Suzeudo e Walesson foram pronunciados em decisão da 1ª Vara do Tribunal do Júri. Maurício era natural de São Paulo e foi assassinado a facadas no ano passado.

Maurício Silva foi morto com várias facadas em fevereiro do ano passado — Foto: Arquivo pessoal
Por Iryá Rodrigues, G1 AC

Os dois homens suspeitos de participação na morte do turista Maurício Silva, de 29 anos, em fevereiro do ano passado, vão a júri popular.

A decisão de pronúncia, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, foi publicada na última quinta-feira (5). A vítima morreu após levar dez facadas no último dia 3 de fevereiro. A suspeita inicial era de latrocínio, hipótese que foi descartada pela polícia.

Suzeudo Alves do Nascimento e Walesson Luiz Abreu de Souza foram denunciados pelos crimes de homicídio qualificado e participação em organização criminosa. Na decisão, a Justiça determinou ainda a manutenção da prisão provisória da dupla.

O advogado da dupla, Giliard Silva de Souza, afirmou que não vai recorrer da pronúncia e que vai aguardar o julgamento. Segundo a defesa, ainda não há uma data para acontecer o júri popular.

“O que existe nos autos são apenas indícios. O Suzeudo, em especial, na noite do evento criminoso, se viu pela análise da tornozeleira dele, que estava próximo da área onde aconteceu o fato e por conta de mensagens telefônicas entre ele e o Walesson. Onde o Walesson fala do rapaz que chegou dizendo que era de uma facção criminosa, mas em nenhum momento existe a confissão de nenhum dos dois. Então, isso vai ser debatido por ocasião do conselho de sentença”, afirmou o advogado.

A vítima era natural de São Paulo e estava hospedada no Hotel Triângulo desde o dia 26 janeiro e teria saído por volta das 19 horas e foi encontrada perto do hotel sem o celular e as roupas.

Silva ainda foi socorrido e levado ao Pronto-Socorro de Rio Branco, mas não resistiu aos ferimentos e morreu por volta das 23 horas.

Suzeudo Alves do Nascimento foi preso no dia 15 de março do ano passado em Rio Branco — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Suzeudo Alves do Nascimento, de 32 anos, foi preso no dia 15 de março do ano passado, no bairro Papoco, em Rio Branco, mesma região onde ocorreu o crime. A prisão ocorreu durante uma ação de cumprimento de mandados de prisão na região Central da capital acreana pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

No último dia 17 de fevereiro foi realizada audiência de instrução, onde cinco testemunhas foram ouvidas. Conforme a Justiça, foi relatado que a vítima chegou no bairro Papoco afirmando ser de uma facção rival a que predomina na região. Após isso, Silva foi abordado e em seguida morto.

Comentários