Conecte-se conosco

Brasil

Festival da Matemática atrai mais de 5 mil estudantes no primeiro dia

Publicado

em

2º Festival Nacional da Matemática, na Marina da Glória, no Rio de Janeiro. Evento conta com programação de palestras, oficinas, jogos, exposições, cinema e teatro

A segunda edição do Festival Nacional da Matemática foi aberta nessa quinta-feira (29) na Marina da Glória, no Rio de Janeiro. O objetivo do evento é comprovar que a matemática pode ser divertida e lúdica e encantar crianças e adultos. O festival é promovido pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), em parceria com a Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) e a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Nos dois primeiros dias do evento, participam 8.251 estudantes do ensino fundamental e do ensino médio de 179 escolas públicas e privadas do Rio de Janeiro. Hoje (30), eles dividem o espaço com o público em geral, mas, amanhã (1º), dia do encerramento, o festival será exclusivo para as experiências do público geral nos vários estandes disponíveis.

Um dos destaques é o projeto Meninas Olímpicas, do Impa, coordenado pela professora Letícia Rangel. Ela disse à Agência Brasil que o Meninas Olímpicas é um projeto de educação que visa investigar e promover o incentivo de meninas para área de STEM (do inglês ciência, tecnologia, engenharia e matemática) nas escolas. “É muito barulho! Barulho bom de criança se divertindo, de contato prazeroso com a matemática”, comemorou Letícia, ao falar sobre a abertura do festival.

A primeira versão foi realizada em 2019, com cinco escolas públicas. Durante a pandemia, o projeto não ocorreu, mas o sucesso alcançado há três anos foi tão grande que o Impa dobrou agora para dez escolas, contando com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado do Rio de Janeiro (Faperj). Participam alunos de todas as universidades públicas do estado.

Segundo Letícia, o que mostra que é possível fazer é o fato de quatro das cinco primeiras escolas que participaram do projeto em 2019 terem permanecido este ano. “Isso já é um sinal. A equipe é a mesma. Não perdi nenhum professor, nenhuma graduanda. E mais do que isso: meninas que eram alunas da educação básica em 2019 hoje são graduandas e estão atuando no projeto como graduandas. Elas foram motivadas, decidiram pela carreira na área de exatas e hoje estão sendo modelo para outras meninas.”

Nas escolas, o projeto funciona com atividades rotineiras semanais. “Em cada escola tem um professor que coordena o projeto. Ele recebe uma graduanda de licenciatura em matemática e atende a comunidade escolar. E alunas da educação básica desenvolvem atividades de matemática e de robótica e Arduíno (placa eletrônica de código aberto baseada em hardware e software descomplicados). A intenção é, primeiro, motivar as meninas, encorajá-las para as áreas de STEM”.

De acordo com Letícia, diferentemente do que ocorre com os meninos, de forma geral, as meninas, para seguir nas áreas das ciências exatas, precisam ser incentivadas para vencer os estereótipos. “A literatura mostra que as meninas precisam vencer os estereótipos para que possam fazer suas escolhas.”

Atualmente, o Meninas Olímpicas tem envolvimento direto de 90 integrantes – dez professores, 13 graduandas e alunas da educação básica, a partir da 8ª série do ensino fundamental e do ensino médio. Letícia enfatizou a importância de projetos que incentivem meninas para as áreas de STEM nas escolas porque é nessa etapa da escolaridade que o estudante escolhe as áreas para a universidade e que profissão querem seguir. O projeto visa também formar o professor e as graduandas para enfrentar a questão da falta de representatividade feminina na área de exatas.

Desenvolvimento

Para o diretor executivo da Firjan Senai Sesi, Alexandre dos Reis, a matemática é peça fundamental para o futuro da indústria e do país. “Estimular crianças e jovens a se desenvolver em matemática é também cuidar do desenvolvimento industrial e tecnológico e faz parte do que acreditamos como instituição”, afirmou.

