terça-feira, maio 11, 2021
More
    InícioBrasilEstudo aponta que vacinas da Pfizer e da Moderna são seguras para...

    Estudo aponta que vacinas da Pfizer e da Moderna são seguras para grávidas

    -

    Apesar dos resultados positivos, pesquisadores ainda apontam a necessidade de pesquisas de longo prazo e com mulheres vacinadas no início da gravidez

    Das 978 grávidas ou no pós-parto diagnosticadas com o novo coronavírus no Brasil entre os dias 26 de fevereiro e 18 de junho, 124 morreram
    Foto: Divulgação

    Angela Dewan, da CNN

    As vacinas Pfizer/BioNTech e Moderna não parecem representar nenhum risco sério para grávidas, segundo análise preliminar com dados de americanos.

    As primeiras descobertas oferecem alguma segurança para as gestantes nos Estados Unidos e podem ajudar outros países a tomarem decisões sobre como incluí-las nos programas de vacinação.

    A análise foi feita apenas com as vacinas da Pfizer e da Moderna, ambas baseadas em tecnologia de mRNA, de modo que as descobertas não são relevantes para vacinas que usam vírus inativado ou vetor viral, como a AstraZeneca e a Coronavac, que são aplicadas no Brasil, e a Johnson & Johnson.

    Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), autoridade americana da saúde, aconselham que as vacinas de Covid-19 sejam oferecidas às grávidas, mesmo que não haja dados suficientes de estudos relacionados a esse público. A autoridade enfatiza que “dificilmente” as vacinas representarão “algum risco específico”.

    Alguns países, porém, optaram por excluir as grávidas de seus programas. O Reino Unido é um deles, mas recentemente mudou de posição sobre o assunto e agora está disponibilizando as vacinas da Pfizer e da Moderna para grávidas.

    As autoridades de saúde em todo o mundo alertaram que mulheres grávidas têm maior risco de apresentar quadros graves e problemas como parto prematuro quando contaminadas com o coronavírus. Os novos dados e as pesquisas já existentes mostram que as vacinas de mRNA são eficazes em mulheres grávidas ou que estão amamentando. Os benefícios das vacinas superam os riscos.

    A pesquisa, publicada na quarta-feira (21) no New England Journal of Medicine, analisou os dados de mais de 35 mil grávidas que tiveram acompanhamento dos CDC via dispositivos como aplicativos para smartphone.

    No grupo havia 3.958 grávidas que receberam uma vacina de mRNA. Nele, o número de casos de perda do bebê e partos prematuros não era significativamente maior do que o registrado em pessoas que não haviam recebido a vacina.

    Na verdade, o estudo descobriu que as grávidas vacinadas experimentaram sintomas pós-inoculação com menos frequência, incluindo dores de cabeça ou musculares, calafrios e febre. O efeito colateral mais comum foi dor no local da injeção, que pareceu ocorrer com mais frequência em mulheres grávidas.

    Os pesquisadores dizem que mais estudos de longo prazo são necessários para avaliar a segurança da vacina Covid-19 durante a gravidez e que é preciso incluir o acompanhamento de uma grande população que é vacinada no início da gravidez.

    Comentários

    Comentários