fbpx
Conecte-se conosco

Acre

Escola do Poder Judiciário lança inédita Plataforma de Informações em Tempo Real

Publicado

em

Além da transparência, iniciativa contribui para um maior desempenho e na tomada de decisões do Órgão de Ensino.

Aprimorar a gestão de informações estratégicas com agilidade e transparência. Com essa visão, a Escola do Poder Judiciário do Acre (Esjud) lançou a plataforma “Esjud em Números”. A ferramenta já está disponível no Portal do Órgão de Ensino (veja aqui), onde poderá ser acessada em caráter permanente, 24 horas por dia, na página principal do site.

Diretor do Órgão de Ensino, o desembargador Elcio Mendes assinalou que com essa iniciativa a Escola alcança a automação de todas as informações do setor. “É uma mudança de paradigma, que permite saber tudo o está sendo feito e até o que ainda será executado na Escola em tempo real. Isso possibilita uma visão mais precisa e detalhada acerca de todos as etapas realizadas. Trata-se de uma inovação que colabora diretamente para uma maior eficiência da nossa atuação, com o contínuo aprimoramento da atividade judiciária”, disse.

Ao dar mais este passo rumo à modernização, a Esjud manifesta o compromisso com a transparência e qualidade dos serviços oferecidos a magistradas(os), servidoras(es) e sociedade, lançando mão da tecnologia, da agilidade e da eficácia nas rotinas de produção.

Qualquer pessoa pode ter acesso aos dados consolidados, atualizados ao vivo, com o desempenho das atividades. O sistema otimiza os processos, reduzindo tempo e custos, como também eleva a eficiência operacional.

Business Intelligence

O “Esjud em Números” foi concebido com o uso do Business Intelligence (BI), que compreende um conjunto de práticas e tecnologias para proporcionar a coleta, análise, integração e apresentação de dados e informações relevantes para a tomada de decisões em organizações públicas e privadas.

O BI permite transformar números brutos em leituras refinadas, com percepções concretas, que facilitam a antecipação de tendências, a identificação de métricas, bem como a definição de padrões destinados a uma gestão mais eficaz.

Planejamento e execução

Para se ter uma ideia, nos quatro primeiros meses de 2024 a Esjud já obteve quase 10 mil inscrições em capacitações, e o recorde de mais de 3.500 mil certificações em menos de cinco meses. De acordo com Breno Cavalcante, gerente de Planejamento da Escola, responsável pela criação do mecanismo, o “Esjud em Números” combina a “análise empresarial, mineração e visualização de dados, ferramentas/infraestrutura e práticas recomendadas para ajudar as organizações a tomar decisões impulsionadas por dados.

Em termos práticos, de acordo com o profissional, “a moderna tecnologia digital oferece uma visão abrangente de todos os dados do setor, utilizando-os gerar mudanças positivas, adaptar-se rapidamente às mudanças ou até eliminar a ineficiência e em alguma etapa da cadeia de fornecimento”, completou.

Os painéis

Foram criados cinco painéis que permitem aos públicos interno e externo acompanhar em tempo real tudo o que acontece na Escola, como a quantidade de certificações e de cursos oferecidos, o número de vagas, áreas de atuação, datas de realização, carga horária, etc.

Os painéis ajudam na tomada de decisão para ações da Escola como divulgação, certificação, controle de evasão e outros. São atualizados três vezes ao dia, permitindo uma tomada de decisão mais precisa, bem como a transparência dos dados.

Painel 1

Dados gerais, onde é possível clicar em cada curso, e verificar o detalhamento quantitativo da ação. Também possibilita a busca pelo nome específico.

Painel 2

Com todos os cursos presenciais e em EaD.

Painel 3

Com todos os cursos autoinstrucionais.

Painel 4

Com as formações relacionadas ao Prêmio de Qualidade do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Painel 5

Com os cursos que estão com as inscrições abertas.

