fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Empréstimo consignado tem reajuste após aumento de benefícios do INSS

Publicado

em

Com o aumento dos benefícios do INSS, consignado tem reajuste
MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL-29/07/2022

Com os novos valores, que começam a ser pagos nesta quarta (25), a margem que pode ser comprometida também muda

Com o aumento das aposentadorias e pensões do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), que começam a ser pagas a partir desta quarta-feira (25) (veja calendário abaixo), o valor do limite para o empréstimo consignado também teve correção.

O piso dos benefícios passou de R$ 1.212 para R$ 1.302, reajuste de 7,43%. Já o aumento para quem recebe acima do salário mínimo foi de 5,93%, baseado no INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) de 2022.

Com isso, a margem consignável para os beneficiários também aumentou. Atualmente, é de 35% para crédito consignado, 5% para cartão consignado e 5% para cartão de benefício, o que totaliza 45% no máximo.

Uma pessoa que recebe o piso atual de R$ 1.302 vai poder comprometer até R$ 585,90 da renda, sendo R$ 455,20 no empréstimo consignado, R$ 65,10 no cartão consignado e R$ 65,10 no cartão benefício. Antes do aumento, o limite era de R$ 545,40.

“Na prática, isso quer dizer que quem estava com margem consignável negativa, sem possibilidade de novos empréstimos, terá valor extra para utilizar; e aquele que tinha margem terá acréscimo ao limite anterior”, explica Gustavo Gorenstein, CEO da BX Blue, marketplace de crédito consignado online.

A modalidade é concedida a quem tem salário, aposentadoria ou pensão creditado em conta-corrente. Pelo fato de o valor ser descontado diretamente na folha de pagamento ou na aposentadoria do cliente, é uma opção de empréstimo fácil e com juros baixos. A taxa-limite é de 2,14% ao mês para o empréstimo pessoal consignado e de 3,06% ao mês para o cartão de crédito.

Risco de endividamento

Ou seja, a medida permite comprometer até 45% da renda com um empréstimo. Com isso, a orientação é redobrar os cuidados para se beneficiar caso seja necessário, mas sem aumentar o endividamento das famílias.

“O risco maior é para as famílias que já estão hoje com um grau de endividamento e vão se comprometer ainda mais, porque vão ser assediadas pelos bancos para fazer uso desse que seria um recurso a mais da disponibilidade da renda, só que elas olham para isso como uma oportunidade de novo crédito”, alerta Ione Amorim, economista e coordenadora do programa de Serviços Financeiros do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

Ela explica que, frequentemente, os bancos refinanciam a dívida que o consumidor já tem com o consignado, considerando o contrato vigente, o saldo que ainda vai vencer e atualizando o valor presente ao empréstimo para estabelecer qual é a nova margem. A partir daí, refinanciam o saldo, considerando essa diferença que vai se converter no que é chamado de “troco”, que é a diferença do saldo que foi comprometido anteriormente, juntamente com esse novo patamar de margem.

Por exemplo, a diferença para quem recebe o piso será de R$ 40 em relação à margem anterior. Supondo que a pessoa pegue novo crédito só a partir dessa difrença, ela terá um crédito de aproximadamente R$ 1.400, se financiar com taxa máxima, que é de 2,14%, e no prazo máximo, de 84 meses.

Baseado nesse cálculo, a pessoa vai ter um adicional em torno de R$ 2.000 nesse novo refinanciamento. E isso vai fazer com que ela volte a dever por mais 84 meses, explica Ione, do Idec.

“A cada ano, quando tem a mudança do valor, esse efeito acaba se refletindo nos contratos. Muitos são renovados pelo período máximo. Essas famílias vivem continuamente com toda a renda disponível para a margem de consignação comprometida”, afirma a economista.

Isso vai fazendo com que as pessoas percam a capacidade de se administrar financeiramente. “Alguém que ganhe R$ 1.302 e retenha 45%, ou aproximadamente R$ 600, para fazer o pagamento das parcelas do consignado vai passar a viver com R$ 700. Isso é insuficiente para a pessoa grantir o pagamento das contas de água, luz, alimentação e moradia. Então, essas famílias acabam retornando ao mercado de crédito e pegando o crédito mais caro, como os cartões, cheque especial, crédito em financeiras que praticam juros muito elevados”, avalia.

Refém do crédito

Para Ione, o problema vira um ciclo, porque a pessoas fica refém do uso do crédito e não conseguem terminar esses contratos, que acabam ficando permanentes na vida dessas famílias. Ela conta que trabalha com alguns casos em que as famílias já estão há 15 anos renovando os contratos de empéstimo.

