Cerimônia de posse ocorreu nesta terça-feira (18) em Rio Branco.
Wolvenar Camargo assume o cargo de assessor especial do governo.

Do G1 AC

Wolvenar Camargo foi empossado nesta terça-feira (18) para o cargo de assessor especial de governo (Foto: Caio Fulgêncio/G1)
Wolvenar Camargo foi empossado nesta terça-feira (18) para o cargo de assessor especial de governo
(Foto: Caio Fulgêncio/G1)

O ex-secretário de Obras Públicas do Estado do Acre, Wolvenar Camargo, foi empossado no cargo de assessor especial do governador Tião Viana, nesta terça-feira (18) em Rio Branco. Camargo é suspeito de participação em esquema de fraudes de licitações públicas que culminou com a Operação G-7, deflagrada pela Polícia Federal (PF) em maio do ano passado. Ele esteve preso durante 40 dias.

Na posse de Camargo, esteve presente boa parte da equipe de governo. Para Tião Viana, governador do estado, a nomeação foi feita para tentar reparar a dignidade de Camargo. “Esse homem teve dilacerada a sua dignidade e nós temos o dever, como quem acredita na Justiça e na dignidade humana, de tentar restituir o que for possível”, afirma.

Já Wolvenar, encara o momento como um recomeço. Para ele, tudo o que viveu foi uma injustiça. “O que foi feito com a gente foi uma injustiça, depois de 10 meses desse processo, até então, não tem nada que comprove, não existe nenhuma denúncia contra a gente. Agora a justiça está sendo feita e esperamos que esse processo possa ser concluído e que seja provada a nossa inocência”, desabafa.

Em relação ao tipo de trabalho que vai desempenhar, o ex-secretário diz que vai assessorar Tião Viana em qualquer área, dependendo da necessidade. “Eu sou da área de obras, sempre posso assessorar nessa área. Não só nessa, como em qualquer outra que precisar. Estou pronto para poder atender as demandas do governador”, diz Camargo.

O governador deixou claro ainda, o interesse de devolver a Secretaria de Obras Públicas a Camargo. “Na hora que esse processo for definitivo, se depender de mim, e se Deus quiser dependerá, eu devolverei o cargo de secretário de Obras Públicas do Acre para ele”, acrescenta.

Entenda o caso
A Operação G-7 foi deflagrada pela Polícia Federal em maio de 2013 e investiga fraudes em licitações públicas. Foram cumpridos 34 mandados de busca e apreensão e 15 de prisão. Dentre os presos estavam servidores do governo, o secretário de Obras do estado, o secretário adjunto de Gestão Municipal, o sobrinho do governador do Acre, além de empreiteiros.

 

Comentários