fbpx
Conecte-se conosco

Geral

Família de mulher achada morta e queimada, estava sem notícias dela há sete meses

Publicado

em

Marilene Chagas de Souza tinha saído da casa do filho há mais de 7 meses e passou a morar na ruas. Família diz não saber o que pode ter acontecido vítima.

Marilene Chagas de Souza foi assassinada no final de semana em Rio Branco – Foto: Arquivo pessoal

A autônoma Marilene Chagas de Souza, de 36 anos, achada morta enrolada em uma lona na madrugada do último domingo (30) em Rio Branco, estava sem dar notícias para a família há mais de sete meses. A vítima teve parte do corpo queimado e tinha um ferimento na cabeça.

O corpo dela foi encontrado na Rua Três Irmãos, no bairro Canaã, Segundo Distrito da capital acreana, parcialmente queimado.

Dois dias antes do crime, na noite de sexta-feira (28), Marilene apareceu de surpresa na casa de um dos filhos, que mora na região do Calafate, ficou alguns minutos, deu um beijo nele e na neta e sumiu novamente.

“Ela estava tipo se despedindo. Apareceu do nada. Ela sumia e, de repente, vinha aqui. Era o único lugar que ela andava por ser mais perto. Não demorou, conversou um pouco, deu um beijos neles e foi embora. Não disse para onde ia”, contou uma das filhas da vítima, que pediu para não ter o nome divulgado.

Ainda segundo a filha, Marilene era dependente química e vivia em situação de rua desde que saiu da casa do filho, há mais de sete meses. Ela tinha seis filhos, de 10, 12, 14, 17, 19 e 22 anos.

As informações que a família tem até o momento, conforme a jovem, são as que aparecem nas redes sociais e na imprensa acreana. “As informações que temos são as que estão nas reportagens. Não temos detalhes. Ligaram para o meu irmão avisando que ela estava morta e ele foi para a delegacia com minha cunhada. Ela foi reconhecida pela tatuagem com o nome do meu pai que tinha no braço”, lamentou.

A jovem contou também que a mãe se relacionava com um homem há cerca de 10 anos, entre idas e vindas. “Ele nunca largou do pé dela, estava sempre próxima dela. O último endereço que sabemos dela foi aqui no meu irmão, onde esteve a última vez. Saiu daqui por conta mesmo, pegou uma bíblia e foi embora sem falar nada”, relembrou.

Sem notícias

Conforme a jovem, a última vez que ela viu a mãe foi quando veio para Rio Branco ter bebê, há mais de sete meses. Desde então, mãe e filha se falaram brevemente por telefone. “Ela ficou comigo um pouco na maternidade. Falei com ela por uns dias por telefone, mas ela sumiu. Não fazemos ideia do que aconteceu, até agora estamos na suposição”, lamenta.

A parente disse que a família tentou ajudar Marilene, contudo, a mulher afirmava que deixaria as drogas quando quisesse. “Ela dizia que quando quisesse parava. Eu morei só duas vezes com ela, fui criada com meu pai. Vivia do Bolsa Família e também fazia bicos”, destacou.

Dos seis filhos de Marilene, três estão casados e vivem com suas respectivas famílias. Os demais são criados pelos pais ou por tios. “Os dois menores moram com o pai deles e meu outro irmão mora com o tio da mãe. Queremos que a justiça seja feita, seja dos homens ou de Deus”, concluiu.

O delegado responsável pelas investigações, Leonardo Ribeiro, disse que já ouviu três pessoas sobre o crime e que não descarta o crime está relacionado a dívidas de drogas.

Comentários

Continue lendo

Geral

Motociclista é agredida durante roubo em Rio Branco e recebe atendimento no PS; criminoso foi preso

Publicado

em

Vítima estava parada aguardando o semáforo abrir no cruzamento da Avenida Antônio da Rocha Viana com a Isaura Parente, próximo a um posto de combustíveis no bairro do Bosque, quando foi abordada pelo criminoso Samuel

Criminoso Samuel tomou a motocicleta da mulher, mas ao subir no veículo, a vítima percebeu que a arma era de brinquedo e reagiu ao roubo.

Ithamar Souza, Na Hora da Notícia

O assaltante Samuel Igor de Souza Lima, 25 anos, foi preso em flagrante com uma motocicleta roubada, após agredir uma mulher durante um assalto na noite deste sábado (13), na rua Via Parque, no bairro Preventório, em Rio Branco.

Segundo informações do Grupamento de Intervenção Rápida Ostensiva (Giro), que é uma Companhia do Batalhão de Operações Especiais (Bope), a vítima estava parada aguardando o semáforo abrir no cruzamento da Avenida Antônio da Rocha Viana com a Isaura Parente, próximo a um posto de combustíveis no bairro do Bosque, quando foi abordada por Samuel, que estava de posse de um simulacro (arma de brinquedo). Ele tomou a motocicleta, mas ao subir no veículo, a vítima percebeu que a arma era de brinquedo e reagiu ao roubo.

