Candidato à reeleição respondeu perguntas sobre BR-364 e Ruas do Povo.
Tião Bocalom será o entrevistado desta sexta-feira (22).

G1/Acre

Clique na imagem para ver entrevista em vídeo - Foto: captura
Clique na imagem para ver entrevista em vídeo – Foto: captura

Candidato à reeleição, o governador Tião Viana (PT), afirmou, em entrevista ao Jornal do Acre (JAC), nesta quinta-feira (22) que a ‘Operação G7’, deflagrada em maio de 2013 pela Polícia Federal, que culminou com a prisão de secretários, empreiteiros e de seu sobrinho, foi “um dos mais violentos atos de violação de um procedimento processual”.

Questionado sobre a volta de alguns suspeitos à administração pública, mesmo antes do processo ser julgado pela Justiça, o governador ressaltou que apenas o ex-secretário de Obras, Wolvenar Camargo, voltou a ser renomeado, para ocupar o cargo de assessor especial do governo.

“De fato só um dos envolvidos voltou a trabalhar em meu governo, que foi o secretário Wolvenar Camargo, um dos homens mais honrados que já conheci. E os outros estão aguardando o desenrolar do devido processo de investigação e o  movimento judicial para que possam se defender”, diz.

O governador aproveitou ainda para fazer críticas à condução da operação. “Prenderam, mas não tinham como apresentar denúncia, não abriram um processo penal devido com direito à defesa e acusação porque ainda não tem elementos suficientes. Aquilo foi um dos mais violentos atos de violação de um procedimento processual correto”, disse.

BR-364
O governador falou ainda sobre a BR-364, cujas obras de pavimentação ainda não foram concluídas. “Tem muitas falhas estruturais, mas estamos nos preparando para vencer. Conversei com o superintendente do DNIT e ele disse que vamos viver o melhor período com a fase de retomada da autonomia do Ministério dos Transportes para investir aquilo que ela merecia que tivesse sido investido. Faltam 4 km para ser interligada”, enfatiza.

Isolamento
Sobre o que ele pretende fazer para evitar que o Acre fique novamente isolado do resto do país, como ocorreu em 2014, por causa da cheia histórica do Rio Madeira. O governador disse que já entrou em contato com o Departamento Nacional Infraestrutura (DNIT), e que recebeu a informação de que o trecho da BR-364 que ficou destruído pela ação das águas será recuperado até o final do mês de setembro de 2014. Além disso, ele afirmou que a ponte sobre o Rio Madeira será construída.

Clique na imagem para ver vídeo de entrevista - Foto/Captura
Clique na imagem para ver vídeo de entrevista – Foto/Captura

Ruas do Povo
Uma das promessas de campanha de Tião Viana, em 2010, o programa “Ruas do Povo” deveria, em quatro anos, pavimentar todas as ruas de todos os municípios acreanos. Porém, faltando menos de quatro meses para o final do mandato, ainda restam diversas ruas que não receberam o benefício, na capital e no interior.

Indagado sobre isso, Viana reafirmou que cumprirá o que foi originalmente prometido, mas ressaltou que precisou lidar com o surgimento de novas ruas, que não estavam previstas originalmente, e com a incapacidade das empresas locais para realizar as obras.

“No mês de novembro deste ano estaremos com 21 dos 22 municípios com todas as ruas concluídas. Já passamos das ruas existentes quatro anos atrás. E as que faltam ou faltarão em Rio branco já estão com contrato feito, mas não temos empresas para a execução desses contratos no Acre”, comentou.

Tião Viana respondeu ainda perguntas sobre Educação, Emprego e Renda, Inclusão e sobre a Administração Estadual.

Viana foi o terceiro entrevistado da série de entrevistas promovidas pelo Jornal do Acre e G1 com os candidatos ao governo do estado. Nesta sexta-feira (22), será a vez de Tião Bocalom (DEM), conforme ordem definida por sorteio com a presença de representantes dos partidos.

Comentários