O coordenador de Educação Básica da Firjan Sesi, Vinicius Mano, disse à Agência Brasil que o festival é uma iniciativa importante para estimular o ensino da matemática. “Infelizmente, a matemática é vista como uma ciência fora do alcance, longe das pessoas, do dia a dia, da brincadeira, do que as crianças gostam. E o festival tem muito dessa ideia: mostrar que a matemática não é uma ciência feita para nerds, e sim uma ciência para investigar padrões, descobrir formas. É uma ciência interativa, em que se pode botar a mão, ver as coisas acontecerem”. Nesse sentido, o festival tem um peso importante de “desmistificar um pouco dessa cara de malvada que a matemática tem.”

O estande da Firjan apresenta o projeto Arena, uma exposição itinerante com peças do Museu de Matemática de Nova Iorque. São experiências e atividades em que a criança pode “botar a mão na matemática”, ressaltou Mano. A roda quadrada em um triciclo, o cubo cabeça, formado por sete peças tridimensionais, o desafio do labirinto, a Legolândia e o xadrez gigante são algumas das atividades propostas.

Além disso, equipes de robótica das Escolas Firjan Sesi Resende, Barra do Piraí, São Gonçalo e Tijuca também estão presentes no estande. “São várias atividades que mostram o lado lúdico da matemática e a maneira de enxergar a matemática a partir da experiência.”

Olimpíada

Outro estande de grande afluência é o da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). A coordenadora de Logística da Olimpíada, Erika Sholl, disse que tem sido grande a procura pelas provas já efetuadas. “Temos os momentos Obmep, que são pequenos desafios de 5 minutos, com a colaboração de alunos da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). “Eles colocam em uma tela desafios rápidos, de raciocínio lógico. Estamos tendo uma grande resposta, porque as crianças procuram as provas e livros com as questões. Já é a terceira vez que o motorista vai ao Impa para trazer material. A gente não esperava isso.”

Segundo Erika, o festival tem se mostrado um incentivo fantástico para a Olimpíada de Matemática. Com a realização este ano da primeira Obmep Mirim, para alunos da segunda à quinta série do ensino fundamental, o incentivo tem sido grande. “As oficinas contribuem para isso”. No turno da manhã, 2,4 mil estudantes das escolas públicas e privadas fluminenses participaram do evento. À tarde, mais 2,6 mil. Nas telas disponibilizadas no festival, são veiculados lembretes das provas da segunda fase da Obmep, no dia 8 de outubro, e da Obmep Mirim, no dia 11 do próximo mês.

Fiocruz

Está presente ainda no Festival Nacional da Matemática o programa Ciência Móvel, do Museu da Vida, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). De acordo com o coordenador do programa, Paulo Henrique Colonese, o Ciência Móvel leva exposições para municípios do interior e que, desde sua primeira edição, em 2017, traz atividades que envolvem experimentos sobre ações de física, biologia, química e matemática. “As crianças estão participando bastante das ações. Pensamos que a chuva fosse atrapalhar um pouco, mas as escolas estão vindo. Está muito cheio aqui”, comemorou Colonese.

Dois conjuntos de atividades do programa atraem o interesse dos estudantes, reunindo jogos e quebra-cabeças geométricos, que provocam desafio visual. Colonese destaca ainda as oficinas de aviões de papel. “Trouxemos dez modelos de aviões com tamanho e formas diferentes, e isso afeta o voo das gaivotas”. Foi disponibilizada uma faixa de 10 metros para ver quais aviões vão mais longe. “As crianças estão interessadas e participando”. O projeto, que tinha sido criado antes da pandemia da covid-19, passa agora pelo primeiro teste. “Está dando muito certo.”

O Ciência Móvel conta com duas equipes de 25 pessoas que se revezam de manhã e à tarde durante o festival.

Comentários

Brasil

Eleitores de seis cidades voltaram às urnas hoje

Publicado

em

Eleitores de seis cidades voltaram às urnas hoje (27) para eleger prefeitos e vice-prefeitos. O pleito abrange os municípios de Tanabi (SP), Pedro Velho (RN), Canguaretama (RN), Maraial (PE), Ibitirama (ES) e Maiquinique (BA).
A votação segue até as 17h. Os eleitores devem apresentar título eleitoral físico ou digital e um documento oficial com foto, como RG, CNH ou passaporte.  