 

Fonte: Tribunal de Justiça – AC

Comentários

Continue lendo

Acre

Acre passa de 100 focos de queimadas em 2024, índice 200% maior que o ano passado

Publicado

em

Por Raimari Cardoso

Em 2023, de 1º de janeiro até 22 de junho, o Acre havia registrado 36 focos de queimadas, segundo o banco de dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Inpe. No ano em curso, no mesmo período, já ocorreram 108 focos de queimadas no estado, 200% acima da quantidade detectada no ano passado pelo satélite de referência.

Apesar disso, entre todas as unidades da federação, o estado é o 22º colocado nesses números. Considerando a região Norte, o Acre fica na 6ª colocação, à frente apenas do Amapá, que tem 7 focos de queimadas registrados até o momento. Roraima é o estado com a maior quantidade de queimadas em 2024 no Norte, com 4.627, e o segundo do país, atrás do Mato Grosso, que tem 8.118 focos.

 

Como vem ocorrendo frequentemente, Feijó é o município acreano que mais produz focos de queimadas, de acordo com os dados do Inpe. Até o momento são 15, com Cruzeiro do Sul vindo logo em seguida, com 14. Sena Madureira, com 10, Tarauacá com 9 e Xapuri com 8 focos, completam a lista dos cinco com mais registros até o momento.

Quando se trata do país, o Brasil registra recorde de queimadas em 2024, com 32.920 focos, atrás apenas da Venezuela, que tem 38.106 focos até o momento. O primeiro quadrimestre do ano já havia sido o pior da série histórica em relação ao número de queimadas e incêndios florestais. Foram registrados 17.182 focos de incêndio em todo o país de janeiro a abril.

Para o Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA), a alta significativa das queimadas em 2024 está diretamente associada aos efeitos do fenômeno El Niño no clima nacional, o que resultou em condições secas e temperaturas mais elevadas em boa parte do Brasil.

Emergência no Acre

No último dia 11 de junho, o governo do Acre decretou situação de emergência ambiental em todos os 22 municípios do estado. A medida está prevista no Decreto Estadual nº 11.492, publicado no Diário Oficial do Estado, e vigora até 31 de dezembro.

No ano passado, o documento colocou como prioritárias as dez cidades com maior incidência de ilícitos ambientais. Os motivos apontados em relatórios técnicos da Sema para a ampliação são a previsão do baixo volume de chuvas e nível dos rios, o risco de incêndios florestais e possíveis prejuízos sociais e econômicos.

A coordenação e a articulação interinstitucional dos órgãos e entidades estaduais para a definição de estratégias de prevenção e de combate ao desmatamento e incêndios ficaram a cargo da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

Comentários

Continue lendo

Acre

Vídeo: Acaba greve de professores de universidades e institutos federais

Publicado

em

Por

Após mais de dois meses parados, professores de universidades e institutos federais aceitaram a proposta do governo Lula e decidiram encerrar a greve.

Paralisação também foi suspensa por técnicos dos institutos federais, mas ainda está mantida pela categoria nas universidades. A Fasubra, que representa a maioria desses servidores, informou ao UOL que fará uma nova reunião com o comando de greve amanhã (24) para decidir os próximos passos.

As aulas só retornarão ao normal após a assinatura dos termos de acordo com o governo federal. A previsão é de que isso ocorra na quarta-feira (26). Sindicatos das categorias realizaram assembleias neste domingo.

O fim da greve nos institutos federais teve hoje 89 votos favoráveis, 15 contrários e 6 abstenções. A plenária foi organizada pelo Sinasefe (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica). Servidores que atuam nos colégios federais, como o Pedro II, no Rio de Janeiro, também estão incluídos neste grupo.

Parte dos servidores das universidades já havia decidido na última semana a abandonar a greve, hoje completou 69 dias. Até quarta-feira (19), docentes das federais de Brasília, do Paraná e do Rio Grande do Norte já haviam decidido voltar ao trabalho.

