Conecte-se conosco





Cotidiano

“Dizer que voto auditável gerará compra de voto não acrescenta nada”, diz Alessandra Marques

“Porque no Brasil sempre houve compra de voto e curral eleitoral com ou sem urna eletrônica”, continuou a promotora

Publicado

em

POR EVERTON DAMASCENO

Repercutindo seu posicionamento a respeito do voto auditável, a promotora Alessandra Marques usou novamente suas redes sociais nesta segunda-feira (2) para explicar que o assunto não pode ser foco de uma “briga entre os dois extremos” no Brasil.

“Neste país onde tudo é partidarizado e judicializado, ainda há vida fora dos extremos sim. Para evitar novos problemas, vou deixar claro que não faço parte da polarização entre voto auditável e voto não auditável que está na crista da onda no país”, escreveu.

“Dos mais de 40 países que usam o voto eletrônico, somente Brasil, Butão e Blangadesh não adotam o voto auditável. Ademais, a maioria já utiliza urnas de segunda geração”, continuou.

Marques, que já respondeu pela Promotoria Eleitoral no ano de 2018, quando aconteceu o último pleito para os cargos de deputado estadual e federal, governador, senador e presidente da República, destacou que “dizer que o voto auditável gerará compra de voto não acrescenta nada”.

“Porque no Brasil sempre houve compra de voto e curral eleitoral com ou sem urna eletrônica, sendo que no tempo do voto escrito ele era facilmente adulterado até por quem trabalhava na eleição”, argumentou.

Alessandra finalizou a publicação dizendo que o eleitor tem direito ao comprovante de votação e o sistema tem que ser e parecer confiável.

“Vamos para o futuro, gente, não só o eleitor tem direito ao comprovante de votação como o sistema tem que ser e parecer confiável. Retirem esse debate da briga entre os extremos que se digladiam, porque isso não leva o país ao desenvolvimento”, concluiu.

Comentários

Em alta