Dois acadêmicos tiveram que retornar para o internato no lado boliviano, mesmo após o governo publicar o Decreto suspendendo todas as aulas – Foto: Alexandre Lima

Muitos já estavam fora do País após a suspensão das aulas e voltaram para trabalhar para não perder notas sem apoio.

Uma situação registrada na manhã deste sábado na ponte que liga a Bolívia ao Brasil, através da cidade de Epitaciolândia no Acre, se ficou sabendo que os acadêmicos que já estão concluindo o curso, estão tendo que trabalhar sem qualquer apoio no lado boliviano.

Como quase todo mundo sabe, qualquer aluno após se formar na Bolívia, tem que pagar um ‘internato médico’ que pode durar até um ano e meio, em qualquer lugar do País para que possa obter notas e receber seu diploma.

Hospita de Cobija recebe maioria dos internos brasileiros – Foto/internet

Nesse tempo, todos passam por uma prova pessoal, sendo as vezes explorados por alguns doutores (monitores), tanto no lado financeiro e no psicológico, tendo que trabalhar horas e horas até o seu limite físico sem poder reclamar.

Em tempo de pandemia, cerca de 50 concludentes estão tendo que passar pela fronteira para terminar o internato até o dia 31, prazo para o término da quarentena no lado boliviano, caso seja estendido, terão de ficar por conta própria sem poder passar para o lado brasileiro.

Segundo a denuncia, os acadêmicos da UniversidadeTécnica Privada Cosmos – UNITEPC e Universidade Amazônica de Pando – UAP, não dispensaram os internos brasileiros, que estão tendo de pagar para trabalhar no hospital Roberto Galindo, localizado em Cobija, lado boliviano.

Cobija passará a ter quarentena de 24horas. Quem desobedecer poderá ser preso e responder processos na Bolívia – Foto/Internet

Relatam que alguns estão tendo de pagar mais um mês para ficar no lado boliviano, além de comprar sua própria alimentação. Caso não façam esse ‘esforço’, não obter suas notas e seus diplomas.

Muitos desses acadêmicos já não estavam mais no país, depois que o governo ter publicado o Decreto suspendendo todas as aulas nas instituições públicas e privadas.

 

Comentários