As eleições suplementares ocorrem quando há a anulação de mais da metade dos votos concedidos ao candidato – no caso, prefeito. A anulação é determinada por decisão da Justiça Eleitoral que negou o registro de candidatura ou cassou o diploma ou o mandato de político já eleitos.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Descoberto na China 5 novos vírus em morcegos com potencial de infectar humanos, diz estudo

Publicado

em

Um dos novos vírus encontrados têm semelhanças com o famoso SARS-CoV-2 — coronavírus causador da Covid-19. Os cientistas rotulam os 5 encontrados como “preocupantes”

As informações divulgadas são do jornal britânico The Telegraph. As análises são de um estudo australiano que pesquisou 149 morcegos na província de Yunnan, cidade que faz fronteira com Laos e Mianmar.

Ao total, foram identificados 5 vírus “provavelmente patogênicos para humanos ou gados”. Entre os encontrados está um tipo de coronavírus com semelhanças importantes simultaneamente ao SARS-CoV-2 (causador da Covid-19) e o vírus da SARS — Síndrome Respiratória Aguda Grave.

“Isso significa que vírus semelhantes ao SARS-CoV-2 ainda estão circulando em morcegos chineses e continuam representando um risco de emergência sanitária”, afirma o professor Eddie Holmes, biólogo e virologista da Universidade de Sydney, coautor do estudo.

A pesquisa, pré-publicada na última quarta-feira (23/11) na BioRXiv, deverá passar por revisão de outros cientistas antes da publicação final.

O estudo mostrou que os morcegos são fontes naturais de constantes reinfecções simultâneas de diversos vírus — mostrando o potencial destes animais em abrigar microrganismos que podem trocar material genético, formando novos tipos de vírus.  

“A principal mensagem para levar para casa é que os morcegos podem abrigar uma infinidade de diferentes espécies de vírus, ocasionalmente hospedando-os ao mesmo tempo”, disse o professor Jonathan Ball, virologista da Universidade de Nottingham.

“Essas coinfecções, especialmente com vírus relacionados como o coronavírus, dão aos vírus a oportunidade de trocarem informações genéticas críticas, dando origem naturalmente a novas variantes”, disse.

Ainda segundo o jornal The Telegraph, mais de 400.000 pessoas são infectadas anualmente por diversos vírus transmitidos de morcegos no sul da China e outros países do sudeste asiático, de acordo com as estimativas mais atuais.

Dos 5 encontrados, o vírus BtSY2 é o que causa mais preocupação, por apresentar, ao mesmo tempo, características dos vírus causadores da Covid-19 e da SARS. A SARS matou 774 pessoas em um surto em 2003 onde 8.000 foram infectados.

O vírus BtSY2 possui os mesmos receptores de ligação da proteína spike do coronavírus. Estes receptores podem, facilmente, se ligar às células humanas. Isso é um forte fator sugestivo de que este vírus pode ter o mesmo potencial de nos infectar.

A pesquisa atual não explica como o vírus da Covid-19 “saltou” dos morcegos para humanos, mas também não exclui a possibilidade de vazamento de algum laboratório. Os estudos são importantes para acompanhar como o vírus da Covid-19 evolui nos morcegos e seu potencial de causar novas infecções futuras.

Fonte(s): The Telegraph / BioRxiv Imagem de Capa: Divulgação / NIAID

Comentários

Continue lendo

Brasil

Mega-Sena, concurso 2.543: prêmio acumula e deve chegar a R$ 65 milhões

Publicado

em

O sorteio do concurso 2.543 da Mega-Sena foi realizado na noite deste sábado (26) em São Paulo. O prêmio acumulou e deve chegar a 65 milhões de reais na próxima quarta (30).

Veja as dezenas sorteadas: 02 – 05 – 27 – 30 – 46 – 53.

Ninguém acertou as seis dezenas. Já 138 apostadores acertaram a quina e levam 29.679 reais cada. A quadra foi dividida entre 7.475 apostadores, que levam 782 reais cada.

O próximo sorteio, 2544, será realizado na próxima quarta-feira (30).

Comentários

Continue lendo

Em alta