Desde que foi criado, a margem já aumentou de 30% para 35%, e agora para 45%. O prazo, que começou com 60 meses, foi para 72 meses, e hoje é de 84 meses. “Do ponto de vista do planejamento financeiro, esse arranjo vai complicando, vai tirando dessas famílias a capacidade de se planejar dentro de sua realidade, que ainda é bastante escassa em termos de recurso”, analisa a economista.

A orientação para o consumidor que precisar fazer o consignado ou o refinanciamento é ir reduzindo o prazo para conseguir concluir o pagamento. Além disso, sempre fazer simulações para ter previsibilidade e planejamento.

“Procure não se levar pelas linhas disponíveis nos bancos. Procure refletir e pegue o necessário para resolver o problema, mas não fique perpetuando essa condição. Precisa ter muito cuidado com o consignado. Mesmo o crédito barato também gera endividamento quando é usado de forma não planejada”, conclui a coordenadora do Idec.

Confira os cuidados na hora de contratar o empréstimo

• Não realize nenhum tipo de adiantamento nem pagamento para obter o empréstimo;

• Pesquise e compare as taxas de juros e as condições oferecidas por outras instituições. Em especial, repare no Custo Efetivo Total (CET), que resume, em um único indicador, o preço da operação;

• Verifique se a instituição financeira está autorizada a funcionar pelo Banco Central e se está conveniada a sua fonte pagadora; por exemplo, no caso dos empréstimos consignados para aposentados e pensionistas do INSS, se a instituição está conveniada ao INSS;

• Nunca assine um contrato nem uma proposta de contrato em branco;

• Não aceite a intermediação de pessoas com promessas de acelerar o crédito;

• Não forneça o cartão magnético nem a senha do banco a terceiros;

• Lembre-se de que esse tipo de operação representa dívidas que poderão afetar a administração da renda pessoal e familiar futura, em razão do comprometimento mensal dos benefícios com o pagamento do empréstimo;

• Caso haja interesse em realizar a portabilidade do contrato, será importante ler atentamente as informações sobre portabilidade de crédito.

Fonte: Banco Central

Calendário de pagamento do INSS

Para quem recebe um salário mínimo, os depósitos referentes ao primeiro mês do ano serão feitos entre os dias 25 de janeiro e 7 de fevereiro. Já os segurados que têm renda mensal acima do piso nacional terão os pagamentos creditados a partir de 1º de fevereiro.

Atualmente, mais de 37 milhões de aposentados e pensionistas recebem benefícios do órgão.

Reprodução/INSS

Comentários

Continue lendo

Brasil

Sob o tema agronegócio, Lide Brasília volta à casa de Fernando Cavalcanti

Publicado

em

Por

Sob o tema agronegócio, Lide Brasília volta à casa de Fernando Cavalcanti
Pedro Reis

Sob o tema agronegócio, Lide Brasília volta à casa de Fernando Cavalcanti

Após uma edição no Royal Tulip, o principal encontro empresarial de Brasília retorna para a residência do já tradicional anfitrião Fernando Cavalcanti, vice-presidente do Nelson Wilians Group (NWGroup). A mansão imponente no Lago Sul foi palco de mais um Lide Brasília , presidido pelo empresário e ex-senador Paulo Octávio.

“As pessoas perguntam porque eu gosto de receber os eventos em casa. Eu digo que ela é a extensão das relações que costumo criar com as pessoas. Aqui eu recebo políticos, empresários e juízes, principalmente porque Brasília me abraçou e eu tenho que ser recíproco” , explicou Cavalcanti em conversa com o GPS.

Fernando também comentou sobre o Lide Nova York , que aconteceu neste mês na Brazil Week 2024 , semana destinada à discussão de temas relacionados ao futuro econômico e sustentável do país. “Conseguimos captar negócios não só para o NWGroup, mas também vislumbramos muitas oportunidades que, inclusive, serão inseridas aqui no Distrito Federal” , disse.

Apaixonado por carros, Fernando apresentou logo na entrada da casa seu mais novo xodó, a réplica de uma McLaren do piloto Ayrton Senna. A máquina é um trabalho quase artesanal do mecânico especialista em personalização e decoração automobilística Adhemar Cabral .

Adentrando na mansão, os convidados eram recebidos por Paulo Octávio, que cumprimentava um a um. Nesta edição do encontro, o empresário, que é presidente do Lide Brasília desde 2013, usou uma gravata verde. De acordo com ele: “Para representar o agronegócio” .

