O parlamentar diz, em entrevista, que Gladson mais acertou do que errou em 2019

De férias da Assembleia Legislativa, por conta do recesso parlamentar, ainda assim o deputado estadual Gerlen Diniz (Progressistas), líder do Governo na Casa, não para de fazer política. Nesta sexta-feira (3), ele foi encontrado visitando correligionários arregimentando nomes para compor a chapa que deve disputar a Câmara de Vereadores na Capital.

Entre uma visita e outra, ele parou para conceder entrevista ao ContilNet, quando falou dos erros e acertos do governador Gladson Cameli neste primeiro ano de Governo e anunciou que vai, sim, disputar a Prefeitura de Sena Madureira pelos Progressistas contra o atual prefeito Mazinho Serafim, do MDB, que deverá ser candidato à reeleição. A seguir, os principais trechos da entrevista com o deputado:

Deputado, na sua avaliação, qual foi, em 2019, o principal acerto político e administrativo do governo Gladson Cameli, do qual o senhor é líder na Assembleia Legislativa?

Gerlen Diniz – O nosso governo teve muitos acertos. Ninguém acerta 100%, é evidente, mas, numa avaliação isenta e como um todo, o Governo acertou muito mais do que errou. Veja que o Governo anterior, em campanha, dizia que nós, caso o Gladson Cameli vencesse a eleição, em três meses iríamos atrasar os salários dos servidores. E deu-se justamente o contrário: além de pagar em dia [o governo] antecipou o 13º e ainda pagou dívidas de salários herdados do governo anterior.

Qual o outro acerto na sua avaliação?

O outro tem a ver com este primeiro acerto, dos pagamentos. É decorrente de um trabalho de austeridade, de gastar somente o que tem e de muita organização. O Governo [de Gladson Cameli] acertou em muitas secretarias. Veja uma secretaria de Administração e Planejamento fundidas, sob a administração da secretária Maria Alice Melo, que é uma secretária de excelência, uma técnica excepcional. Caso também d Secretaria de Turismo, executada pela ex-deputada Eliane Sinhasique, que é outra secretária de excelência. É de se destacar também a direção do Detran, cujos três diretores, o Luis Fernando Maia, o Manuel Jerônimo e o Isaias, até recentemente, transformaram aquela autarquia num órgão confiável e que serve de exemplo para as demais no Estado do Acre. O fato é que nosso Governo acertou muito. Outro exemplo é o secretário de Estado da Casa Civil, Ribamar Trindade, que garantiu a legalidade das ações de Governo ao longo do ano.

“Não temos como consertar 20 anos de estragos de dia para a noite”, diz deputado; ele anunciou também que é candidato prefeito de Sena Madureira/Foto: ContilNet

Por falar no secretário, o senhor sabe se ele continua no Governo?

Eu não sei. Eu torço para que continue. Se não continuar, torço para que o governador coloque lá alguém à altura e que possa garantir que o governo continue neste caminho certo. Na verdade, nós estamos no caminho certo, mas não temos como consertar estragos de 20 anos, de puro desgoverno, do dia para a noite.

Aonde foi que o governo Gladson Cameli errou, também na sua avaliação de líder?

Errou onde os secretários não corresponderam e tiveram que ser substituídos. Veja que desde o início da gestão muitos secretários foram exonerados. Foram secretários que não corresponderam ao esperado e não conseguiram fazer gestão e solucionar os problemas que precisavam ser enfrentados. Tiveram então que ser substituídos. Onde houve substituição foi porque o governo entendeu que não estavam trabalhando a contento e trocou os secretários. Foram várias pastas, mas tais trocas foram feitas sempre buscando a eficiência administrativa.

O senhor acha que houve acerto na relação do Governo com a Assembleia Legislativa, que é tão criticada tanto pela oposição e até por deputados da base e na qual o Governo teve que recuar, em alguns momentos, como em votações importantes como esta da reforma da previdência estadual?

