã desta terça-feira, 10, no Palácio Rio Branco, um termo de cooperação para aplicação de R$ 496 milhões em linhas de crédito para todo o estado em 2020, por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO).

Só em 2019, as linhas de crédito pelo Banco da Amazônia alcançaram a aplicação de R$ 208 milhões em todo o Acre, o melhor valor em cinco anos.

O termo de cooperação almeja ainda a redução das burocracias de acesso ao crédito e fomento na assistência técnica Foto: Diego Gurgel/Secom

Com ações previstas em todas as agências do banco no estado, o termo de cooperação com o governo almeja ainda a redução das burocracias de acesso ao crédito e fomento na assistência técnica, apoiando pequenos e médios produtores a fazerem parte do FNO. Para este ano, uma das novidades será a abertura dos repasses para cooperativas.

Gladson Cameli destacou que o principal elemento a ser combatido é a burocracia, para que o acesso a esse crédito essencial para o desenvolvimento da região seja facilitado para quem quer trabalhar. Abrir mercados e estimular a iniciativa privada é um dos seus principais projetos de governo, alçado principalmente pelo desenvolvimento do agronegócio.

“É a disposição de meio bilhão de reais que vai movimentar nossa economia, colocar em desenvolvimento nossa política de agronegócio, e o governo também vai apresentar as propostas aos produtores, mobilizar quem está interessado e reduzir os trâmites. É gerar emprego, renda, mas cumprindo todas as regulamentações”, conta o governador.

Fomento para todos

O FNO é a principal fonte de recursos financeiros estáveis para o crédito de fomento da Região Norte e um dos principais instrumentos econômico-financeiros de execução da Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). Nas políticas federais, o caminho de redução das desigualdades passa pela valorização da diversidade regional. Isso significa dizer que o problema regional encontra uma via de superação na exploração consistente dos potenciais endógenos de desenvolvimento das diversidades regionais do país.

Para o governador Gladson Cameli, esse tem sido um novo momento para o agronegócio no Acre Foto: Diego Gurgel/Secom

O presidente do Banco da Amazônia, Valdecir Tose, reforçou que a instituição é justamente um elemento para o fomento regional, com a região amazônica necessitando de um olhar especial em suas políticas de desenvolvimento.

“Esse é um recurso para atingir todo o público empreendedor. Somos um banco para o empreendedor. Então, todo empresário e produtor rural vão poder ter acesso a esse recurso, já podem fazer a simulação no nosso site e até enviar suas propostas, inclusive por aplicativo de celular. Estamos nos esforçando para ser mais eficientes e menos burocráticos”, ressalta Tose.

O secretário de Produção e Agronegócio (Sepa), Edivan Azevedo, destacou que agora é papel do governo mostrar as novas oportunidades principalmente para os produtores rurais.

“Esse é um recurso que vem para fortalecer a produção e assim dar força para o agronegócio. Para isso, o governo tem apoiado o produtor rural, dando facilidades, diminuindo a burocracia para que ele tenha acesso ao crédito”, disse o secretário.

Comentários