O início efetivo do evento foi marcado pela coletiva de imprensa do ministro Carlos Fávaro , que reforçou as ações realizadas pelo Governo nos primeiros 500 dias de mandato. “Ampliar os mercados foi a principal ação deste período, são 123 novos mercados abertos e aproximação com 51 países dos quais não tínhamos negociações anteriormente” , comentou.

Em seguida, os empresários, políticos e jornalistas se acomodaram às mesas e o almoço-debate começou. A entrada foi um mix de hortaliças, acompanhado de presunto de Parma e figos frescos. Enquanto isso, Champagne Veuve Clicquot era servido para os convidados.

Ao som das explicações sobre o potencial agropecuário da capital federal, as duas opções de prato principal foram entregues. Escalope de filet ao molho de vinho com sorrentino de limão siciliano ao pomodoro, além de atum selado em crosta de gergelim acompanhado de cuscuz de cogumelos compuseram as seleções gastronômicas. Nas taças, Châteauneuf-du-Pape era a alternativa de vinho tinto e Châteu Guiraud a de vinho branco.

Ao fim do almoço, quando o chocolatudo com calda de frutas vermelhas chegava às mesas, a rodada de considerações finais acontecia. Foi quando o representante do Governo do Distrito Federal no encontro – o secretário de Estado de Governo do Distrito Federal, José Humberto – afirmou: “Uma das melhores palestras que já vi no Lide” .

O último ato programado da cerimônia foi a entrega de garrafas de vinhos a algumas autoridades presentes, com destaque para o próprio palestrante. O rótulo em questão foi uma cortesia da Vinícola Brasília, reforçando um dos principais pontos de debate da tarde, que enfatizaram o potencial produtivo do DF.

Já em um momento de maior descontração, quando o networking ocorria entre os presentes, André Octávio Kubitschek, filho do empresário Paulo Octávio, presenteou o ministro Carlos Fávaro com um exemplar do livro “Por que Construí Brasília”, de Juscelino Kubitschek.

Como já é de costume, diversas autoridades passaram pelo Lide Brasília. Confira abaixo os cliques de Celso Junior:

José Rodrigues Neto, Jamal Bittar, Paulo Octávio e Edison Garcia

Gen. Eschiletti, Paulo Octávio e Valério Stumpf

Claudia Pereira e Rafael Badra

Paulo Octávio, Janine Brito e Rafael Bueno

Paulo Octávio e Rafael Bueno

André Octávio Kubitschek, Roberval Belenati e Fernando Queiroz

Paulo Octávio, Carlos Fávaro e André Kubitschek

Nadim Haddad e Edison Garcia

Carolina Araújo Mendes

Paulo Octávio, Carlos Fávaro e José Humberto

André Octávio Kubitschek e Renata Sanches

André Octávio Kubitschek e Weber Magalhães

Weber Magalhães, Paulo Octávio, Carlos Fávaro, Fernando Cavalcanti e André Octávio Kubitschek

Veja também as fotos de Rayra Paiva:

Rafael Badra e Marcella Athayde

Janete Brito e Janine Brito

Carlos Jacobino, Júlia Lucy e Luiz Afonso de Medeiros

Alan Soares, Sueli Rodrigues, Sandra Costa e Paulo Lopes

Pedro Pimenta da Veiga, Nathalia Pimenta da Veiga, Fernando Cavalcanti e Samuel Queiroz

Nadim Haddad

José Guilhermo Brenner

Alexandre Cenci, Fabrício Marchese, Renata Sanches, Alexandre Ahlerit e Marcos Dal Bello

Raquel Carvalho, Afonso Assad e Sandra Santos

Jonas Félix e Fernando Ribeiro

Fernando Cavalcanti, Wellington Luiz e Guilherme Machado

Nelsinho Trade e Roberval Belenati

Rafael Bueno e José Humberto

Cheila Wobido e Tainah Mello

Renata La Porta e Cristiane Hanashiro

Janete Brito e Janine Brito (2)

Barnardeth Martins e Melissa Barros

Luis Antônio Reis, Sergio Andrade e Josaphá Francisco

Eduardo Pereira e Luíza Rodrigues

Rafael Badra e Luis Antônio Reis

Pedro Ávila e Paulo Muniz

João Paulo Neves e Frederico Candian

Beatriz Montes, Juliana Pimentel e Chico Vigilante

Carlos Jacobino e Tarso Tassis

Sueli Rodrigues e João Paulo Neves

Jane Klebia e Roberta Macedo

Jonas Félix, Rodrigo Nogueira e Pedro Nogueira

Cristiano Araújo e Carol Mendes

Rodrigo Nogueira e Gen. Valério Stumpf

Adalberto Jr, Jamal Bittar, Raquel Carvalho, Afonso Assad e José Rodrigues Neto

Cláudio Magnavita e Rudolfo Lago

Valdeci Monteiro, Augusto Viana, João Teodoro, Carlos Fávaro, Paulo Octávio, José Humberto e Bia Kicis

