Conecte-se conosco





Geral

Gladson diz que apoia polícia e afirma que seus familiares terão que provar inocência: “Nunca usei polícia para perseguir ninguém”

Publicado

em

Segundo o delegado Pedro Rezende, seis pessoas foram presas, dois servidores públicos e quatro empresários, sendo que um morava em Cruzeiro do Sul (AC) e Fortaleza (CE).

Por Marcos Venicios

O governador Gladson Cameli comentou sobre a Operação da Polícia Civil batizada de ““Pratos Limpos” que investiga um suposto superfaturamento na compra de 41 mil sacolões pela secretaria de Educação do Acre durante a pandemia, em 2020. Questionado pelo ac24horas, o chefe do executivo afirmou apoiar qualquer tipo de investigação desde que não ocorram excessos.

“Sou a favor de qualquer investigação desde que não ocorra excessos e obedeça os preceitos da lei. Foi no meu governo que criamos a Delegacia de Combate a Corrupção e foi para isso que ela serve, investigar e apurar o que tem de errado, mas isso dentro da lei e das normas legais. Quando assumi o governo procurei todas as instituições e a minha gestão é transparente, tanto que esse tipo de situação, operação, não recebe tratamento político. Eu deixo a polícia à vontade. Eu defendo a legalidade, estou convocando mais policiais. Eu nunca usei a polícia para perseguir ninguém, A, B ou C. A única coisa que defendo é que não ocorra excessos”, disse.

Cameli afirmou que não vai proibir nenhuma ação, mas que não condenará ninguém precipitadamente. “Eu não vou fazer prejulgamento e destaco que também não quero excessos. Para mim quem faz excessos tem a mesma culpa de quem pratica uma coisa ilícita por não está respeitando a constituição. Quero enfatizar que confio no professor Mauro e na minha equipe. Só não quero excessos”, argumentou.

Sobre o fato de seus familiares serem alvos da operação, Cameli demonstrou tranquilidade e afirmou que caberá a eles se explicarem e provar a inocência no caso. “A família Cameli é imensa, são pessoas de índole. A própria história mostra e aqui eu vou lhe dizer que são vários empresários. Realmente temos vínculos familiares, mas eu quero dizer algo importante. Eu não posso impedir ninguém a disputar licitação, mas ninguém pode confundir a relação empresarial minha não tem ligação com mais ninguém da minha família. As empresas que sou ligado são do meu pai, a Construtora ETAM, Amazonidas e a Marmude Cameli. Nenhuma delas tem contrato com o Estado. Eu só espero que eles tenham a possibilidade de provar a sua inocência porque são pessoas decentes e sempre trabalharam”, disse.

Cameli ressaltou que o governo deverá avaliar a possibilidade de fazer doações aos necessitados para não gerar problemas. “Agora eu fico receoso de doar um palito porque gera confusão. Por isso que em alguns momentos eu recuei e falei que vou criar o cartão social do Estado, onde eu vou dar o recurso e a pessoa compra”, disse o governador que aguarda a aprovação do orçamento geral da União para efetivar o cartão. Segundo ele, mais de 600 famílias serão beneficiadas com auxílio governamental de R$ 110 durante alguns meses.

Empresários alvos de operação

Os empresários Assem Cameli, dono do supermercados AS, e Manu Cameli, proprietário da rede de Supermercados Cameli, foram alvos da operação “Pratos Limpos”, deflagrada nesta sexta-feira, 12, pela Polícia Civil. Eles são primos do governador Gladson Cameli e tiveram suas casas e empresas sob cerco policial para realização de buscas e apreensões.

A ação tem como alvo a compra de 41 mil cestas básicas supostamente superfaturadas no período da pandemia de covid-19, em 2020. Segundo informações da polícia, foram compradas 41 mil cestas básicas pelo preço de R$ 94,54. O valor total supera os R$ 3,2 milhões e supostamente seria superfaturado por meio de uma dispensa de licitação.

Segundo o delegado Pedro Rezende, seis pessoas foram presas, dois servidores públicos e quatro empresários, sendo que um morava em Cruzeiro do Sul (AC) e Fortaleza (CE). Foram apreendidos veículos e colocadas 10 contas bancárias na mira da justiça.

Outro empresário de Cruzeiro do Sul que também foi alvo da operação foi Antônio Tomé de Melo Junior, dono da Distribuidora Crystal. Os três empresários prestaram esclarecimentos durante a manhã na delegacia de Cruzeiro do Sul e foram liberados logo em seguida.

Comentários

Em alta