Difíceis e angustiantes. É assim que o pai da adolescente Amanda Gomes, de 14 anos, descreve os dias desde que a filha sumiu .

Amanda Gomes continua desaparecida após oito dias (Foto: Arquivo da família)

Os dois amigos foram encontrados mortos e a jovem continua desaparecida. Amanda Gomes desapareceu no último dia 7 após sair da Expoacre com os amigos Isabele Silva e Vitor Vieira.

 Com Aline Nascimento, G1 AC, Rio Branco

A garota desapareceu no último dia 5, quando saía da feira agropecuária de Rio Branco com os amigos Isabele Silva Lima, de 13, e Vitor Vieira de Lima, de 18 anos.

Dois dias depois, o corpo do rapaz foi encontrado dentro de um poço no bairro Taquari, onde os três moravam. Lima tinha várias perfurações pelo corpo e estava com as mãos amarradas. Na quinta (9), o corpo de Isabele foi achado em um matagal do mesmo bairro onde estava o corpo de Vitor.

“Esperança é que a polícia encontre ela com vida. Até o momento o corpo não foi encontrado, então, minha filha está viva e é muita angústia, não só para mim, mas para os familiares todos. Estou há uma semana sem ir para o trabalho, não tenho condições”, contou o pai da jovem, que pediu para não ser identificado.

O homem disse também que a família suspendeu as buscas, mas que procurou no bairro durante vários dias pela jovem. Ele reclamou ainda dos trabalhos feitos pela polícia

“Vimos umas três viaturas aqui pelo Taquari só, mas como a gente estavam fazendo dentro do mato foi só a família que fez. Paramos porque pediram para parar que poderia prejudicar, mas não tem mais por onde a gente procurar aqui no bairro”, falou.

Menina tranquila

Ainda segundo o pai, Amanda é uma menina tranquila e não costumava sair só. No dia de visitar a exposição, o pai falou que Amanda disse que iria com uma pessoa maior de idade, além de Vitor, mas mentiu para a mãe. Amanda mora apenas com a mãe, porque os pais são separados há 14 anos.

“Não é porque é minha filha, mas a rotina dela era escola, célula, igreja e ficar aqui em frente da casa da mãe dela. Final de tarde se reuniam lá em uma rodinha. Nem namorado minha filha tinha, até moça ela é. Então, em questão de se envolver com gente que não presta, ela não andava. Foi a primeira vez que saiu só e era para ter ido com um adulto, mas desencontrou dessa pessoa e foi com esse rapaz”, lamentou.

Conforme o parente, a família tem recebido ligações anônimas informando o paradeiro da garota. O pai revelou também que não consegue comer direito e só quer a filha de volta

“É uma angustia tão grande. Recebi uma ligação restrita, perguntou se era eu e disse que minha filha estava no Recanto dos Buritis. Fui lá com meu carro, rodei até às 3h da tarde e nada. Pessoas sem piedade se aproveitam da situação e ficam brincando com o sentimento dos outros. É muito difícil para gente. É uma situação que não desejo para ninguém”, diz.

Investigações

O coordenador da Delegacia de Homícido e Proteção à Pessoa (DHPP), delegado Rêmulo Diniz, contou que as investigações do caso estão sob sigilo. Diniz apenas detalhou que tem uma equipe destacada exclusivamente para o caso e já foram feitas buscas em três pontos.

“Foram pontos indicados via denúncia 181 e buscamos que a população colabore. Não logramos êxito em encontrar nem o corpo e nem a pessoa, mas esperamos que ela esteja viva e estamos em campo”, acrescentou.

O delegado disse também que continua ouvindo testemunhas e familiares para buscar informações do paradeiro. Diniz não quis falar qual a principal linha de investigação da polícia.

“Temos recebido algumas informações desencontradas, mas não podemos descartar nenhuma possibilidade. Trabalhamos com a possibilidade dela estar viva até os últimos instantes, até porque é uma jovem e não tem qualquer história. Esperamos ter um desfecho feliz sobre isso”, concluiu.

Comentários