Governador Gladson em sua primeira coletiva após ser empossado na Aleac – Foto: Alexandre Lima

O recém empossado governador do Acre, Gladson Cameli, juntamente com o seu vice, Wherles Rocha, em suas primeiras entrevistas à imprensa na Capital, foi indagado sobre os seus primeiros atos como gestor do Estado.

Gladson Cameli disse que pediu uma relação aos novos secretários, uma relação o mais rápido possível, “da real situação crítica que está o Acre, pois, eu sei que há uma crise financeira”, destacando a frase “real situação crítica e precisamos saber o tamanho da dívida que aí está”.

Disse ainda que estará chamando os credores para que possa negociar os débitos deixados pela gestão do ex-governador Sebastião Viana, do PT. Sobre o restante dos pagamentos dos servidores, destacou que já pediu para sua equipe procurasse uma solução o mais rápido para sanar esse problema e pediu tranquilidade àqueles que estão esperando uma resposta. “Não posso aceitar que, quem trabalhou fique sem receber e eu quero achar uma solução emergencial”, destacou.

As prioridades imediatas perguntadas ao governador, Gladson foi enfático em dizer que seriam as secretarias de Segurança, Saúde e Educação. “Essas estão no mesmo patamar. Quem está doente não pode esperar e estou preocupado com que está em nossos prontos-socorros e hospitais que não tem uma Dipirona, que precisa de um atendimento e apoio médico”, disse.

Na questão do cenário político e apoio parlamentar, Gladson lembrou que os resultados das urnas foram um exemplo. “Quem não entendeu os resultados das urnas, é melhor que prepare a trouxa porquê, daqui a quatro anos os resultados virão. Eu entendi e agora é hora de descer do palanque e tentar unir forças para governar”, disse. “Eu só não vou poder aceitar politicagem no nosso governo. Qualquer coisa chamo a população e digo”. Destacou.

Veja a vídeo reportagem abaixo.

Comentários