Paulo Octávio e Carlos Fávaro (2)

LIDE-19

Fabrício Carata, Fábio de Carvalho, Antônio Matias, Fernando Brites e Luís Afonso Costa de Medeiros

Fernando Brites, Luiz Afonso de Medeiros e Marconi de Souza

Roberto Botelho e Tarso Tassis

Paulo Muniz e Avaldir Oliveira

Guilherme Dolabella, Caroline Borges e Marcella Athayde

Alexandre Cenci, Rafael Bueno, Fabrício Marchese e Ivan Engler

Mauro Heringer e Enrico Ribeiro

Valdeci Monteiro, João Teodoro e Augusto Viana

Edison Garcia, José Rodrigues Neto, Sebastião Abritta e Luciano Tonon

Caio Barbieri e Edison Garcia

Ediardo Martins (GAAS) e Fernando Pires (Assessoria Dep. Bia Kicis)

Gen. Eschiletti, Valério Stumpf e Fernando Queiroz

Dawson Oliveira, Cheila Girardello e Carlos Canedo (Dir. Sicredi Planalto Central)

Janete Brito, Cláudia Pereira e Janine Brito

André Kubitschek e Henrique Severien

The post Sob o tema agronegócio, Lide Brasília volta à casa de Fernando Cavalcanti first appeared on GPS Brasília – Portal de Notícias do DF .

Fonte: Nacional

Comentários

Continue lendo

Brasil

MEC ofertará 80 mil bolsas a estudantes de cursos de licenciatura

Publicado

em

Por

MEC ofertará 80 mil bolsas a estudantes de cursos de licenciatura
Agência Brasil

MEC ofertará 80 mil bolsas a estudantes de cursos de licenciatura

O Ministério da Educação (MEC) vai ofertar 80.040 bolsas para estudantes de cursos de licenciatura de todo o país, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), autarquia vinculada à pasta. Lançado na terça-feira (28), o edital do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) prevê o investimento de R$ 1,8 bilhão no programa. Pelo edital, caberá às instituições de educação superior apresentarem, no período de 7 de junho a 25 de julho de 2024, os projetos de iniciação à docência.

Cada estudante de licenciatura participante do programa vai receber uma bolsa no valor de R$ 700, em até 60 mensalidades. Também recebem o benefício mensal os supervisores (R$ 1,1 mil) e os coordenadores de área (R$ 2 mil) e institucionais (R$ 2,1 mil).

Segundo o MEC, o objetivo é fortalecer a formação dos futuros professores da educação básica, ao inseri-los na realidade escolar durante o percurso formativo.

As bolsas serão destinadas para projetos nas áreas de alfabetização, artes, artes visuais, biologia, ciências agrárias, ciências naturais, ciências sociais, computação, dança, educação bilíngue de surdos, educação do campo, educação especial, educação física, educação indígena, educação quilombola, filosofia, física, geografia, história, letras espanhol, letras inglês, letras língua brasileira de sinais (libras), letras português, licenciaturas interdisciplinares, matemática, música, pedagogia, química e teatro.

A maior quantidade de bolsas será para a Região Nordeste, que ficará com 20.688. Em seguida, vêm o Sudeste, com 16.584; e o Sul, com 12.264. A Região Norte contará com 8.040 bolsas; e o Centro-Oeste, com 7.440.

O MEC informou ainda que, do total, 10.008 bolsas serão destinadas a subprojetos da área de alfabetização, enquanto 5.016 seguem para o Pibid Equidade, que reúne cursos de educação do campo, educação bilíngue de surdos, educação especial inclusiva, educação indígena e educação quilombola.

O procedimento de inscrição é feito pelo Sistema Integrado Capes (Sicapes). Os interessados em submeter propostas precisarão solicitar acesso ao sistema entre os dias 5 de junho e 5 de junho. A divulgação do resultado definitivo está prevista para 17 de setembro. As atividades devem ter início até 13 de dezembro. A vigência dos projetos selecionados é de dois anos, mas o período pode ser prorrogado de acordo com a avaliação da Capes.

The post MEC ofertará 80 mil bolsas a estudantes de cursos de licenciatura first appeared on GPS Brasília – Portal de Notícias do DF .

