Conecte-se conosco

Brasil

Exército mercenário executa soldados russos que decidem desertar e lutar contra Putin

Publicado

em

O Exército Mercenário do Kremlin sequestrou Evgeny Nuzhin, o matou e publicou o vídeo. IMAGENS SENSÍVEIS

“Mazo e traidores têm uma relação próxima com o Grupo Wagner”, garante o canal de Telegram Zona Cinza, afiliado aos mercenários russos, junto com as imagens arrepiantes da execução de Evgeny Nuzhi.

No vídeo, o soldado russo é visto com a cabeça amarrada a uma enorme pedra e como seus carrascos o atingem com uma marreta que o executa no local.

Nuzhi caiu nas mãos do exército ilegal do Grupo Wagner, que o executou por suposta traição. Então, ele publicou as imagens para emitir um aviso chocante para quem decide desertar.

Segundo o portal Nexta, ele havia sido capturado pelas forças ucranianas meses atrás. Em condições terríveis – devido à falta de comida e armas – ele havia sido enviado para lutar por Moscou, mas uma vez lá expressou seu desejo de lutar contra Putin.

O que ainda não foi divulgado, é onde caiu nas mãos dos mercenários. Há versões que indicam que ele chegou ao território russo como parte de uma troca de prisioneiros na sexta-feira passada e que foi rapidamente identificado pelo exército clandestino do Kremlin, mas também há fontes que indicam que ele foi capturado em territórios ocupados.

As imagens brutais também indicam que o destino de Nuzhi seria o de muitos prisioneiros de guerra. Para o exército mercenário de Putin, qualquer um que tenha caído em mãos ucranianas torna-se um inimigo em potencial e as imagens brutais são deliberadamente espalhadas para criar terror em suas próprias fileiras, muito desencorajadas pelo fracasso e falta de apoio… aviso a todos os soldados russos.

A pessoa executada não era um soldado de carreira, mas havia sido especialmente recrutada para a invasão da Ucrânia.

O grupo Wagner, milícia mercenária liderada por Yevgeny Prigozhin, empresário do círculo do presidente russo Vladimir Putin, procura homens em todo o país para levá-los a lutar em território ucraniano. De fato, meses atrás, Prigozhin visitou pessoalmente várias prisões russas para recrutar 1.000 condenados para lutar por Moscou.

No vídeo, Prigozhin visitou pessoalmente várias prisões russas para recrutar 1.000 condenados para lutar por Moscou.

A milícia não está registrada como pessoa jurídica em nenhum lugar do mundo. Sua existência clandestina permite à Rússia minimizar suas baixas no campo de batalha e se distanciar das atrocidades cometidas pelos combatentes de Wagner, dizem observadores. Investigadores das Nações Unidas e associações de direitos humanos dizem que elementos de Wagner atacaram civis, realizaram execuções em massa e saquearam propriedades privadas em zonas de conflito.

Fuente: Infobae

Comentários

Brasil

Confiança empresarial atinge menor nível desde fevereiro

Publicado

em

Pesquisa é da Fundação Getúlio Vargas

O Índice de Confiança Empresarial (ICE), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 6,7 pontos de outubro para novembro. Assim, o indicador atingiu 91,5 pontos, em uma escala de zero a 200, seu menor nível desde fevereiro deste ano (91,1 pontos).

O ICE consolida os índices de confiança dos empresários de quatro setores da economia pesquisados pela FGV: indústria, construção, comércio e serviços.

Queda

O Índice de Situação Atual Empresarial, que mede a percepção do empresariado brasileiro em relação ao presente, caiu 4,1 pontos e atingiu 95,2 pontos. O Índice de Expectativas teve uma queda mais acentuada: oito pontos, chegando a 87,9.

Quatro setores produtivos tiveram queda do ICE em novembro. A mais intensa foi observada no comércio (-10,8 pontos). Em seguida, aparecem serviços (-5,4 pontos), construção (-5,3 pontos) e indústria (-3,6 pontos).

Com a queda mais acentuada, o comércio também tem o menor índice de confiança: 87,2 pontos. A construção tem o maior índice: 95,6 pontos.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Dívida bruta do Brasil fica perto do nível antes da pandemia

Publicado

em

Edifício-Sede do Banco Central em Brasília

Indicador fechou em 76,8% do Produto Interno Bruto

A dívida bruta do Brasil caiu novamente em outubro e fechou em 76,8% do Produto Interno Bruto (PIB, a soma dos bens e serviços produzidos no país), correspondendo a R$ 7,3 trilhões.

Os dados foram divulgados hoje (30), em Brasília, pelo Banco Central (BC). Trata-se do menor patamar desde fevereiro de 2020, antes do início da pandemia, quando a dívida era de 75,3% do PIB. No mês passado, em setembro, o indicador somava 77,1% do PIB.

“Com a pandemia, a dívida bruta subiu em decorrência dos gastos necessários para o seu enfrentamento, mas tem decrescido”, disse Fernando Rocha, chefe do Departamento de Estatísticas do BC, em entrevista. A dívida bruta do governo geral compreende o governo federal, Previdência Social (INSS) e governos municipais e estaduais.

