O setor de malharia espera com ansiedade os meses que antecedem o início de ano letivo. É tempo de faturar alto. Afinal, são mais de 170 mil alunos na rede pública de educação no Acre.

Agora bom mesmo é quando tem mudança de governo, já que é normal a nova gestão criar um novo modelo de uniforme. E é o que vai acontecer no ano letivo de 2020. Como não houve tempo para se discutir o assunto no início deste ano, o novo uniforme, com a marca do governo Gladson Cameli, vai estrear no ano que vem.

Mas o que era motivo de boa expectativa para as malharias, virou preocupação para os empresários, principalmente os pequenos.

A primeira preocupação é o preço. Atualmente, um uniforme da rede pública estadual, blusa e bermuda ou short/saia, é adquirido pelo valor de 40 reais. Pela proposta do novo modelo apresentado pelo governo, esse valor vai dobrar e chegar ao valor de 80 reais. Uma empresária do setor, que pede para não ser identificada, afirma que a preocupação é de que as famílias de baixa renda não irão conseguir comprar o uniforme. “A gente que conhece a realidade das famílias de baixa renda sabe que elas não vão conseguir comprar esse uniforme. Primeiro que não tem como comprar só um e na maioria das casas, tem mais de um filho que é estudante. Se a gente pegar uma casa com três alunos e comprar dois uniformes para cada, o valor vai sair R$ 480 e a gente sabe que esse é um dinheiro que muitas famílias não têm de onde tirar”, explica.

Governo pode comprar e doar uniformes

Segundo a empresária, nos grupos onde estão os donos de malharias e que o assunto é discutido, é ventilada a possibilidade do governo estadual adquirir os uniformes e distribuir aos estudantes da rede pública.

Nesse caso, o problema, segundo a empresária, se agrava ainda mais. Ela afirma que o temor é que apenas uma empresa seja beneficiada, prejudicando as outras empresas do setor e, principalmente, as que são de menor porte.

“O que falam nos grupos, inclusive do sindicato, é que o governo vai comprar os primeiros uniformes. Mas dizem que vão comprar de apenas um empreendedor. Aí eu pergunto? Como ficam os outros que esperam o ano todo para chegar essa época de ano e poder ter aumento nas vendas? Isso é muito injusto”, afirma.

A Assessoria de Comunicação da Secretaria Estadual de Educação confirmou que há interesse por parte do governo, mas que está sendo feito um estudo para verificar a fonte de recursos.

Comentários