Conecte-se conosco

Geral

Escolas particulares no Acre pretendem iniciar ano letivo de 2021 em fevereiro com ensino presencial

Publicado

em

Diferente das escolas públicas do estado, a maioria das instituições particulares de ensino já concluiu o ano letivo de 2020 e algumas devem concluir até o próximo dia 28 de janeiro. Com isso, a previsão é que as aulas do ano letivo de 2021 sejam retomadas até 8 de fevereiro, já com todas as escolas adotando o ensino híbrido, ou seja, com aulas remotas e presenciais.

_________________

A informação foi confirmada pela vice-presidente do Sindicato das Escolas Particulares, Elândia Dantas.

_________________

Segundo ela, logo após o decreto governamental que autorizou o retorno das aulas presenciais, ao menos 16 escolas voltaram com essa modalidade e as demais permaneceram com o ensino à distância.

Nesse primeiro momento, as escolas que voltaram adotaram o que previa o decreto, que era funcionar com um percentual de 30% da capacidade de alunos e seguindo todos os protocolos de segurança.

Agora, a previsão é que no início do ano letivo de 2021, todas as escolas particulares adotem esse sistema híbrido e voltem com as atividades semipresenciais. Mas, segundo a sindicalista, essa decisão é de cada instituição e leva em consideração a opinião de toda comunidade escolar.

“Até o dia 28 de janeiro, todas as escolas particulares concluem o ano letivo de 2020. Mas já estamos fazendo as matrículas de 2021, uma vez que muitos alunos já fecharam por média e estão de férias. Agora, as escolas estão oferecendo só o processo de recuperação. Algumas escolas vão começar as aulas de 2021 no dia 18 de janeiro e outras até 8 de fevereiro. Todas estão se organizando para voltar de forma semipresencial, seguindo o decreto com 30% da capacidade”, afirmou Elândia.

Cronograma na rede estadual de ensino

Os mais de 160 mil alunos da rede pública estadual devem voltar às salas de aulas no mês de março para conclusão do ano letivo de 2020. A previsão foi confirmada pelo secretário Estadual de Educação, Mauro Sérgio, em entrevista ao Jornal do Acre.

As aulas presenciais na rede pública estão suspensas desde o dia 17 de março, na semana em que o Acre confirmou os três primeiros casos de Covid-19. Desde então, os alunos têm acesso ao conteúdo escolar pela internet por videoaula, pelo rádio com audioaula, pela televisão e também pelo material impresso adquirido nas escolas.

Em meio à pandemia, os alunos da rede pública estadual concluíram em 2020 os 1°, 2° e 3° bimestres, por meio do ensino remoto. Agora, eles e os professores estão em recesso. Conforme o cronograma, no início de fevereiro deste ano as aulas vão voltar ainda de forma remota para os últimos ajustes e em março, ainda para a conclusão do 4° bimestre do ano letivo de 2020, os alunos voltam a ter aulas presenciais.

Nesse primeiro momento, segundo o secretário, as aulas vão ocorrer de forma híbrida. As salas vão ser divididas por lista de chamadas, para evitar aglomeração e garantir o distanciamento sociais.

No mês de abril, as escolas voltam a ter recesso, agora para que sejam realizadas as matrículas e rematrículas dos estudantes. Ainda de acordo com o cronograma, no mês de maio é iniciado o ano letivo de 2021, com aulas presenciais.

O secretário informou ainda que a previsão é que a conclusão do ano letivo de 2021 ocorra em dezembro, ainda com sistema de 800 horas/aula no lugar de 200 dias letivos, o que foi flexibilizado por conta da pandemia.

Fases para retomada das aulas presenciais

Primeira fase: pode ter início a partir de 16 de novembro de 2020. Nesta fase será permitida a retomada parcial das aulas e demais atividades presenciais do 5º e 9º anos do ensino fundamental; 3º ano do ensino médio, bem como educação infantil; creches; alunos com vulnerabilidades; alunos com dificuldade de aprendizagem e/ ou acesso ao ensino remoto; e atividades práticas laboratoriais do ensino superior.

Segunda fase: pode ter início 21 dias após o dia 16 de novembro, e na qual serão permitidas, em maior grau do que na primeira fase, a retomada das aulas e demais atividades presenciais das séries previstas na fase anterior, assim como a retomada parcial das demais séries do ensino fundamental e médio.

