Por Wanglézio Braga, Especial para oaltoacre.com

Com o objetivo de anunciar ações emergenciais para atender as vítimas da alagação no Acre, o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) esteve na capital, na manhã de hoje (24), para cumprir agendas o que incluiu sobrevoo às cidades de Rio Branco, Sena Madureira e Tarauacá. Na comitiva formada por ministros e parlamentares do Congresso Nacional, Bolsonaro deu garantias de liberação do auxílio como, por exemplo, do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) às famílias atingidas pelas cheias dos rios em pelo menos 10 cidades.

O anúncio foi proferido durante uso da palavra pelo Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. “Ano passado, em 2020, nós pagamos vários tipos de benefícios para 410 mil pessoas aqui no Acre, o que corresponde a R$ 1,6 bilhões de reais. Agora, neste momento, a Caixa Econômica está contratando pessoas, estamos trazendo um caminhão para ajudar as cidades que obviamente estão alagadas. Nós temos 10 agências que estão inundadas, e hoje anunciamos uma série de pausas para pessoas físicas ou jurídicas em seus contratos. Estamos liberando também para as dez cidades o FGTS. Esse é um esforço conjunto do Governo Federal e a Caixa. O valor do saque vai a R$ 6 mil a R$ 200 reais”, informou.

A medida do Governo é contemplar pelo menos as cidades que decretaram Situação de Emergência mediante o “Estado de Calamidade Pública” decretada pelo Governo Acreano. Devem ser beneficiados, os moradores de Rio Branco, Sena Madureira, Santa Rosa do Purus, Feijó, Tarauacá, Jordão, Cruzeiro do Sul, Porto Walter, Mâncio Lima e Rodrigues Alves. Nenhuma cidade do Alto Acre foi citada na seleta lista.

Já o futuro Ministro da Cidadania, João Roma, que será nomeado ainda hoje, o Governo Federal também vai liberar a antecipação do  Benefício de Prestação Continuada (BPC) que é um acesso de crédito aos beneficiários do Programa Bolsa Família. Segundo Roma, o ministério repassou ao Governo do Estado R$ 1,2 milhão de reais, dos quais R$ 800 mil já podem ser usados devido ao recém decreto de Calamidade.

CRISE EM ASSIS BRASIL.                                                           

Ao fazer uso da palavra, o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, relatou brevemente sobre a situação vivenciada pela cidade de Assis Brasil, na Fronteira com o Peru, que vêm recebendo um número grande de haitianos que almejam sair do Brasil, rumo aos Estados Unidos, México, mais que são impedidos de entrar no país vizinho, nos Andes, por causa da Pandemia. Um grupo de aproximadamente 300 pessoas vivem intensos impasses com a Força Nacional Peruana, na Ponte da Integração, tentando atravessar.

Imigrantes estão acampados na ponte que liga o Peru ao Brasil – Foto: Raylanderson Frota

“Nossa equipe, há semanas, está analisando e vendo a situação da pandemia, da dengue, do fluxo migratório que tem impactado na Saúde. Nós tiramos uma radiografia completa e percebemos que a estrutura funciona. O estado e o município estão melhorando, claro que existem vários aspectos que podem ser feitos da melhor maneira. Mas, estamos apoiando, dando orientações, e pedimos aos senhores moradores do Acre que confiem no Governo Federal”, enfatizou.

PONTE DO ABUNÃ

Durante o ato presidencial, Jair Bolsonaro anunciou que retornará à agenda na região norte, no próximo mês, para inaugurar a Ponte sobre o Rio Madeira, no distrito do Abunã, em Porto Velho (RO). A entrega definitiva da obra, que começou no Governo Dilma Rousseff (PT), deve ocorrer em 18 de março. A ponte ligará definitivamente o Acre ao restante do país, via terra, bem como ao Pacífico.

Comentários