A mulher entrou em luta corporal com Samuel, mas foi agredida e ficou machucada. Após conseguir agredir a mulher e tomar a moto, o criminoso fugiu em direção ao Canal da Maternidade.

Militares do Giro deram apoio à vítima e a levaram até o pronto-socorro de Rio Branco para receber atendimento médico. Depois de medicada ela foi levada para a Defla.. Foto capturada 

Uma guarnição do Giro estava em patrulhamento pela região do bairro Bosque quando ouviu pelo rádio via Copom sobre o roubo e logo se empenhou na ocorrência. Rapidamente, os militares viram o assaltante passando na moto e houve uma perseguição policial. Na rua Via Parque, Samuel caiu com a moto e se entregou. Em seguida, recebeu voz de prisão e foi encaminhado para a Delegacia de Flagrantes (Defla), com a motocicleta para ser devolvida à proprietária.

Após ser agredida, os militares do Giro deram apoio à vítima e a levaram até o pronto-socorro de Rio Branco para receber atendimento médico. Depois de medicada e enfaixada no joelho e cotovelo, ela foi levada para a Defla, onde registrou a ocorrência e recebeu a moto de volta.

Comentários

Continue lendo

Geral

Programa ‘Meu Pai Tem Nome’ abre inscrições no Acre; saiba como participar

Publicado

em

Por

Inscrições podem ser feitas até o dia 19 de julho. Mutirão de reconhecimento de paternidade ocorre em todo o país no dia 17 de agosto.

Projeto teve mais de 540 atendimentos em 2023 — Foto: Arquivo/Asscom DPE-AC

O programa Meu Pai Tem Nome, organizado por ação conjunta das Defensorias Públicas Estaduais, está com inscrições abertas no Acre. Segundo a Defensoria Pública do Acre (DPE-AC), os participantes podem se inscrever no mutirão de reconhecimento de paternidade até o dia 19 de julho por meio deste link.

Os atendimentos ocorrerão no dia 17 de agosto na sede da DPE-AC na Avenida Antônio da Rocha Viana, das 8h às 16h, e contam com apoio do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) e Ministério Público do Acre (MP-AC).

O Dia D, como é denominada a ação, ocorre de forma presencial, mas é possível participa remotamente, desde que seja possível fechar acordo extrajudicial, ou seja, que as partes desejem alterar a certidão.

Segundo a DPE-AC, foram feitos 2.753 registros com pais ausentes na certidão, sendo a maioria em Rio Branco, Cruzeiro do Sul e Tarauacá.

Entre as ações, estão investigação de paternidade, reconhecimento de paternidade/maternidade socioafetiva; audiências; exames de DNA e certidões de nascimento. Em 2023, o mutirão fez 549 atendimentos deste tipo.

Comentários

Continue lendo

Geral

Deputados divergem sobre livrar partidos de multa por descumprir repasse a candidatos negros

Publicado

em

Por

No primeiro turno, foram 344 votos a favor e 89 contrários. Já no segundo turno, foram 338 votos a favor e 83 contra

A proposta, que foi aprovada pela Câmara dos Deputados, passou por dois turnos de votação

Cinco deputados do Acre votaram a favor e três foram contrários à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que pode livrar os partidos políticos de multas por descumprirem a regra que estabelece repasses mínimos para candidaturas de pessoas negras.

A proposta, que foi aprovada pela Câmara dos Deputados, passou por dois turnos de votação. No primeiro turno, foram 344 votos a favor e 89 contrários. Já no segundo turno, foram 338 votos a favor e 83 contra. O texto aprovado também cria um programa de refinanciamento de dívidas das siglas partidárias e permite a utilização de recursos do Fundo Partidário para pagar multas eleitorais

Votaram a favor da PEC no 1º turno:

– Eduardo Veloso (União Brasil)

– Meire Serafim (União Brasil)

– Roberto Duarte (Republicanos)

– Socorro Neri (PP)

– Zezinho Barbary (PP)

Votaram contra a PEC no 1º turno:

– Antônia Lúcia (Republicanos)

– Coronel Ulysses (União Brasil)

– Gerlen Diniz (PP)

No segundo turno da votação, quase todos os parlamentares mantiveram seus votos do primeiro turno. A exceção foi Antônia Lúcia, que desta vez votou a favor da PEC.

Atualmente, a regra sobre os repasses a candidaturas negras não está na Constituição, mas segue um entendimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), respaldado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), de que os recursos destinados a pessoas pretas e pardas devem ser proporcionais ao número total de candidatos desse perfil no pleito. Para entidades, o percentual definido na nova proposta pode representar uma diminuição dos repasses feitos às candidaturas negras.

 

Comentários

Continue lendo