Essa queda no endividamento público ao longo do ano é explicada por três fatores combinados, como o crescimento do PIB, resgates líquidos da dívida e valorização cambial. “No acumulado no ano, a redução de 3,5 pontos percentuais (pp) refletiu o impacto do crescimento do PIB nominal (-7,0 pp), dos resgates líquidos de dívida (-2,5 p.p), do efeito da valorização cambial acumulada (-0,3 pp) e dos juros nominais apropriados (+6,3 pp)”, informou o BC.

A estimativa do governo federal é que a dívida pública do país feche o ano menor do que os níveis pré-pandemia. Já a dívida líquida do setor público (balanço entre o total de créditos e débitos dos governos federal, estaduais e municipais) ficou estável em 58,3% do PIB no mês passado, mesmo percentual apurado em setembro.

Superávit primário

Já as contas públicas fecharam outubro com saldo positivo de R$ 27,1 bilhões. O valor é inferior ao saldo positivo de R$ 35,4 bilhões obtido em outubro de 2021. O governo central e as empresas estatais apresentaram superávits de R$ 30,2 bilhões e de R$ 711 milhões, respectivamente, enquanto os governos regionais tiveram déficit de R$ 3,9 bilhões.

Nos 12 meses encerrados em outubro, o superávit primário do setor público consolidado atingiu R$ 173,1 bilhões, equivalente a 1,82% do PIB.

Em 2021, as contas públicas fecharam o ano com superávit primário de R$ 64,7 bilhões, 0,75% do PIB. Foi o primeiro ano de resultados positivos nas contas do setor público, após sete anos de déficit. Em 2020, as contas públicas tiveram déficit primário recorde de R$ 702,950 bilhões, 9,41% do PIB, em razão de gastos com a pandemia da covid-19.

Déficit

O desempenho dos governos estaduais, que registraram déficit em outubro último, foi bem inferior ao superávit de R$ 6,6 bilhões obtido em outubro de 2021. A explicação, segundo Fernando Rocha, é a queda na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), tributo exclusivo dos estados, e que sofreu uma redução de alíquota para alguns setores essenciais, como combustíveis, energia e telecomunicações por força de uma Lei Complementar aprovada em julho desse ano.

“Um aspecto importante para explicar o resultado é a redução de receitas, dado que a arrecadação do ICMS, ajustada pela inflação, ou seja, em termos reais, caiu 12,1% na comparação de outubro de 2021 com outubro de 2022”, explicou Rocha.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Bolsa Família: saiba a diferença entre assistencialismo e assistência social

Publicado

em

Bolsa Família – Foto: LIDIANNE ANDRADE/MYPHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Conforme noticiou há alguns dias o jornal O Globo, no primeiro dia de negociação direta de integrantes do futuro governo em Brasília a equipe de transição bateu o martelo que o caminho para garantir o Bolsa Família de R$ 600 será via proposta de emenda à Constituição (PEC), com a chamada “PEC da Transição”. O modelo, de maior segurança jurídica, retira o Bolsa Família do teto de gastos, o que deve alterar de modo permanente a regra fiscal que limita o crescimento das despesas públicas, segundo parlamentares do partido.

Tocando no ponto teto de gastos, a possibilidade de furo tem preocupado o mercado. Voltando ao ponto do benefício pago às famílias, mas sem julgar o mérito de necessidade ou não desses pagamentos, o investidor André Janeiro Dias comentou que uma outra análise que pode ser feita dessa questão é bem mais complexa.

Para exemplificar, ele usou suas redes sociais para explicar a diferença entre assistencialismo e assistência social.

“Assistência Social é uma política pública, assim como a Saúde e a Educação. Trata-se de um dever do Estado e um direito de todo o cidadão que dela precisar. No caso aqui o assistente social busca incentivar e ajudar as pessoas a empreender, estudar, produzir e criar riqueza”, iniciou.

“Já o assistencialismo se refere à doação e à troca de favores. O que vai totalmente contra o objetivo da política de Assistência Social, que é a garantia de direito à proteção social a seus usuários. Em linhas gerais, o assistencialismo trata-se de caridade e a assistência social”, emendou.

Foto: Divulgação MF Press Global

Segundo André (foto), o assistencialismo deve ser visto como um problema, pois faz um trabalho paliativo, ou seja, o problema é resolvido de forma temporária. Contribui, inclusive, para perpetuar a troca de favores e manter quem está no poder. Já a Assistência Social, também segundo ele, funciona como o contrário porque trabalha em técnicas e cientificidade. André reforça que há entendimento e acompanhamento especializados para que os usuários enfrentem situações de risco e vulnerabilidade social e adquiram protagonismo em suas vidas. Assim, não precisem mais de caridade.

“Alguns governos sempre usam o assistencialismo como arma para escravizar a população mais pobre, enquanto isso se perpetuam no poder e enriquecem o bolso de políticos corruptos. A solução do Brasil é clara: gerar estudo, incentivar as pessoas a produzir. O assistencialismo gera comodidade, faz com que a população não saia da zona de conforto e em paralelo quebra o país. Um país que não produz e gera riquezas, não gera impostos e tende à falência, começando pelas empresas estatais”, finalizou.


Por MF Press Global

Comentários

Continue lendo

Em alta