O presidente do PP também questiona o fato de empresários de Manaus e Rondônia ganharem licitações no Acre e reclama da quantidade de pessoas do Amazonas em cargos de comissão no governo do Estado.

O pastor afirma que Gladson é um espécie Peter Pan e diz não acreditar na mudança de personalidade do governador.
Luciano Tavares

A menos de 24 horas para a reunião decisiva entre dirigentes do Progressistas, deputados do partido e o governador Gladson Cameli sobre a pré-candidatura de Tião Bocalom à prefeitura de Rio Branco, o jornal Notícias da Hora teve acesso a uma sequência de áudios em que o presidente da executiva municipal do partido, pastor Reginaldo Ferreira, detona o governador Gladson Cameli durante uma reunião com outras duas pessoas.

As declarações do dirigente são uma bomba e revelam o ambiente de guerra em que se transformou o PP nos últimos dias.

Na reunião, o pastor fala em estratégias utilizadas para “encurralar” Gladson com o objetivo de forçá-lo a apoiar a candidatura de Bocalom chama o governador de “criança no corpo de homem”, detona o governo e cita até a “fama de riquinho de Cameli.

“Não queira saber os inúmeros momentos que eu tenho que lidar com o governador. Ele faz um movimento, eu faço dois. Ele [Gladson] faz um movimento, eu faço dois, cutuco o Petecão pra fazer também. Mesmo eu um homem comum tenho lutado…

A esperança de que ele acorde e se veja tão encurralado que ele venha… Mas a coisa chegou a um ponto em que a candidatura do Progressistas é inevitável. Ela é vital. E quanto mais o Gladson se revela voluntarioso e mais atípico com a política, mais a direção do Progressistas entende que é imperativo a necessidade de candidatura. A gente quer que seja com ele, mas mesmo sem ele a candidatura é inevitável

Eu tenho que ficar me imaginando como se fosse um ninja para poder não cair nas armadilhas do Gladson o tempo todo.”

O pastor afirma que Gladson é um espécie Peter Pan e diz não acreditar na mudança de personalidade do governador.

“O Gladson não passa de uma criança no corpo de um homem. A minha vida é lidar com gente. De gente eu entendo. A psicologia chama isso de crianças eternas. Você não tem sinais de que o Gladson vai mudar.”

O líder evangélico e dirigente partidário acrescenta que “Gladson vai muito bem obrigado. Com a fama dele de riquinho, embora eu não costume ver o dinheiro do Gladson. Esse tempo todo eu nunca vi o dinheiro do Gladson”, confessa o pastor.

Para o pastor Reginaldo Ferreira, o governo da qual ele faz parte não tem nenhum projeto de gestão para o Acre.

“Nós não temos controle sobre o governo. E não seria descente fingir que temos. Não peça pra mim enganar ninguém gerando expectativa de paraíso conduzido pelo Gladson. Acho que nós não devemos nos arrepender. A alternância de poder era necessária. Só que alternância de poder não pode se limitar mudança de nome. Nós não temos projeto, nós não temos programa. Nós já estamos quase na metade do nosso mandato e você não tem nem sinal disso. Você até agora não tem algo no Estado com essa mudança de governo que você possa dizer: isso aqui realmente é significativo, isso realmente é estruturante.”

O governador declarou publicamente que vai apoiar a reeleição de Socorro Neri (PSB) à prefeitura, ideia inaceitável para o dirigente, que questiona: “De onde pode sair uma ideia do governador fortalecer uma outra candidatura que não a do grupo político dele, contra o Márcio Bittar, contra o Petecão, contra o Bocalom, contra a Mailza, contra todo mundo. Que tipo de cabeça é isso? Isso é de gente que marginaliza a política, isso é de gente que nós três aqui passa pra botar eles onde eles estão pra depois ficarem como aqueles meninos brincando e a gente sendo cobaia”.

Ele também questiona o fato de empresários de Manaus e Rondônia ganharem licitações no Acre e reclama da quantidade de pessoas do Amazonas em cargos de comissão no governo do Estado.

Comentários