Madeira foi fornecida pela prefeitura de Brasiléia…

O grupo de trabalhadores e engenheiros do Dnit já estão na fronteira do Acre, realizando trabalhos na ponte José Augusto, importante ligação do Brasil com o Pacífico pela BR 317 que passa pelas cidades de Epitaciolândia e Brasileia.

Com o surgimento de buracos devido a deterioração da madeira que existia por debaixo da camada asfáltica, foi necessário um trabalho emergencial no local no período da noite desta sexta-feira, dia 18.

Com o acesso fechado, os motoristas têm que usar a outra ponte (Wilson Pinheiro) de concreto, que também é de mão única com acesso a cidade de Cobija (Bolívia) por Brasiléia, aumentando a volta cerca e cinco quilômetros ou mais.

Reparo iria demorar algumas horas para a liberação da ponte ao tráfego de veículos

Para piorar, as autoridades do lado boliviano realizam blitzen em vários pontos da cidade, principalmente no acesso pela ponte Wilson Pinheiro, causando um transtorno enorme devido o sinal do semáforo ter um tempo curto, causando engarrafamento no meio da ponte.

Coincidentemente, a equipe do Dnit já se encontrava na fronteira e com o apoio da prefeitura de Brasiléia, que forneceu as pranchas, iniciaram os trabalhos para liberar o tráfego. Segundo o engenheiro Paulo Bernardo, somente durante o dia deste sábado (19), poderão ver o que fazer com a equipe mais estruturada.

Comentários