medicina 2 

Estudantes de medicina no Paraguai e comprometidas com a luta pela validação dos diplomas de estudantes brasileiros que estudam no exterior, Assussena Alencar e Ana Cácia de Souza estiveram na quarta-feira, 23, da semana passada em Rio Branco e aproveitaram para visitar o gabinete do deputado federal Alan Rick (PRB) no Estado e agradecer o apoio que ele tem dado à causa no Congresso Nacional.

Graças a uma ação do deputado em outubro deste ano, o senador Otto Alencar (PSD/BA) retirou do seu relatório ao Projeto de Lei 138/2012, a emenda que exigia dos estudantes brasileiros que estudam medicina no exterior uma residência médica de dois anos no país em que concluíram o curso ou em um terceiro país, antes da aplicação do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Universidades Estrangeiras (Revalida) no Brasil.

A medida não beneficia apenas estudantes acreanos que estudam na Bolívia ou outros países, mas brasileiros de todos os Estados. Só no Acre são cerca de quatro mil estudantes e em todo país esse número é superior 20 mil estudantes que estudam em vários países, a maioria no Mercosul.

“Essa é uma grande conquista para os estudantes de medicina no exterior e seus familiares. E o apoio do deputado Alan Rick foi fundamental para que possamos concluir nosso curso e termos a garantia de fazermos o Revalida sem precisar fazer mais dois anos de estudos no exterior”, disse Asssussena.

As estudantes também receberam do parlamentar a garantia de que lutar, no Congresso Nacional, pela realização do exame do Revalidada duas vezes por ano, facilitando assim o acesso ao processo aos alunos que concluem seus cursos no primeiro e no segundo semestre.

“Sabemos da dificuldade que é, tanto emocional como financeira, para esses estudantes conseguirem concluir o curso longe de seus lares, família e amigos. E aumentar mais dois anos a permanência deles no exterior seria acabar com o sonho de milhares de pessoas. E esses médicos têm muito a oferecer ao Acre e ao Brasil. Nós também iremos lutar para que eles possam ter a garantia de dois exames de Revalida por ano, aumentando assim suas chances de poder atuar no mercado brasileiro logo após a conclusão do curso no exterior”, disse Alan Rick.

Comentários