Fonte: Nacional

Comentários

Continue lendo

Brasil

Governo federal comprará quase 2 mil imóveis para desabrigados no RS

Publicado

em

Por

O governo federal comprará imóveis para atender a pessoas desabrigadas pelas fortes chuvas que assolam o Rio Grande do Sul desde o fim de abril. O anúncio de pacote de ações sobre habitação foi feito pelo ministro da Casa Civil da Presidência da República, Rui Costa, nesta quarta-feira (29), em entrevista coletiva à imprensa, em Porto Alegre.

Em um primeiro momento, o governo pretende disponibilizar quase 2 mil casas às famílias gaúchas que estão sem moradia, estimou o ministro. Costa não estipulou prazo para entrega dessas moradias.

Uma das ações é a chamada compra assistida de imóveis usados. Rui Costa explicou que os domicílios poderão ser indicados pela população já nos próximos dias. As unidades passarão pela avaliação de técnicos da Caixa Econômica Federal para posterior compra e destinação imediata aos desabrigados.

Outra modalidade será a compra de casas e apartamentos novos ou ainda em construção nas cidades atingidas, com valor limitado ao teto da Faixa 1 (famílias com renda mensal bruta até R$ 2.640) e Faixa 2 (renda familiar de R$ 2.640,01 a R$ 4.400/mês) do programa federal Minha Casa, Minha Vida.

Segundo o ministro, as empresas, construtoras e imobiliárias que quiserem vender imóveis novos ou que ficarão prontos em até 60 dias podem registrar as unidades em site que a Caixa divulgará em breve. “O governo comprará todos os imóveis nesse perfil que as empresas ofertarem nessas cidades, dentro do limite solicitado de casas perdidas.” O governo também vai compatibilizar o valor do imóvel com a renda familiar para, por exemplo, permitir a quitação mensal da taxa de condomínio, sem comprometimento de recursos.

Na próxima semana, o Ministério das Cidades publicará uma portaria que permitirá que proprietários de imóveis particulares também vendam ao governo federal, na faixa de valor que está estipulada. “O cidadão comum que tem sua casa de aluguel que resolveu vender ou alguém que está vendendo a casa ou um apartamento vai entrar no site da Caixa e vai ofertá-lo. Nós teremos um teto máximo de valor que a portaria vai definir e a Caixa fará a avaliação de cada imóvel. Feita essa avaliação, o governo paga esse imóvel e a família se muda imediatamente para essa residência”, disse Rui Costa.

Além de unidades novas, imóveis que estão em leilão nas cidades gaúchas em bancos como a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e instituições privadas, em faixa de valor a ser divulgada, também serão destinados às famílias atingidas pelas chuvas. “Solicitamos aos bancos que retirassem do leilão imóveis nesse perfil desocupados, porque o governo [federal] está comprando todos eles, dos bancos privados, da Caixa e do Banco do Brasil para ofertar às famílias.”

No caso de imóveis que estavam destinados ao leilão que precisarem de reparos, o ministro informou que as famílias do Rio Grande do Sul realocadas nessas unidades receberão recursos da Caixa para fazer a reforma. “A ideia é que a gente dê um recurso a essa família. A Caixa fará uma estimativa de valor para a família consertar e esta pode mudar imediatamente”, previu.

“Vamos buscar por este combo de soluções acelerar essa questão que, entre todas, é a mais sensível, porque quem está com sua casa embaixo d’água ou destruída está no desespero, porque olha para sua família morando de favor na casa de alguém ou em um abrigo”, disse Rui Costa.

Outras soluções

O governo federal estuda outras possibilidades para aumentar a oferta de imóveis aos desabrigados gaúchos. O ministro Rui Costa divulgou que o Ministério das Cidades financiará a construção de moradias pelas prefeituras gaúchas que queiram trabalhar em esquema de mutirão, em curto prazo. “Apostaremos nessa solução para esses municípios que têm o número de unidades menores, onde prefeitas se colocam à disposição para fazer a autoconstrução, mobilizando os próprios moradores com assistência técnica ou com a contratação de empresa.”

A Caixa também tem buscado construtoras que usam metodologias rápidas para erguer casas, como imóveis pré-fabricados e modulares. “Estamos analisando tecnicamente todas as opções e pedindo às empresas que façam suas ofertas”, disse Rui Costa adiantando que ainda precisa saber das prefeituras qual será a necessidade real da quantidade de imóveis após a águas das enchentes baixarem.

Fonte: EBC GERAL

Comentários

Continue lendo