Terceira fase: pode ter início 60 dias após o dia 16 de novembro, e na qual serão permitidas, em maior grau do que na segunda fase, a retomada das aulas e demais atividades presenciais do ensino fundamental e médio, assim como a retomada das aulas e demais atividades presenciais das escolas técnicas e de ensino superior.

Comentários

Geral

Policiais Civis do Acre passam por curso de capacitação para manuseio de carabina

Publicado

em

A Polícia Civil do Acre (PCAC), por meio da Academia de Polícia Civil (Acadepol), realizou nos dias 24 e 25 de janeiro deste ano, a 1ª edição do curso Operador de Carabina para um grupo de dez policiais civis que atuam nas delegacias especializadas de Rio Branco.

A capacitação envolveu aulas teóricas e práticas e tem como objetivo capacitar o agente de segurança pública para o correto uso de carabina, composto por técnicas avançadas de aplicação e manuseio do equipamento.

A capacitação continuada é uma diretriz do Delegado-geral José Henrique Maciel, e implementada através da Acadepol, buscando otimizar o serviço prestado à sociedade acreana por meio de policiais cada vez mais qualificados.

De acordo com o delegado e diretor da Acadepol, Fabrizzio Sobreira, esta semana foi concluído o curso com a primeira turma de operadores de carabina e uma segunda turma já está agendada para os próximos dias. “Esse curso ofertado pela PCAC possibilita a ampliação do conhecimento de técnicas policiais, ao passo que a população do Acre ganha em ter à disposição agentes de segurança qualificados”, disse.

Comentários

Continue lendo

Geral

Gladson encontra Lula e pede Casas Populares, recuperação da BR-364 e solução para internet

Publicado

em

O governador Gladson Cameli (PP) apresentou na manhã desta sexta-feira, 27, no Palácio do Planalto, em Brasília, ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), três projetos prioritários do Acre visando apoio do governo federal – o primeiro trata da recuperação e manutenção da BR-364, o segundo, se refere a construção de casas populares e por último, a implantação da Infovia, que interligará o Estado via Internet de alta qualidade.

O chefe do executivo acreano fez questão de defender a indicação desses projetos já na reunião do Fórum de Governadores, realizada no fim da tarde de quinta-feira, 26, na capital federal. O objetivo do encontro entre os governantes foi reunir as prioridades dos estados e alinhar as reivindicações conjuntas a serem entregues para o chefe do Palácio do Planalto, Lula.

Cameli destacou que as propostas visam buscar o desenvolvimento do estado na locomoção da população aos municípios e a melhora na qualidade de rede de internet – um dos problemas mais recorrentes nos últimos anos enfrentado pela sociedade civil e empresários. “Priorizamos a BR-364, as casas populares e a Infovia em virtude da necessidade, urgência e importância para avançar no desenvolvimento do Estado e para melhorar a vida das pessoas, que é o objetivo do meu governo”, declarou Cameli.

Proposta conjunta

Já do Fórum, os governadores também debateram, entre as propostas conjuntas a serem entregues ao presidente Lula, a busca de soluções para a recuperação das perdas de arrecadação do ICMS causadas pelas leis complementares 192 e 194, de 2022, que, na prática, reduzem o imposto incidente, por exemplo, sobre combustíveis.

 

Por Saimo Martins do AC24HORAS

Comentários

Continue lendo

Geral

Governo nomeia Francisca Arara como Assessora Especial Indígena

Publicado

em

Uma grande liderança reconhecida na representatividade nacional e internacional na defesa dos povos indígenas, Francisca Arara, do povo Arara, foi nomeada nesta quinta-feira, 26, como Assessora Especial Indígena no Gabinete do governador Gladson Cameli.

Aos 44 anos, Francisca tem uma militância de mais de 20 anos em pautas relacionadas às políticas públicas dos povos indígenas, mudanças climáticas e gestão territorial. Ela relata que está emocionada e que agora vai poder ajudar nas pautas indígenas com uma participação direta junto ao Gabinete do governador.

Francisca Arara é nomeada para ser Assessora Especial Indígena no Gabinete do governador Gladson Cameli. Foto: Arquivo pessoal

“Para mim, é uma honra, como mulher indígena, do povo Arara, poder contribuir com o nosso estado. Já atuei nacionalmente e internacionalmente e agora vou ajudar o nosso Acre. Trabalhando diretamente no Gabinete do governador, vou ter mais proximidade e conversar com ele sobre os problemas e soluções relacionados aos povos originários. O nosso Estado vai estar dialogando diretamente com os povos indígenas e, para mim, é uma satisfação e estou muito emocionada”, destaca.

