O governador Gladson Cameli vai pedir ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, nesta terça-feira, 4, em Brasília, reforço do Exército brasileiro na fronteira do Acre com o Peru e a Bolívia.

Cameli afirmou na manhã desta segunda-feira, 3, que a faixa de fronteira no Acre precisa urgentemente de uma maior atenção e que “toda ajuda será bem-vinda”.
O governador disse que não vê problemas, inclusive, em uma eventual atuação do Exército nas ruas da Capital em uma parceria com as polícias.

Sem efetivo do Exército ou Polícia Federal nas divisas entre o Peru e a Bolívia, dois dos principais produtores de coca do mundo, o Acre é um corredor vulnerável para o tráfico de drogas e armas e um ponto estratégico para a atuação das facções criminosas.

A guerra do tráfico tem deixado um rastro de sangue nas ruas das cidades acreanas. 47 assassinatos foram registrados no mês de janeiro deste ano e outros três já em fevereiro. A maioria das mortes tem relação com a disputa entre as facções criminosas pelo território do tráfico de drogas.

Durante coletiva no início da semana passada, no Palácio Rio Branco, ao lado do governador Gladson Cameli, o secretário de Segurança, Paulo Cezar dos Santos, criticou a ausência da União nas fronteiras e a falta de atuação da Força Nacional. Ele afirmou que o Estado do Acre executa um trabalho que constitucionalmente é de atribuição do governo federal.

Além da reunião com Sérgio Moro, Gladson cumprirá agendas na Casa Civil e nos ministérios da Infraestrutura e Economia.

Comentários