O Governo, apesar desse mito que criaram de que a relação do governador com os deputados não é boa, tem uma relação excelente com a Assembleia Legislativa. Prova disso são os resultados das votações que ocorreram ali. O Governo aprovou praticamente 100 por cento do que enviou para a Assembleia Legislativa. Se uma ou outra matéria teve mais um pouco de dificuldade, quando houve a exposição, a demonstração da necessidade daquele projeto para a sociedade, mas, ao final, conseguimos aprovar. O Acre foi o primeiro Estado, a primeira unidade da federação, a aprovar a sua reforma da previdência estadual, ganhando inclusive do Espirito Santo e também com a transformação dos agentes penitenciários em Polícia Penal, através de emenda constitucional. Mas não existe esta história de que o governo não se dar bem com sua base. É claro que isso não é verdade. Se não se desse bem, o governo não aprovaria na Casa o que conseguiu aprovar.

E por que as críticas tão contundentes da oposição sobre o assunto, dizendo que o governo não se relaciona bem inclusive com os deputados de sua própria base?

A oposição tem que criticar. Esse pessoal que estava no poder a 20 anos, tem que encontrar razões para criticar e sai criticando a torto e a direito.

O senhor que é policial rodoviária federal, portanto da área de segurança pública, acha que o Governo está no caminho certo nesta área, com tanta violência, com tantas matanças, no Acre inteiro e, principalmente, em Sena Madureira, o seu município?

Olha, se você recebe um Estado onde aconteceu, num ano, 500 homicídios e aí você administra, investe em segurança pública e no ano seguinte, acontecem 400 homicídios, houve redução, é claro – mas ainda é um número alarmante. É inadmissível que um Estado como o Acre tenha aí tantos homicídios – e não estou citando esses números como dados. Estou citando números hipotéticos. Houve diminuição? Houve. Mas os números ainda são alarmantes. Infelizmente, a gente tem que admitir. Tem que ser investido mais: contratar mais policiais, investir em tecnologias porque a sociedade não aguenta. Uma hora a população vai se revoltar porque a bandidagem em Rio Branco – não só em Rio Branco, no Acre todo – não respeita mais a polícia, não respeita ninguém e o Estado tem que dar uma resposta.

O senhor admite que Sena Madureira, seu município, hoje é um dos, senão o mais violento do Acre?

Não, não é. Em Sena Madureira aconteceu este caso do assassinato de duas crianças, uma covardia enorme, um absurdo, o assassinato de uma menina de 14 e outro menino de 16 anos, que não tinham envolvimento com facções. Mas isso não transforma Sena Madureira no que já foi. Eu sou de lá, e muitas vezes fui à tribuna da Assembleia para dizer que Sena Madureira era a cidade mais violenta do Estado do Acre. Hoje, não é mais. Isso aconteceu, infelizmente, mas, para se ter uma ideia, em 2019, foram oito homicídios lá ao longo do ano. É um município em que há crimes? É! Temos eu combater? Temos – e isso vai ser combatido. Nós temos que avaliar a segurança pública pelo conjunto. Houve avanços no primeiro ano? Sim, mas ainda está ruim: temos que avançar no segundo, terceiro e quarto ano e entregar o Governo ou ir para uma reeleição com números aceitáveis. Infelizmente, no nosso município acontece aquela violência que até nos países desenvolvidos acontece…

Como é que está sua relação com Sena Madureira e com o prefeito Mazinho Serafim? Os senhores vão para o embate eleitoral deste ano? O senhor é candidato a prefeito na sucessão do senhor Mazinho?

Minha relação com o prefeito é profissional. Eu o respeito como prefeito, mas não sou aliado dele e nem devo ser e devo concorrer às eleições em Sena Madureira para prefeito sim, com o apoio de toda a oposição local, oposição ao prefeito. Temos conversas com Toinha Vieira, com Charlene Lima, com Zenil Caves e com as principais lideranças de oposição e devo ser, sim, candidato pelo Partido Progressista, com o apoio do Governo do Estado do Acre. A população vai ter a oportunidade de avaliar. Avaliar o atual prefeito e se entender que ele fez um bom trabalho e desejar continuar, a gente respeita. Mas haverá uma opção com o meu nome, um nome novo e que se propõe a abdicar de um mandato na Assembleia Legislativa para ir administrar sua terra natal e eu tenho certeza de que poderemos fazer muito mais.

Comentários