Ainda que insuficiente, a força da greve proporcionou conquistas importantes e fortalece a categoria em sua capacidade de mobilização e qualidade de vida
Gustavo Seferian, presidente do Andes (o Andes (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior) e professor na UFMG

A proposta do governo

Aos técnicos-administrativos, o governo propôs um reajuste salarial de 9% em janeiro de 2025 e 5% em abril de 2026. Também há melhorias para valorização da carreira.

Os professores também aceitaram a proposta de reajuste salarial para 2025 e 2026. Cada nível profissional tem uma porcentagem diferente.

Continua após a publicidade

O governo Lula propôs também mudar a carga horária e o registro de ponto eletrônico. O objetivo é revogar a portaria 983/2020, editada pelo governo Jair Bolsonaro (PL), que ampliou a carga horária mínima semanal.

Segundo os professores, a medida prejudicou a pesquisa e a extensão. A norma atual obriga o docente a cumprir o mínimo de 14 horas semanais —se tempo integral—, ou 10 horas em tempo parcial.

O governo também abriu os cofres para incentivar o fim da greve. Lula prometeu destinar R$ 5,5 bilhões em investimentos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) para centros e hospitais universitários.

Lula: ‘Não tenho medo de reitor’

Lula (PT) disse em evento no Maranhão, que não “tem medo de reitor”. “Vocês estão lembrados de um presidente que nunca recebeu um reitor na vida dele? Nunca recebeu um reitor. Eu, em apenas um ano e sete meses, já convidei duas reuniões de todos os reitores do Brasil, das universidades e dos institutos federais, porque eu não tenho medo de reitor”, disse Lula.

Continua após a publicidade

Em seguida, ele brincou com o dedo amputado em torno mecânico, quando ele ainda era metalúrgico. “E esse dedo que falta não foram eles [os reitores] que morderam. Esse dedo eu perdi numa fábrica”, disse. “Quero ter uma relação mais democrática possível.”

O presidente tem se queixado da greve. Lula já disse não ver motivo para a greve “durar o que está durando” e, numa solenidade no começo do mês, falou dos investimentos em infraestrutura nas instituições de ensino federais.

Comentários

Continue lendo

Acre

Desligamento de energia pelo whatsApp não é fake; serviço pode ser solicitado

Publicado

em

O aviso de desligamento programado pelo WhatsApp é disponibilizado a todos os clientes que precisam apenas realizar a atualização cadastral

Energisa informa os clientes com 72 horas de antecedência. Nos avisos de desligamento programado, são informadas as regiões que receberão a melhoria. Foto: internet

Nos últimos dias, a informação de aviso de desligamento programado de energia pelo aplicativo WhatsApp virou dúvida em grupo de conversa por suspeita de fake news ou golpe.

A reportagem procurou a Energisa, empresa responsável pela distribuição da energia no Acre, e esclareceu que o serviço realmente existe.

O aviso de desligamento programado pelo WhatsApp é disponibilizado a todos os clientes que precisam apenas realizar a atualização cadastral e informar um número de telefone para poder receber os avisos com antecedência e se programar para a melhoria na rede elétrica.

Os ‘desligamentos programados’ são interrupções no fornecimento de energia de forma programada e regulada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Para realizar manutenções preventivas e obras em algumas situações, por questão de segurança, é necessário realizar a interrupções no fornecimento de energia de forma programada programado.

Antes de realizar o desligamento da rede elétrica, a Energisa informa os clientes com 72 horas de antecedência. Nos avisos de desligamento programado, são informadas as regiões que receberão a melhoria, a hora de início e previsão do horário de finalização do serviço, que pode retornar antes do previsto.

Para receber os avisos pelo WhatsApp, é preciso atualizar o cadastro em um dos canais oficiais de atendimento:  energisa.com.br, Aplicativo Energisa On ou pelo WhatsApp (Gisa): (68) 99233-0341 e escolher a opção “atualizar dados”.

Comentários

Continue lendo