O governador falou da importância de ter uma liderança para trabalhar junto ao governo na condução e elaboração de políticas direcionadas aos povos originários: “Vejo a Francisca Arara como uma mulher forte, uma liderança feminina que agora vai nos ajudar e trabalhar na condução das políticas públicas do Acre. O Estado precisa de lideranças como ela, e agora estaremos caminhando juntos para fortalecer ainda mais o trabalho que já estávamos fazendo”.

Gladson falou ainda da necessidade de debates voltados aos povos indígenas e afirmou que a pauta climática precisa ser prioridade. “Queremos o Estado dialogando diretamente com os povos indígenas e, com a Francisca trabalhando ao nosso lado, vamos poder tratar essa pauta mais de perto”.

A liderança disse ainda que pretende contribuir ainda mais e que tem uma boa relação com os povos indígenas.

Foto: Arquivo pessoal

“Falei para o governador que não era a minha intenção, mas que estava aberta a contribuir, porque tenho uma relação boa com as demais lideranças, com os parceiros e com a equipe do governo. Disse que a gente poderia fazer um bom trabalho, se tiver esse trabalho sincero por parte do Estado nesses quatro anos de governo para com os povos originários, é o que a gente mais sonhou na nossa vida, ter um lugar dos povos indígenas para que a gente possa ter mais autonomia”, acrescentou.

A secretária de Estado do Meio Ambiente e das Políticas Indígenas, Julie Messias, falou que a escolha de Francisca Arara foi assertiva e que a liderança vai somar no que diz respeito ao diálogo entre Estado e povos indígenas.

“O nome da Francisca vai estabelecer ainda mais o diálogo entre o Estado e os povos indígenas e vai ajudar a desenhar as políticas públicas. A Francisca Arara tem um papel fundamental nesse processo, que é o de estar dentro de um espaço de governo como uma mulher indígena e criando um ambiente de diálogo onde se entenda quais são as reais demandas dos povos e o que é necessário para que o Estado possa trazer para o ambiente das políticas públicas”, disse Messias.

Julie lembrou ainda do trabalho em conjunto que Francisca teve na criação do Comitê Regional para Parcerias com Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais da Força-Tarefa dos Governadores para Clima e Floresta.

“Nós participamos da criação do comitê para o estreitamento de parcerias com povos indígenas e povos de comunidades tradicionais da força-tarefa dos governadores. Ela é uma liderança fundamental que tem apoiado, inclusive, a criação dos demais comitês dos outros países, dos outros entes subnacionais que integram essa importante iniciativa da força-tarefa e a nível de Brasil. Nós criamos o comitê regional com um grupo atuante de representação de indígenas dos nove estados da Amazônia Legal”.

Quem é Francisca?

Francisca Arara tem 44 anos e atua na causa indígena há mais de 20 anos. Ela é do povo Arara, aldeia Foz do Nilo, localizada no município de Porto Walter, distante 640 quilômetros da capital acreana. Começou sua carreira como professora ensinando os indígenas de sua aldeia quando ainda tinha 11 anos. Foi presidente da Organização dos Professores Indígenas do Acre (Opiac) entre 2005 a 2019. Foi assessora Política da Associação do Movimento dos Agentes Agroflorestais Indígenas do Acre (Amaaiac). É licenciada em pedagogia em ciências da natureza pela Universidade Federal do Acre (Ufac) no Campus Floresta, em Cruzeiro do Sul.

É conhecida nacionalmente e internacionalmente pelo seu engajamento na pauta de mudanças climáticas e no movimento indígena e tem levado para o mundo ideias de governanças para as pautas das políticas públicas direcionadas aos povos indígenas e políticas socioambientais do Acre.

Já atuou no Instituto de Mudanças Climáticas (IMC) e ajudou na retomada da Câmara Temática Indígena (CTI), importante instância de governança dentro da Comissão de Validação e Acompanhamento (Ceva), do Sistema de Incentivos a Serviços Ambientais (SISA). A liderança também atuou no Grupo de Trabalho Técnico de Salvaguarda na Comissão Nacional para REDD+ e foi membra titular do Projeto Florestas+, ambos do Ministério de Meio Ambiente (MMA).

Comentários

Continue lendo

Em alta