Conecte-se conosco





Destaque Texto

Dois ex-ministros são presos, há ordens para prender ex-presidente Jeanine Áñez e três outros ex-ministros

Publicado

em

O Ministério Público ativou os mandados de prisão contra outras quatro pessoas por terrorismo, sedição e conspiração. O processo foi aberto à denúncia da ex-deputada Lidia Patty e é conhecido como o caso do “golpe”.

Em documento divulgado pela emissora estatal Bolivia TV, a ex-presidente e os demais são acusados de conspirar nos movimentos que culminaram na queda de Morales. A ordem de prisão é justificada, de acordo com o Ministério Público boliviano, por haver “risco de fuga ou obstrução [nas investigações]”

COM CARLOS CORZ

O ex-ministro Álvaro Coimbra e Energías Rodrigo Guzmán foram apreendidos esta sexta-feira em Beni, enquanto estão pendentes mandados de prisão contra três outros ex-ministros e a ex-presidente Jeanine Áñez pelo caso de “golpe” ou pelos fatos que dele resultaram. Sobre a renúncia do ex-presidente Evo Morales .

Os três ex-ministros ainda procurados são do Governo Arturo Murillo, da Defesa Fernando López, ambos fora da Bolívia, e da Presidência Yerko Núñez. Os mandados de prisão foram desencadeados a partir da denúncia da ex-deputada Lidia Patty e são processados ​​pelos crimes de terrorismo, sedição e conspiração.

Também na lista com pedidos de pressão estão Palmiro Gonzalo Jauregui, Jorge Gonzalo Terceros Laura, Jorge Mendieta Ferrufino e Jorge Elmer Fernández Torranzon.

Segundo a denúncia, “acumulam-se provas que ilustram suficientemente a provável participação” dos arguidos nos crimes apurados.

Detalha ainda que existe o risco de obstrução do processo, tendo em conta que “actualmente o Ministério Público não acumulou provas documentais sobre o caso, como os autos que tinham assinado as portarias do dia em que foi gerado , onde se estabelecem as circunstâncias e as pessoas que direta e indiretamente participaram da reunião de 10 de novembro de 2019 quando foi solicitada a renúncia do Presidente Evo Morales ”.

“Eles o interceptaram no meio da rua, três caras que nem se identificaram, colocaram ele em um carro e o levaram embora, felizmente a pessoa com quem ele estava começou a segui-los, porque não saberíamos disso eles o trouxeram ao aeroporto “, explicou Dalia Lima, esposa de Guzmán.

O ex-ministro Coimbra e Guzmán. Foto Carlos Corz

Em um vídeo carregado nas redes sociais, Guzmán descreveu sua prisão como um sequestro e negou ter recebido uma intimação para comparecer à cidade de La Paz. “Nunca fui avisado, mas continuaremos sendo adversários dessa ditadura”, disse.

Coimbra e Guzmán terão de comparecer perante o Ministério Público de La Paz. Áñez e Núñez também moram em Beni, mas até o momento sua apreensão não foi relatada.

Por este caso, os ex-comandantes das Forças Armadas Sergio Orellana e Williams Kaliman e da Polícia Yuri Calderón também são processados. Orellana deixou a Bolívia em novembro passado e Calderón não foi encontrado. O ex-chefe do Estado-Maior Almirante Flavio Arce San Martín foi preso e sua audiência cautelar está marcada para esta sexta-feira.

Comentários

Em alta