Homem conseguiu arrecadar muitas doações — Foto: Arquivo pessoal
Por Alcinete Gadelha

Após seis anos sem contato com o irmão mais velho, o monitor de congelados Antônio Leal mobilizou a internet, na última semana, ao encontrar o irmão Adelson da Costa, com a mulher e mais quatro crianças em situação de vulnerabilidade.

Com a repercussão, eles conseguiram várias doações, inclusive, de um terreno e madeira para construção de uma casa nova.

O casal mora no ramal Nova Esperança, na BR-364, em Rio Branco, em uma casa cedida, onde Costa faz alguns trabalhos como agricultor. A reportagem não falou com a família porque mora na zona rural e não tem como manter contato, segundo informou Leal.

“Fiz uma visita pra ele na semana passada e não sabia as condições que ele estava vivendo. Sempre pedia informações das pessoas e elas informavam que ele estava bem. Mas, quando fui fazer a visita me deparei com a situação de miséria total”, relembra Leal.

Após encontrar o irmão mais velho nesta situação, ele conta que conversou com outra irmã e decidiram fazer uma mobilização na internet para ajudar a família. O que eles não esperavam é que iriam surgir tantas doações.

Na página onde foi feito o pedido a publicação teve diversos compartilhamentos, além das ligações que o irmão recebeu.

“A gente conseguiu cesta básica, roupas novas e usadas, cama, fogão, geladeira, colchão. Conseguimos até o terreno para fazer a casa e toda a madeira para construir. E também temos a pessoa para construir, tem que vai fazer a instalação da energia. Falta só começar. Vou visitar ele e falta apenas convencer ele a mudar porque o terreno que foi doado é na Vila Campinas. Mas, dentro de um mês ele pode morar na casa dele”, comemora.

Situação precária

Leal conta que a casa onde o irmão mora com a esposa e os quatro filhos está prestes a cair e que as crianças não tinham sandália para calçar, tinha apenas um colchão velho para dormir.

“No dia que estive lá, eles tinham para almoçar uma carne de caça, feijão e farinha. Para pegar água é uma distância enorme e o poço de onde eles pegam a água é suja. Banheiro para fazer as necessidades não tem. É muito complicada a situação deles, bem precária”, conta.

Ele acrescenta que o irmão tinha saído para trabalhar sem se quer tomar café da manhã.

Mobilização

Leal conta que os dois são filhos apenas da mesma mãe e que há algum tempo estavam sem contato e, por isso, não fazia ideia de como o irmão estava vivendo. A situação o deixou abalado e foi o que o fez tomar a atitude de expor a situação.

“Sabia de notícias de onde ele estava, então esperava as férias para ir visitar ele. Fui visitar e ia passar três dias com ele lá, mas quando cheguei e deparei com a situação nem fiquei porque não tinha espaço para dormir”, lamenta a situação.

Agora, Leal diz que pessoas de Rio Branco e até mesmo de fora do país mandaram ajuda para o irmão. Ele conta que já mandou alguns suprimentos durante a semana, e vai voltar neste sábado com mais doações. “Talvez ele tenha até se assustado com a repercussão que deu. Até eu me assustei.”

Doações vão desde comida, roupas e até terreno — Foto: Arquivo pessoal

Sentimento

Sobre o irmão, Leal diz que, apesar da dificuldade que enfrenta ele não demonstra tristeza. “Mas, a gente vê muita tristeza nos olhos da esposa dele. Ele deve ter aquela tristeza que não demonstra a ninguém e, por isso, agradeço a todo mundo que está nos ajudando.”

Leal conclui dizendo que queria ir embora de Rio Branco, mas hoje sabe que está no lugar certo.

“Aqui é o meu lugar porque o carinho que a gente tem recebido é impressionante. Em cada casa que chego, ouço uma história diferente e esse carinho imenso de pessoas que se comovem com a situação”, conclui.

Comentários